Estimado em 12% crescimento do crédito, pelo BC

spot_img
Compartilhe:
Dinheiro
Dinheiro

O chefe do Departamento Econômico do Banco Central BC, Tulio Maciel, disse hoje (27) que a tendência do crédito tem sido de crescimento moderado. O estoque das operações de crédito ficou em R$ 3,022 trilhões em dezembro de 2014, com crescimento de 11,3% em 12 meses, abaixo da estimativa do BC, que era alta de 12% no acumulado do ano.

Para este ano, a autoridade monetária também projeta crescimento de 12%. No fim de 2013, o saldo das operações de crédito cresceu 14,6%.

Maciel destacou que, este ano, deve haver moderação no crédito para financiamento imobiliário. Em dezembro do ano passado, o saldo das operações de crédito imobiliário alcançou R$ 432,4 bilhões, crescendo 2% na comparação com novembro e 26,7% no acumulado do ano.

“[O financiamento de imóveis] ainda vem crescendo a taxas importantes, mas mostra moderação mês a mês”, disse Maciel. Ele ressaltou que, apesar de acima da média, as taxas de crescimento são menores que em anos anteriores.

Maciel acrescentou que o aumento das taxas de juros tende a afetar os empréstimos imobiliários. Ele ressaltou, porém, que os preços dos imóveis são outro fator de influência e que a tendência é de alta em ritmo menor nesses valores.

Neste mês, a Caixa Econômica Federal anunciou reajuste dos juros do financiamento da casa própria. A justificativa foi o aumento na Selic, taxa básica de juros da economia, que era 11,75% ao ano no momento do anúncio. Depois disso, a Selic sofreu mais um ajuste e está fixada em 12,25% ao ano.

 

Edição: Veja Timon

Via: Agência Brasil

Compartilhe:
Veja Timon
Veja Timonhttps://vejatimon.com
O Veja Timon foi desenvolvido para suprir os timonenses com informações de um modo geral, onde a política não venha ser o foco central. Um site diversificado e imparcial, trabalhamos para levar um conteúdo de relevância para cidade. Veja Timon - Junto Com o Povo

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Morador de Timon é um dos ganhadores da Promoção Energia em Dia

Clientes ainda podem se cadastrar e concorrer aos próximos sorteios A promoção Energia em Dia está premiando os clientes que estão em dia com suas...

Paulo Marinho Júnior visita a cidade de Duque Bacelar

O candidato a Deputado Federal, Paulo Marinho Júnior (PL), visitou nesta quarta-feira (10), a cidade de Duque Bacelar. A agenda foi a convite do...

Mais uma ação pede a impugnação de Chico Leitoa como candidato a deputado estadual

Depois de ação do Ministério Público Eleitoral, agora é o vereador Kaká do Frugosá que move ação para barrar candidatura de Chico Leitoa. Mais uma...
Dinheiro
Dinheiro
O chefe do Departamento Econômico do Banco Central BC, Tulio Maciel, disse hoje (27) que a tendência do crédito tem sido de crescimento moderado. O estoque das operações de crédito ficou em R$ 3,022 trilhões em dezembro de 2014, com crescimento de 11,3% em 12 meses, abaixo da estimativa do BC, que era alta de 12% no acumulado do ano. Para este ano, a autoridade monetária também projeta crescimento de 12%. No fim de 2013, o saldo das operações de crédito cresceu 14,6%. Maciel destacou que, este ano, deve haver moderação no crédito para financiamento imobiliário. Em dezembro do ano passado, o saldo das operações de crédito imobiliário alcançou R$ 432,4 bilhões, crescendo 2% na comparação com novembro e 26,7% no acumulado do ano. “[O financiamento de imóveis] ainda vem crescendo a taxas importantes, mas mostra moderação mês a mês”, disse Maciel. Ele ressaltou que, apesar de acima da média, as taxas de crescimento são menores que em anos anteriores. Maciel acrescentou que o aumento das taxas de juros tende a afetar os empréstimos imobiliários. Ele ressaltou, porém, que os preços dos imóveis são outro fator de influência e que a tendência é de alta em ritmo menor nesses valores. Neste mês, a Caixa Econômica Federal anunciou reajuste dos juros do financiamento da casa própria. A justificativa foi o aumento na Selic, taxa básica de juros da economia, que era 11,75% ao ano no momento do anúncio. Depois disso, a Selic sofreu mais um ajuste e está fixada em 12,25% ao ano.   Edição: Veja Timon Via: Agência Brasil