Banco HSBC promoveu encontros ilegais com sonegadores

spot_img
Compartilhe:

  Representantes da sucursal suíça do banco britânico HSBC deslocaram-se a pelo menos 25 países, em quatro continentes, para se encontrar de forma discreta, e muitas vezes ilegal, com clientes envolvidos em esquema de fuga ao Fisco. A revelação da operação SwissLeaks foi divulgada hoje (10) pela imprensa suíça.

Documentos fornecidos pelo técnico de informática e ex-funcionário do HSBC Hervé Falciani, que esteve na origem das revelações de um vasto escândalo de evasão fiscal organizada na filial suíça do HSBC, mostram que entre 2004 e 2005 ocorreram pelo menos 1.645 reuniões no estrangeiro, em 25 países, com clientes da instituição bancária, noticiaram os jornais Tages Anzeiger e Le Temps.

As reuniões ocorreram principalmente em hotéis de luxo ou em restaurantes sofisticados. Os representantes do banco inglês eram chamados gerentes de relacionamento. Quando se tratava de visitas de simples cortesia, as visitas eram legais. Mas, quando o representante da instituição bancária aproveitava a oportunidade para fazer operações financeiras, como a recuperação de novos fundos e ajuda para fugir dos impostos, os deslocamentos eram considerados ilegais.

Segundo informações da investigação, um aposentado, natural da Turquia, encontrou-se em Paris, em janeiro de 2005, com um dos gerentes de relacionamento da sucursal suíça do HSBC. Os apontamentos dele indicavam que o cliente desejava falar sobre o encerramento de contas que tinha em outros dois bancos e discutir a transferência para a filial suíça do HSBC.

No domingo passado, o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação revelou esse novo escândalo envolvendo o segredo bancário suíço. As informações divulgadas dizem respeito a contas no valor de mais de US$ 100 bilhões, englobando 106 mil clientes de 203 países.

 

Edição: Veja Timon

Via: Agência Brasil

Compartilhe:
Veja Timon
Veja Timonhttps://vejatimon.com
O Veja Timon foi desenvolvido para suprir os timonenses com informações de um modo geral, onde a política não venha ser o foco central. Um site diversificado e imparcial, trabalhamos para levar um conteúdo de relevância para cidade. Veja Timon - Junto Com o Povo

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Rafael inicia campanha com centenas de veículos adesivados em Timon

O deputado Rafael iniciou a campanha para deputado estadual, visando o retorno à Assembleia Legislativa, na manhã desta terça, 16, na sede do Partido...

Candidatos a cargos proporcionais com base em Timon intensificam agenda visual em primeiro dia de campanha

Veja como está agenda dos candidatos a deputado federal e estadual com base política na cidade de Timon no primeiro dia de campanha. Os nomes...

Em terceiro lugar e fora da disputa num segundo turno, Weverton Rocha vai rever estratégia

Pesquisas apontam que o senador disputa a segunda posição com Lahesio Bonfim. O senador Weverton Rocha, candidato a governador do Maranhão, pelo PDT, deverá, a...
  Representantes da sucursal suíça do banco britânico HSBC deslocaram-se a pelo menos 25 países, em quatro continentes, para se encontrar de forma discreta, e muitas vezes ilegal, com clientes envolvidos em esquema de fuga ao Fisco. A revelação da operação SwissLeaks foi divulgada hoje (10) pela imprensa suíça. Documentos fornecidos pelo técnico de informática e ex-funcionário do HSBC Hervé Falciani, que esteve na origem das revelações de um vasto escândalo de evasão fiscal organizada na filial suíça do HSBC, mostram que entre 2004 e 2005 ocorreram pelo menos 1.645 reuniões no estrangeiro, em 25 países, com clientes da instituição bancária, noticiaram os jornais Tages Anzeiger e Le Temps. As reuniões ocorreram principalmente em hotéis de luxo ou em restaurantes sofisticados. Os representantes do banco inglês eram chamados gerentes de relacionamento. Quando se tratava de visitas de simples cortesia, as visitas eram legais. Mas, quando o representante da instituição bancária aproveitava a oportunidade para fazer operações financeiras, como a recuperação de novos fundos e ajuda para fugir dos impostos, os deslocamentos eram considerados ilegais. Segundo informações da investigação, um aposentado, natural da Turquia, encontrou-se em Paris, em janeiro de 2005, com um dos gerentes de relacionamento da sucursal suíça do HSBC. Os apontamentos dele indicavam que o cliente desejava falar sobre o encerramento de contas que tinha em outros dois bancos e discutir a transferência para a filial suíça do HSBC. No domingo passado, o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação revelou esse novo escândalo envolvendo o segredo bancário suíço. As informações divulgadas dizem respeito a contas no valor de mais de US$ 100 bilhões, englobando 106 mil clientes de 203 países.   Edição: Veja Timon Via: Agência Brasil