spot_img
spot_img

Black Friday: Consumidores devem ter cuidado ao aproveitar promoções

spot_img
Compartilhe:
Uma das dicas é verificar se o site é confiável e seguro. Dê preferência a marcas conhecidas
Diante de descontos atrativos, é comum acabar se descuidando na hora das compras online

Por Elainy Castro

Novembro traz consigo uma data comemorativa que movimenta o comércio: a Black Friday. A iniciativa visa estreitar os laços entre consumidores e empresas, oferecendo uma série de benefícios, incluindo descontos e grandes promoções, especialmente em formato online.

Apesar de parecer uma oportunidade imperdível, é essencial que os consumidores tenham cautela durante suas compras e tenham consciência de seus direitos. Claudine Freire Rodembusch, docente do curso de direito da Estácio, sugere algumas dicas antes de qualquer compra online:

Verifique se o site é confiável e seguro, dando preferência a marcas conhecidas; desconfie de grandes ofertas e confira o valor total antes de finalizar a compra; ao compartilhar informações pessoais, esteja atento e veja se as informações estão protegidas; avalie os prazos de entrega e as políticas da empresa, especialmente em relação às trocas de produtos.

A docente ainda destaca os principais direitos dos consumidores de e-commerce: direito de arrependimento de compra; devolução e troca; cumprimento da oferta; transparência na propaganda; atendimento eficiente; direito de acesso às informações da empresa; direito de acesso às informações do produto; segurança no pagamento; e direito à garantia.

Um dos principais direitos que muitos consumidores não conhecem ou sabem como funciona, é o direito de arrependimento. Quanto à aplicação desta garantia, Claudine destaca: “O artigo 49 do Código de Defesa do Consumidor estabelece que o consumidor pode desistir do contrato, no prazo de sete dias a contar de sua assinatura ou do ato de recebimento do produto ou serviço. […] O mesmo artigo garante que, caso o consumidor exercite o direito de arrependimento, os valores pagos serão devolvidos, de imediato, monetariamente atualizados”.

Os consumidores em geral também devem conhecer os seus direitos, pois, apesar de divulgarem diversos benefícios aos clientes nesta data comemorativa, algumas empresas não respeitam o estabelecido pelo Código de Defesa do Consumidor. Entre os casos estão o não cumprimento do direito à troca de mercadorias e direito ao valor mais baixo da etiqueta. Para não saírem prejudicados, os clientes precisam estar atentos.

*Direito à troca de mercadorias*
“De acordo com o PROCON, o Código de Defesa do Consumidor não obriga o fornecedor a fazer uma troca por motivo de gosto ou tamanho. A medida só passa a ser obrigatória se no momento da venda a loja se comprometeu a fazê-la. Deste modo, recomenda-se que, antes de fazer a compra, o consumidor informe-se sobre a possibilidade e as condições para trocar o produto (como, manter etiqueta, apresentar o cupom fiscal, etc)”, explica a professora do curso de direito da Estácio.

Claudine ainda ressalta que no momento da troca do produto, o valor pago deverá prevalecer, mesmo quando houver liquidações ou aumento do preço. Porém, quando a troca é pelo mesmo produto (marca e modelo, mudando apenas o tamanho ou a cor), o fornecedor não pode exigir complemento de valor, nem o consumidor solicitar abatimento do preço, caso haja mudança entre o que foi pago e o valor no dia da troca. Para a troca, é recomendado que o consumidor guarde a nota fiscal ou recibo da compra e apresente o documento, além de manter a etiqueta do produto.

“O direito à devolução e troca é assegurado a todo consumidor que recebe um produto com danos, imperfeições, problemas ou algum defeito. O direito de devolução e troca não se restringe aos sete dias de arrependimento. Caso o produto comprado apresente algum defeito ou problema, o fornecedor tem até 30 dias para solucionar. Se o reparo não for realizado neste prazo, o consumidor pode optar pela troca do produto, devolução do dinheiro ou abatimento proporcional do preço”, afirma a docente.

*Direito ao valor mais baixo da etiqueta*

Outra garantia do Código de Defesa do Consumidor é que toda a oferta deve ser cumprida. “Ou seja, os anúncios em sites, e-mails promocionais, banners e anúncios de redes sociais, devem cumprir exatamente com o que foi prometido. Ao se deparar com a divergência de preços no mesmo produto, a legislação é clara: deve ser aplicado o menor valor. Isso acontece porque o código garante que as cláusulas contratuais devem ser interpretadas de maneira favorável ao consumidor”, ressalta Claudine.

Caso o consumidor identifique que o lojista não está cumprindo com o que foi prometido, o mesmo pode exigir o cumprimento forçado do que foi ofertado, aceitar um produto ou serviço equivalente ao ofertado ou rescindir contrato, com direito a danos e devolução integral da transação.

Neste caso, a docente explica que o descumprimento da oferta pode acontecer de diferentes maneiras no comércio eletrônico, entre elas: quando existe uma má gestão do estoque e quando o prazo de entrega não é cumprido.

Compartilhe:
spot_img

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

spot_img

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Novidade: troque suas lâmpadas incandescentes por novas de LED nos postos E+ Reciclagem

Lançado em 2011, o projeto faz parte do Programa de Eficiência Energética da Equatorial e agora conta com mais serviços para a comunidade A Equatorial...

Em Teresina, pesquisadora da Fiocruz destaca avanços para baratear tratamento de imunoterapia a pacientes com câncer

Pesquisadora também destaca os desafios do Nordeste no enfrentamento a cânceres evitáveis As pesquisas e os avanços mais recentes relacionados ao diagnóstico, manejo e tratamento...

Dia dos Povos Indígenas: Equatorial alerta que 5.568 famílias poderiam economizar na conta com a Tarifa Social

Dia 19 de abril é comemorado o Dia dos Povos Indígenas e a Equatorial Maranhão alerta que 5.568 famílias indígenas estão deixando de receber...