spot_img
spot_img

Dilma veta refinanciamento dos clubes

spot_img
Compartilhe:
Presidenta Dilma Rousseff
Dilma Rousseff

A presidenta Dilma Rousseff vetou na noite desta segunda-feira o refinanciamento  das dívidas dos clubes de futebol brasileiro sem nenhuma contrapartida. O projeto previa o alongamento da dívida por 20 anos, com juros reduzidos, próximos à Taxa de Juros de Longo Prazo (5% ao ano), redução nas multas e nenhuma regra de responsabilidade.

O refinanciamento sem que os clubes tenham nenhuma obrigação em troca foi uma manobra legislativa do deputado Jovair Arantes, da bancada da bola. Ignorando meses de discussão entre clubes e Bom Senso FC, o parlamentar, as pressas, incluiu o texto na forma de um artigo em uma Medida Provisória (656), que nada tem a ver com futebol, e sim com a isenção de imposto a importação de um equipamento usado na agropecuária.

Após a derrota, uma pessoa ligada a Jovair afirmou à reportagem que a bancada da bola já esperava o veto – a medida tería sido uma forma de chamar a atenção do governo para a necessidade de resolver rapidamente o problema dos clubes.

A atitude revoltou o Bom Senso, que defende que os clubes sigam regras para evitar o endividamento, o não pagamento de salários e o caos financeiro. O movimento tinha participado ativamente de diversas rodadas de negociações da Lei de Responsabilidade Fiscal, que reuniu CBF e clubes em busca de um texto que ajudasse os times, mas ao mesmo tempo estabelecesse regras de responsabilidade.

Nesta segunda, a CBF chegou a pedir à presidente que sancionasse a “gambiarra” de Arantes. A Fenapaf, entidade sindical de atletas nacional, mudou de lado: depois de se aliar ao Bom Senso e defender os jogadores, retificou sua posição, apoiou a CBF e pediu a aprovação do texto que revoltou os atletas. A entidade que comanda o futebol brasileiro prometia, ainda, criar suas próprias regras de responsabilidade financeira para os clubes.

Os apelos não foram ouvidos por Dilma Roussef, que agiu dentro do esperado pelo Bom senso. Em conversas em Brasília, a presidente já tinha dado sinais claros de que não aprovaria nenhum refinanciamento sem contrapartidas dos clubes.

Agora, a tendência é que a discussão da Lei de Responsabilidade Fiscal volte à tona. Os fatos que cercaram a inserção do artigo 141 na MP 656 devem, entretanto, abalar a confiança e afastar as posições da CBF e do Bom Senso.

 

Edição: Veja Timon

Imagem: Divulgação

Via: UOL

Compartilhe:
spot_img
Veja Timon
Veja Timonhttps://vejatimon.com
O Veja Timon foi desenvolvido para suprir os timonenses com informações de um modo geral, onde a política não venha ser o foco central. Um site diversificado e imparcial, trabalhamos para levar um conteúdo de relevância para cidade. Veja Timon - Junto Com o Povo

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

spot_img

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Vazio no ninho: meus filhos cresceram, e agora?

Por Juliana Castelo Ao nascer um bebê, nascem um pai e uma mãe. Amor, cuidado e proteção são palavras-chave na jornada de criar uma criança...

Novidade: troque suas lâmpadas incandescentes por novas de LED nos postos E+ Reciclagem

Lançado em 2011, o projeto faz parte do Programa de Eficiência Energética da Equatorial e agora conta com mais serviços para a comunidade A Equatorial...

Em Teresina, pesquisadora da Fiocruz destaca avanços para baratear tratamento de imunoterapia a pacientes com câncer

Pesquisadora também destaca os desafios do Nordeste no enfrentamento a cânceres evitáveis As pesquisas e os avanços mais recentes relacionados ao diagnóstico, manejo e tratamento...