Piauiense na lista dos que gostam das contas em dia e assim manter o “nome limpo” , diz pesquisa

spot_img
Compartilhe:

 Mais de 60 milhões de brasileiros estão com dívidas em atraso e Piauí fica em 27º lugar no ranking de população em débito  

Estar com o “nome sujo” é uma expressão popular no Brasil e que se tornou mais comum entre os anos de 2020 e 2021, durante o pico da pandemia de Coronavírus. De acordo com a Serasa, empresa privada de análises e informações para decisões de crédito, o Brasil tem 65 milhões de negativados. 

O estado do Piauí encontra-se em último lugar na lista de devedores entre os entes federativos, com 32% da população com débitos. Entretanto, a especialista em Administração Financeira do UNINASSAU – Centro Universitário Maurício de Nassau Teresina, Elisa Barroso, pontua que estar em dívida é prejudicial para saúde financeira dos lares, independentemente da posição no ranking.  “A faixa etária dos 26 aos 40 anos é a que tem maior destaque, representando mais de 35% do total do público de inadimplentes no país. Já o valor médio da dívida passa dos R$ 4 mil por pessoa, o que, com certeza, deve afetar consideravelmente as rendas familiares. Por isso, o mais importante é colocar na mesa o que se recebe e o que se paga. Para a conta fechar, os gastos precisam reduzir nas possibilidades cabíveis. Se isso não acontecer, infelizmente, a dívida só tende a aumentar”, explica a especialista.

Após a inserção do nome na lista do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), a Serasa computa as informações referentes ao devedor, o impossibilitando de contrair novas dívidas. Entretanto, a dívida não deixa de existir após cinco anos, como é dito popularmente. O coordenador do Núcleo de Práticas Jurídicas (NPJ) da UNINASSAU Teresina, Frank Aguiar, esclarece que ocorre apenas a retirada do nome do indivíduo das instituições de proteção ao crédito.  “A retirada do nome ocorre em razão de, após os 60 meses no cadastro, não haver mais a possibilidade de pedir a cobrança do débito na esfera judicial. Mas isso não quer dizer que a dívida não existe. Ela estará lá e constará como existente, podendo ser cobrada informalmente, por meio de ligações e cartas, por exemplo. A melhor escolha é procurar maneiras de excluir um débito, pois, ainda que o nome esteja limpo, será quase que impossível contratar serviços com essas instituições enquanto houver inadimplência”, finaliza o advogado. 

O interesse pela retirada do nome do cadastro do SPC/Serasa pode gerar algumas dúvidas no que se refere ao procedimento legal, ao retorno do acesso aos créditos e ao encerramento de comunicações de cobrança. O NPJ da UNINASSAU Teresina conta com uma equipe à disposição para orientações em diversas áreas, inclusive com o Direito do Consumidor. O atendimento é gratuito e acontece de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, podendo ser agendado diretamente no endereço: Av. João XXIII, nº 2315, bairro São Cristóvão. Por Ricardo Mousinho, da Assessoria.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Conheça o cronograma de obras de esgoto da Águas de Timon para está semana

A Águas de Timon avança em mais uma etapa das obras de esgotamento sanitário no município. Entre os dias 28 de novembro a 03...

Vereador PA acompanha início de obras de sua autoria nos bairros de Timon

O vereador Pedro Augusto PA, de Timon, um dos parlamentares mais atuantes da nova geração política da cidade, "meteu", literalmente "mão na massa". Assim que...

Equatorial Maranhão informa sobre horários de funcionamento durante jogos do Brasil

Postos E + Reciclagem e agências de atendimento terão horários diferenciados durante as partidas da seleção brasileira Com o início da Copa do Mundo no...
 Mais de 60 milhões de brasileiros estão com dívidas em atraso e Piauí fica em 27º lugar no ranking de população em débito  
Estar com o “nome sujo” é uma expressão popular no Brasil e que se tornou mais comum entre os anos de 2020 e 2021, durante o pico da pandemia de Coronavírus. De acordo com a Serasa, empresa privada de análises e informações para decisões de crédito, o Brasil tem 65 milhões de negativados. 
O estado do Piauí encontra-se em último lugar na lista de devedores entre os entes federativos, com 32% da população com débitos. Entretanto, a especialista em Administração Financeira do UNINASSAU - Centro Universitário Maurício de Nassau Teresina, Elisa Barroso, pontua que estar em dívida é prejudicial para saúde financeira dos lares, independentemente da posição no ranking.  “A faixa etária dos 26 aos 40 anos é a que tem maior destaque, representando mais de 35% do total do público de inadimplentes no país. Já o valor médio da dívida passa dos R$ 4 mil por pessoa, o que, com certeza, deve afetar consideravelmente as rendas familiares. Por isso, o mais importante é colocar na mesa o que se recebe e o que se paga. Para a conta fechar, os gastos precisam reduzir nas possibilidades cabíveis. Se isso não acontecer, infelizmente, a dívida só tende a aumentar”, explica a especialista. Após a inserção do nome na lista do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), a Serasa computa as informações referentes ao devedor, o impossibilitando de contrair novas dívidas. Entretanto, a dívida não deixa de existir após cinco anos, como é dito popularmente. O coordenador do Núcleo de Práticas Jurídicas (NPJ) da UNINASSAU Teresina, Frank Aguiar, esclarece que ocorre apenas a retirada do nome do indivíduo das instituições de proteção ao crédito.  “A retirada do nome ocorre em razão de, após os 60 meses no cadastro, não haver mais a possibilidade de pedir a cobrança do débito na esfera judicial. Mas isso não quer dizer que a dívida não existe. Ela estará lá e constará como existente, podendo ser cobrada informalmente, por meio de ligações e cartas, por exemplo. A melhor escolha é procurar maneiras de excluir um débito, pois, ainda que o nome esteja limpo, será quase que impossível contratar serviços com essas instituições enquanto houver inadimplência”, finaliza o advogado. 
O interesse pela retirada do nome do cadastro do SPC/Serasa pode gerar algumas dúvidas no que se refere ao procedimento legal, ao retorno do acesso aos créditos e ao encerramento de comunicações de cobrança. O NPJ da UNINASSAU Teresina conta com uma equipe à disposição para orientações em diversas áreas, inclusive com o Direito do Consumidor. O atendimento é gratuito e acontece de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, podendo ser agendado diretamente no endereço: Av. João XXIII, nº 2315, bairro São Cristóvão. Por Ricardo Mousinho, da Assessoria.