“A gestão de Timon está sendo terceirizada e privatizada”, alerta Uilma Resende

spot_img
Compartilhe:

A prefeitura, com 40 milhões todo mês, não realiza os serviços públicos deixando a responsabilidade para quem vem se instalar em Timon.

Em discurso proferido na última segunda-feira, 11, o vereador Uilma Resende chamou atenção para o fato de a Prefeitura de Timon receber todo mês 40 milhões de reais em suas contas, mas continuar transferindo a responsabilidade de execução de obras no município para o governo estadual, através da bancada Timonense na Assembleia Legislativa, que recebem cerca de 3 milhões de reais por ano.

O vereador alertou também para falta de apoio ao pequeno produtor, que por conta do descaso do poder público municipal tem que vender suas a preços irrisórios para os grandes empreendedoras. Veja abaixo o vídeo e o texto na íntegra postado pelo vereador em sua rede social.

 

Em nossa fala na Sessão, desta segunda-feira, 11, destacamos a falta de incentivo à agricultura familiar em Timon, que faz com que o pequeno produtor rural tenha que vender sua terra a preços baixos para quem vem de fora.

Os empresários compram o hectare a 2 mil reais, quando no Sul, de onde estão vindo, compram a 20 mil, ou seja, 10 vezes mais barato. Isso acontece porque o município não prioriza o desenvolvimento da agricultura familiar. Se houvesse um política pública sendo executada, o nosso povo não precisaria vender sua terra. O incentivo e a valorização do pequeno agricultor, que não acontecem, esses sim beneficiariam diretamente produtores e as suas famílias.

Não somos contra investimentos privados em nossa cidade, mas as medidas tomadas pela Prefeitura são apenas paliativas e não solucionam o problema. A cada dia, o município terceiriza ainda mais a sua responsabilidade. Água, energia, servidores, tudo é terceirizado. O Executivo se exime de suas funções obrigatórias, arrecada dinheiro e não sabe o que executar, transferindo a responsabilidade pelo abandono que vemos hoje em Timon, ao governo federal e estadual, e até ao deputado Rafael e a deputada Socorro.

Nós, vereadores, precisamos entrar em um consenso. Enquanto um mostra a problemática, o outro aponta a solução, é dessa forma que ajudaremos a população.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Conheça o cronograma de obras de esgoto da Águas de Timon para está semana

A Águas de Timon avança em mais uma etapa das obras de esgotamento sanitário no município. Entre os dias 28 de novembro a 03...

Vereador PA acompanha início de obras de sua autoria nos bairros de Timon

O vereador Pedro Augusto PA, de Timon, um dos parlamentares mais atuantes da nova geração política da cidade, "meteu", literalmente "mão na massa". Assim que...

Equatorial Maranhão informa sobre horários de funcionamento durante jogos do Brasil

Postos E + Reciclagem e agências de atendimento terão horários diferenciados durante as partidas da seleção brasileira Com o início da Copa do Mundo no...

A prefeitura, com 40 milhões todo mês, não realiza os serviços públicos deixando a responsabilidade para quem vem se instalar em Timon.

Em discurso proferido na última segunda-feira, 11, o vereador Uilma Resende chamou atenção para o fato de a Prefeitura de Timon receber todo mês 40 milhões de reais em suas contas, mas continuar transferindo a responsabilidade de execução de obras no município para o governo estadual, através da bancada Timonense na Assembleia Legislativa, que recebem cerca de 3 milhões de reais por ano. O vereador alertou também para falta de apoio ao pequeno produtor, que por conta do descaso do poder público municipal tem que vender suas a preços irrisórios para os grandes empreendedoras. Veja abaixo o vídeo e o texto na íntegra postado pelo vereador em sua rede social.   Em nossa fala na Sessão, desta segunda-feira, 11, destacamos a falta de incentivo à agricultura familiar em Timon, que faz com que o pequeno produtor rural tenha que vender sua terra a preços baixos para quem vem de fora. Os empresários compram o hectare a 2 mil reais, quando no Sul, de onde estão vindo, compram a 20 mil, ou seja, 10 vezes mais barato. Isso acontece porque o município não prioriza o desenvolvimento da agricultura familiar. Se houvesse um política pública sendo executada, o nosso povo não precisaria vender sua terra. O incentivo e a valorização do pequeno agricultor, que não acontecem, esses sim beneficiariam diretamente produtores e as suas famílias. Não somos contra investimentos privados em nossa cidade, mas as medidas tomadas pela Prefeitura são apenas paliativas e não solucionam o problema. A cada dia, o município terceiriza ainda mais a sua responsabilidade. Água, energia, servidores, tudo é terceirizado. O Executivo se exime de suas funções obrigatórias, arrecada dinheiro e não sabe o que executar, transferindo a responsabilidade pelo abandono que vemos hoje em Timon, ao governo federal e estadual, e até ao deputado Rafael e a deputada Socorro. Nós, vereadores, precisamos entrar em um consenso. Enquanto um mostra a problemática, o outro aponta a solução, é dessa forma que ajudaremos a população.