Compulsão alimentar: conheça os sinais

spot_img
Compartilhe:


Especialista explica detalhes que ajudam a identificar a diferença

Logo após o jantar, ainda com a barriga cheia, bate uma vontade avassaladora de comer aquela pizza. O desejo é incontrolável. Você vai até o telefone, pede a pizza, que chega bem rápido e é consumida na mesma velocidade. A satisfação vem, mas logo passa. Agora, o cenário muda, a satisfação dá espaço à culpa e logo se acende uma lâmpada com a ideia de compensar o “estrago”. Nessa hora, há quem recorra a comportamentos extremos, seja forçando o vômito, seja fazendo muito exercício físico, seja tomando remédios para resolver o “problema”. A situação faz parte da rotina de quem sofre com compulsão alimentar, um transtorno que atinge 2,5 % da população do planeta, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

A coordenadora do curso de nutrição do Centro Universitário Estácio, Monique Nogueira (foto), explica que a doença é algo sério e possui características específicas. “A compulsão alimentar é um comportamento compulsivo e acontece quando a pessoa busca aquele alimento excessivamente. Ela já comeu, não está com fome, está saciada, mas permanece em busca do alimento e isso, geralmente, está relacionado a algum motivo específico”, afirma.

Ainda de acordo com Monique, a compulsão alimentar é um comportamento que costuma privilegiar a ingestão é de alimentos altamente calóricos, ricos em gorduras e carboidratos simples, o que pode causar problemas de saúde como diabetes, hipertensão, aumento do nível do colesterol, infertilidade, gastrite, aumento de peso e diminuir a capacidade respiratória, além de gerar outros transtornos psicológicos.

“O comportamento compulsivo tende a funcionar em um ciclo. O indivíduo tem um ato compulsivo, depois tem um ato compensatório e depois retorna ao ato compulsivo novamente. O ciclo se repete e, para sair dele, é necessário ajuda médica”, diz a nutricionista.

A coordenadora esclarece que o tratamento é feito com o médico psiquiatra junto a um profissional da área da nutrição. Durante o processo, o paciente necessita perceber o que é comer de forma consciente.

MINDFUL EATING

O mindful eating é uma técnica baseada em aproveitar ao máximo possível o momento das refeições. A ideia é se desconectar de tudo enquanto está comendo e permanecer com a atenção apenas no alimento, buscando se concentrar nos sabores, cheiros e cores da refeição.

“O termo mindful eating pontua justamente o que é comer consciente. É o momento em que a pessoa busca saber o porquê está comendo, se está comendo com forme, o que está comendo, se está feliz ou buscando alguma compensação. Mindful eating é uma estratégia para tratar o comportamento compulsivo”, finaliza.

CINCO SINAIS PARA IDENTIFICAR A COMPULSÃO ALIMENTAR

Segundo a especialista, entre os sinais de alerta que diferenciam um momento de fome e um de compulsão alimentar estão:

1. Comer muito mais rápido que o normal, sem razão aparente;
2. Comer quando não está com fome;
3. Continuar comendo mesmo quando já está saciado e mesmo após ter ingerido grandes quantidades de comida;
4. Comer escondido das outras pessoas;
5. Ficar introvertido, sentir-se culpado e triste após comer.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Deputados Estaduais tomam posse para 20ª legislatura da Assembleia Legislativa do Maranhão

Os deputados eleitos para a 20ª legislatura da Assembleia Legislativa do Maranhão foram empossados na manhã desta quarta-feira (1º), no Plenário Nagib Haickel. O...

Vai doer no bolso: desoneração dos combustíveis está com os dias contados

No começo deste ano, o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) prolongou a desoneração dos combustíveis por mais 60 dias para álcool...

Semdes encerra “janeiro branco” com palestra na rede de assistência social em Timon

O Projeto “Vamos Conversar” desenvolvido pelas facilitadoras do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) Vila João Reis, que aborda temas relevantes para os...

Especialista explica detalhes que ajudam a identificar a diferença

Logo após o jantar, ainda com a barriga cheia, bate uma vontade avassaladora de comer aquela pizza. O desejo é incontrolável. Você vai até o telefone, pede a pizza, que chega bem rápido e é consumida na mesma velocidade. A satisfação vem, mas logo passa. Agora, o cenário muda, a satisfação dá espaço à culpa e logo se acende uma lâmpada com a ideia de compensar o “estrago”. Nessa hora, há quem recorra a comportamentos extremos, seja forçando o vômito, seja fazendo muito exercício físico, seja tomando remédios para resolver o “problema”. A situação faz parte da rotina de quem sofre com compulsão alimentar, um transtorno que atinge 2,5 % da população do planeta, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). A coordenadora do curso de nutrição do Centro Universitário Estácio, Monique Nogueira (foto), explica que a doença é algo sério e possui características específicas. “A compulsão alimentar é um comportamento compulsivo e acontece quando a pessoa busca aquele alimento excessivamente. Ela já comeu, não está com fome, está saciada, mas permanece em busca do alimento e isso, geralmente, está relacionado a algum motivo específico”, afirma. Ainda de acordo com Monique, a compulsão alimentar é um comportamento que costuma privilegiar a ingestão é de alimentos altamente calóricos, ricos em gorduras e carboidratos simples, o que pode causar problemas de saúde como diabetes, hipertensão, aumento do nível do colesterol, infertilidade, gastrite, aumento de peso e diminuir a capacidade respiratória, além de gerar outros transtornos psicológicos. “O comportamento compulsivo tende a funcionar em um ciclo. O indivíduo tem um ato compulsivo, depois tem um ato compensatório e depois retorna ao ato compulsivo novamente. O ciclo se repete e, para sair dele, é necessário ajuda médica”, diz a nutricionista. A coordenadora esclarece que o tratamento é feito com o médico psiquiatra junto a um profissional da área da nutrição. Durante o processo, o paciente necessita perceber o que é comer de forma consciente. MINDFUL EATING O mindful eating é uma técnica baseada em aproveitar ao máximo possível o momento das refeições. A ideia é se desconectar de tudo enquanto está comendo e permanecer com a atenção apenas no alimento, buscando se concentrar nos sabores, cheiros e cores da refeição. “O termo mindful eating pontua justamente o que é comer consciente. É o momento em que a pessoa busca saber o porquê está comendo, se está comendo com forme, o que está comendo, se está feliz ou buscando alguma compensação. Mindful eating é uma estratégia para tratar o comportamento compulsivo”, finaliza. CINCO SINAIS PARA IDENTIFICAR A COMPULSÃO ALIMENTAR Segundo a especialista, entre os sinais de alerta que diferenciam um momento de fome e um de compulsão alimentar estão: 1. Comer muito mais rápido que o normal, sem razão aparente; 2. Comer quando não está com fome; 3. Continuar comendo mesmo quando já está saciado e mesmo após ter ingerido grandes quantidades de comida; 4. Comer escondido das outras pessoas; 5. Ficar introvertido, sentir-se culpado e triste após comer.