Bloqueio R$ 1 milhão de executivos presos na Lava Jato

spot_img
Compartilhe:

fachada-petrobras-sede  O Credit Suisse, banco suíço de investimento, informou ao juiz federal Sérgio Moro, que conduz todas as ações da Operação Lava Jato, que bloqueou as contas dos executivos Gerson de Mello Almada, vice-presidente da Engevix, e do João Ricardo Auler, presidente do Conselho de Administração da Camargo Corrêa. Os dois são acusados de fazerem parte do cartel de empreiteiras alvo da Lava Jato, que investiga corrupção e propina na Petrobras.

Este é mais um bloqueio comunicado por instituição financeira à Justiça Federal. Até a última quinta-feira, 29, a malha fina do Banco Central já havia localizado e bloqueado R$ 200 milhões.

Segundo a Credit Suisse, Almada tem duas contas de investimento, uma com R$ 1,025.439,64 e outra sem saldo. Auler possui duas contas sem saldo e outras com R$ 6.310,34 e R$352,42. O diretor solicitou ao juiz os dados bancários da conta judicial para a transferência dos valores.

O banco havia sido citado na delação premiada do executivo Julio Gerin de Almeida Camargo – do grupo Toyo Setal. Ele apontou contas na Suíça, Nova York e no Uruguai por onde movimentou pelo menos US$ 74 milhões entre 2005 e 2012 e os contratos que serviram para movimentar o dinheiro de caixa-2 do PT, PMDB e PP.

Na Suíça, o delator apontou contas que abriu no Credit Suisse em 2005. Uma delas, de nome “Pelego”, foi usada para pagar as propinas. Camargo apontou pelo menos seis contas no banco, mas só a Pelego foi usada para caixa 2, segundo ele.

“Os recursos remetidos para a conta no Credit Suisse eram decorrentes de contratos de consultoria firmado por intermédio das empresas Auguri, Treviso e Piemote com consórcios e outras empresas contratos pela Petrobras.”

 

Edição: Veja Timon

Via: a tarde

Compartilhe:
Veja Timon
Veja Timonhttps://vejatimon.com
O Veja Timon foi desenvolvido para suprir os timonenses com informações de um modo geral, onde a política não venha ser o foco central. Um site diversificado e imparcial, trabalhamos para levar um conteúdo de relevância para cidade. Veja Timon - Junto Com o Povo

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Não esqueça o Zé Gotinha!

Saiba quais os riscos de não vacinar seu filho contra a poliomielite. Por Elainy Castro. Com certeza você lembra dele: Zé Gotinha é um personagem que...

Calor: Cuidados com a pele durante o B-R-O-Bró  

 Esteticista dá dicas sobre hábitos a serem adotados para evitar danos causados pelo sol   Com temperaturas ultrapassando os 40 graus na Capital Piauiense, a atenção...

“Em vinda de Fufuca em Timon, ex-vereador Ramon jr faz discurso emocionante aos seus apoiadores”

Em tom de emoção, o ex-vereador Ramon Junior, falou de sua luta como parlamentar pautada em busca de benefícios para a cidade e com...
fachada-petrobras-sede  O Credit Suisse, banco suíço de investimento, informou ao juiz federal Sérgio Moro, que conduz todas as ações da Operação Lava Jato, que bloqueou as contas dos executivos Gerson de Mello Almada, vice-presidente da Engevix, e do João Ricardo Auler, presidente do Conselho de Administração da Camargo Corrêa. Os dois são acusados de fazerem parte do cartel de empreiteiras alvo da Lava Jato, que investiga corrupção e propina na Petrobras. Este é mais um bloqueio comunicado por instituição financeira à Justiça Federal. Até a última quinta-feira, 29, a malha fina do Banco Central já havia localizado e bloqueado R$ 200 milhões. Segundo a Credit Suisse, Almada tem duas contas de investimento, uma com R$ 1,025.439,64 e outra sem saldo. Auler possui duas contas sem saldo e outras com R$ 6.310,34 e R$352,42. O diretor solicitou ao juiz os dados bancários da conta judicial para a transferência dos valores. O banco havia sido citado na delação premiada do executivo Julio Gerin de Almeida Camargo - do grupo Toyo Setal. Ele apontou contas na Suíça, Nova York e no Uruguai por onde movimentou pelo menos US$ 74 milhões entre 2005 e 2012 e os contratos que serviram para movimentar o dinheiro de caixa-2 do PT, PMDB e PP. Na Suíça, o delator apontou contas que abriu no Credit Suisse em 2005. Uma delas, de nome "Pelego", foi usada para pagar as propinas. Camargo apontou pelo menos seis contas no banco, mas só a Pelego foi usada para caixa 2, segundo ele. "Os recursos remetidos para a conta no Credit Suisse eram decorrentes de contratos de consultoria firmado por intermédio das empresas Auguri, Treviso e Piemote com consórcios e outras empresas contratos pela Petrobras."   Edição: Veja Timon Via: a tarde