Com estiagem, carne bovina fica mais cara

spot_img
Compartilhe:

carne-bovina-boi  A carne bovina foi um dos produtos que mais pressionaram o orçamento das famílias na cidade de São Paulo em 2014, segundo o levantamento Custo de Vida por Classe Social, medido pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). Na média, a carne bovina ficou 22% mais cara, bem acima da variação anual do índice, que ficou em 6% ante 5,84% em 2013. Segundo a Fecomercio, a alta decorre da seca, que prejudicou os pastos e, consequentemente, a engorda do gado.

O Custo de Vida por Classe Social reúne as variações de dois indicadores: Índice de Preços de Serviços (IPS) e Índice de Preços do Varejo (IPV). De acordo com a apuração, mais de um terço dos aumentos verificados em nove classes de despesas ocorreu no grupo alimentação e bebidas, com participação de 35% e variação de 9,61%. A segunda maior elevação ocorreu no grupo habitação, que apresentou aumento de 6,73%, com participação no cálculo do índice total de 18%.

Apenas no mês de dezembro do ano passado, o custo de vida ficou em 0,74%, acima da variação do mês anterior (0,36%). Os destaques são alimentação e bebidas (0,69%), vestuário (1,11%) e transportes (1,87%). Metade da renda familiar foi comprometida por essas despesas.

A pesquisa mostra ainda que as famílias com ganhos mais baixos foram as que mais sentiram o peso dos aumentos de preços em dezembro. Na classe E, com ganhos até R$ 976,58, a elevação atingiu 1,16%. Na classe D (entre R$ 976,59 e R$ 1.464,87), a alta ficou em 1,18%. Já entre as famílias mais bem remuneradas, da classe A (com renda acima de R$ 12.207,24), a variação ficou em 0,48%, a mesma registrada para a classe B, com ganhos na faixa de R$ 7.324,34 a R$ 12.207,23.

No acumulado de 12 meses, os que tiveram maior impacto foram os da classe A, com inflação de 6,32%. Na outra ponta, ficaram as famílias das classes E (6,01%) e C (6,02%).

Na análise técnica da FecomercioSP, nos primeiros meses deste ano, há tendência de alta dos preços dos produtos alimentícios, principalmente no segmento in natura, devido ao período mais chuvoso. Outra pressão prevista vem do reajuste da tarifa de ônibus urbano, que deve causar impacto no grupo transportes. O custo de vida deve sofrer também impacto da alta prevista na tarifa de energia elétrica.

 

Edição: Veja Timon

Imagem/Via: Agência Brasil

Compartilhe:
Veja Timon
Veja Timonhttps://vejatimon.com
O Veja Timon foi desenvolvido para suprir os timonenses com informações de um modo geral, onde a política não venha ser o foco central. Um site diversificado e imparcial, trabalhamos para levar um conteúdo de relevância para cidade. Veja Timon - Junto Com o Povo

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Morador de Timon é um dos ganhadores da Promoção Energia em Dia

Clientes ainda podem se cadastrar e concorrer aos próximos sorteios A promoção Energia em Dia está premiando os clientes que estão em dia com suas...

Paulo Marinho Júnior visita a cidade de Duque Bacelar

O candidato a Deputado Federal, Paulo Marinho Júnior (PL), visitou nesta quarta-feira (10), a cidade de Duque Bacelar. A agenda foi a convite do...

Mais uma ação pede a impugnação de Chico Leitoa como candidato a deputado estadual

Depois de ação do Ministério Público Eleitoral, agora é o vereador Kaká do Frugosá que move ação para barrar candidatura de Chico Leitoa. Mais uma...
carne-bovina-boi  A carne bovina foi um dos produtos que mais pressionaram o orçamento das famílias na cidade de São Paulo em 2014, segundo o levantamento Custo de Vida por Classe Social, medido pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). Na média, a carne bovina ficou 22% mais cara, bem acima da variação anual do índice, que ficou em 6% ante 5,84% em 2013. Segundo a Fecomercio, a alta decorre da seca, que prejudicou os pastos e, consequentemente, a engorda do gado. O Custo de Vida por Classe Social reúne as variações de dois indicadores: Índice de Preços de Serviços (IPS) e Índice de Preços do Varejo (IPV). De acordo com a apuração, mais de um terço dos aumentos verificados em nove classes de despesas ocorreu no grupo alimentação e bebidas, com participação de 35% e variação de 9,61%. A segunda maior elevação ocorreu no grupo habitação, que apresentou aumento de 6,73%, com participação no cálculo do índice total de 18%. Apenas no mês de dezembro do ano passado, o custo de vida ficou em 0,74%, acima da variação do mês anterior (0,36%). Os destaques são alimentação e bebidas (0,69%), vestuário (1,11%) e transportes (1,87%). Metade da renda familiar foi comprometida por essas despesas. A pesquisa mostra ainda que as famílias com ganhos mais baixos foram as que mais sentiram o peso dos aumentos de preços em dezembro. Na classe E, com ganhos até R$ 976,58, a elevação atingiu 1,16%. Na classe D (entre R$ 976,59 e R$ 1.464,87), a alta ficou em 1,18%. Já entre as famílias mais bem remuneradas, da classe A (com renda acima de R$ 12.207,24), a variação ficou em 0,48%, a mesma registrada para a classe B, com ganhos na faixa de R$ 7.324,34 a R$ 12.207,23. No acumulado de 12 meses, os que tiveram maior impacto foram os da classe A, com inflação de 6,32%. Na outra ponta, ficaram as famílias das classes E (6,01%) e C (6,02%). Na análise técnica da FecomercioSP, nos primeiros meses deste ano, há tendência de alta dos preços dos produtos alimentícios, principalmente no segmento in natura, devido ao período mais chuvoso. Outra pressão prevista vem do reajuste da tarifa de ônibus urbano, que deve causar impacto no grupo transportes. O custo de vida deve sofrer também impacto da alta prevista na tarifa de energia elétrica.   Edição: Veja Timon Imagem/Via: Agência Brasil