Confederação de Futebol divulga hoje contraprova de doping

spot_img
Compartilhe:

futebol-timon-codo-esporte-jogo-acontece  A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) vai divulgar hoje (28) o resultado da contraprova do exame antidoping de um jogador que atuou pela Seleção Brasileira durante a Copa América do Chile. O anúncio será feito pela Conmebol, gestora da competição. O doping, por uso de uma substância diurética, foi apontado pelo laboratório Codeportes da Colômbia, responsável por todos os exames da Copa América e acreditado na Agência Mundial Antidoping (World Anti-Doping Agency – Wada, na sigla em inglês).

O presidente da Comissão Nacional de Controle de Dopagem da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Fernando Solera, informou que a gestão de resultados, neste caso, é da Conmebol, conforme determinam o código mundial antidoping 2015 da Wada e o regulamento da Federação Internacional de Futebol (Fifa). Por isso, foi a Confederação Sul-Americana quem notificou o jogador sobre o resultado positivo do exame dele.

O médico que está em Los Angeles, nos Estados Unidos, explicou que, conforme o regulamento, após ser notificado, o atleta flagrado em antidoping tem doze horas para pedir a contraprova. “A contraprova é muito fechada e sigilosa. O programa é muito cuidadoso e aí se faz o exame novamente. A contraprova é o exame do frasco B que já está guardado com a mesma urina daquele jogo. O frasco B é obrigado a ficar guardado por dez anos no laboratório.”

Fernando Solera explicou que, como a contraprova ainda não foi aberta, todo e qualquer observação sobre o assunto é prematura e proibida. “Eu sempre sigo o regulamento e a gente deve respeitar todas as etapas do regulamento. Vai ser feita a contraprova de uma amostra de um jogador brasileiro. Será aberta a contraprova de um jogador x que participou da Copa América.”

O médico informou ainda que, em qualquer caso de atleta flagrado em exame, o clube não tem participação, a menos que tenha fornecido a substância proibida. “A Fifa interpreta qualquer resultado positivo como uma atividade física e não jurídica, salvo, se tiver mais de dois resultados positivos em uma mesma equipe.”

Em qualquer caso de confirmação, o atleta é suspenso, preventivamente, por 30 dias para preparar a defesa e explicar porque apareceu uma substância proibida na urina dele. Depois dessa etapa, vai a julgamento na corte selecionada, onde o torneio foi disputado.

Compartilhe:
Veja Timon
Veja Timonhttps://vejatimon.com
O Veja Timon foi desenvolvido para suprir os timonenses com informações de um modo geral, onde a política não venha ser o foco central. Um site diversificado e imparcial, trabalhamos para levar um conteúdo de relevância para cidade. Veja Timon - Junto Com o Povo

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Lucas da Farmácia programa grande evento político em Timon para apresentar seus candidatos

O "suplente de peso politico" Lucas da Farmácia, que obteve mais votos que muitos dos atuais vereadores eleitos em 2020 e que tem uma...

Ministros do STF aprovam reajuste para seus salários, que podem chegar a R$ 46 mil em 2023

Atualmente, salário dos magistrados é R$ 39,2 mil; remuneração serve como teto para os vencimentos de todo o funcionalismo público Por unanimidade, ministros do Supremo...

Morador de Timon é um dos ganhadores da Promoção Energia em Dia

Clientes ainda podem se cadastrar e concorrer aos próximos sorteios A promoção Energia em Dia está premiando os clientes que estão em dia com suas...
futebol-timon-codo-esporte-jogo-acontece  A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) vai divulgar hoje (28) o resultado da contraprova do exame antidoping de um jogador que atuou pela Seleção Brasileira durante a Copa América do Chile. O anúncio será feito pela Conmebol, gestora da competição. O doping, por uso de uma substância diurética, foi apontado pelo laboratório Codeportes da Colômbia, responsável por todos os exames da Copa América e acreditado na Agência Mundial Antidoping (World Anti-Doping Agency - Wada, na sigla em inglês). O presidente da Comissão Nacional de Controle de Dopagem da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Fernando Solera, informou que a gestão de resultados, neste caso, é da Conmebol, conforme determinam o código mundial antidoping 2015 da Wada e o regulamento da Federação Internacional de Futebol (Fifa). Por isso, foi a Confederação Sul-Americana quem notificou o jogador sobre o resultado positivo do exame dele. O médico que está em Los Angeles, nos Estados Unidos, explicou que, conforme o regulamento, após ser notificado, o atleta flagrado em antidoping tem doze horas para pedir a contraprova. “A contraprova é muito fechada e sigilosa. O programa é muito cuidadoso e aí se faz o exame novamente. A contraprova é o exame do frasco B que já está guardado com a mesma urina daquele jogo. O frasco B é obrigado a ficar guardado por dez anos no laboratório.” Fernando Solera explicou que, como a contraprova ainda não foi aberta, todo e qualquer observação sobre o assunto é prematura e proibida. “Eu sempre sigo o regulamento e a gente deve respeitar todas as etapas do regulamento. Vai ser feita a contraprova de uma amostra de um jogador brasileiro. Será aberta a contraprova de um jogador x que participou da Copa América.” O médico informou ainda que, em qualquer caso de atleta flagrado em exame, o clube não tem participação, a menos que tenha fornecido a substância proibida. “A Fifa interpreta qualquer resultado positivo como uma atividade física e não jurídica, salvo, se tiver mais de dois resultados positivos em uma mesma equipe.” Em qualquer caso de confirmação, o atleta é suspenso, preventivamente, por 30 dias para preparar a defesa e explicar porque apareceu uma substância proibida na urina dele. Depois dessa etapa, vai a julgamento na corte selecionada, onde o torneio foi disputado.