Antônio Carlos Valadares retira candidatura à pres. do Senado

spot_img
Compartilhe:

antônio-carlos-valadares  O senador Antônio Carlos Valadares (PSB-SE) anunciou a retirada de sua candidatura à presidência do Senado. A eleição para a nova Mesa Diretora da Casa, que ocorrerá no próximo domingo (1º), teve Valadares como primeiro nome lançado oficialmente.

Nesta semana, o senador Luiz Henrique da Silveira (PMDB-SC) também se lançou candidato. Por isso, Valadares optou por retirar sua candidatura. Segundo Valadares, o PMDB tem a prerrogativa de ocupar o cargo, porque tem a maior bancada do Senado.

“Em função da nova realidade política, criada com o lançamento do nome do senador Luiz Henrique, do PMDB – partido a quem cabe, pela tradição da Casa, ocupar o cargo –, considero que nossa candidatura alcançou os objetivos políticos pretendidos pelo PSB, de tirar o processo de sucessão da Mesa Diretora do Senado do imobilismo em que se encontrava, da falta de transparência e trazer esse tema para o centro do debate”, disse Valadares, em nota divulgada à imprensa.

Líder do PSB no Senado, Lídice da Mata (BA) já havia anunciado um “desconforto” entre senadores de diversos partidos com o fato do PMDB ainda não ter formalizado um nome para concorrer à presidência. Cotado para se reeleger,o atual presidente, Renan Calheiros (PDMB-AL), nunca admitiu publicamente a candidatura. Por isso, o PSB tinha decidido lançar Valadares para propor que o debate fosse iniciado.

Na terça-feira (27), Luiz Henrique anunciou que tinha apoio de diversos partidos de oposição e de parte da bancada do PMDB, mas seu nome não foi oficializado pelo partido, que se reunirá amanhã (30) à tarde para decidir sobre a indicação.

Diante do quadro e com a retirada da candidatura de Valadares, o PSB também se reunirá para avaliar o apoio a Luiz Henrique.

Na nota anunciando que não disputará a presidência do Senado, Valadares disse esperar que “o PMDB chegue a uma solução política consensual e que a agenda mínima definida pela bancada do PSB – reforma política, reforma tributária, novo pacto federativo e democratização do funcionamento do Senado – seja respeitada e atendida pelo futuro presidente, em benefício da Nação e das mudanças que fortalecem ainda mais o Congresso Nacional, a democracia e os princípios republicanos”.

Na tentativa de garantir apoio do PSB e de partidos como PDT e PSDB, Luiz Henrique já se comprometeu com essas propostas, assegurando que trabalhará por uma agenda voltada para as reformas estruturais.

 

Edição: Veja Timon

Via: Agência Brasil

Compartilhe:
Veja Timon
Veja Timonhttps://vejatimon.com
O Veja Timon foi desenvolvido para suprir os timonenses com informações de um modo geral, onde a política não venha ser o foco central. Um site diversificado e imparcial, trabalhamos para levar um conteúdo de relevância para cidade. Veja Timon - Junto Com o Povo

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Morador de Timon é um dos ganhadores da Promoção Energia em Dia

Clientes ainda podem se cadastrar e concorrer aos próximos sorteios A promoção Energia em Dia está premiando os clientes que estão em dia com suas...

Paulo Marinho Júnior visita a cidade de Duque Bacelar

O candidato a Deputado Federal, Paulo Marinho Júnior (PL), visitou nesta quarta-feira (10), a cidade de Duque Bacelar. A agenda foi a convite do...

Mais uma ação pede a impugnação de Chico Leitoa como candidato a deputado estadual

Depois de ação do Ministério Público Eleitoral, agora é o vereador Kaká do Frugosá que move ação para barrar candidatura de Chico Leitoa. Mais uma...
antônio-carlos-valadares  O senador Antônio Carlos Valadares (PSB-SE) anunciou a retirada de sua candidatura à presidência do Senado. A eleição para a nova Mesa Diretora da Casa, que ocorrerá no próximo domingo (1º), teve Valadares como primeiro nome lançado oficialmente. Nesta semana, o senador Luiz Henrique da Silveira (PMDB-SC) também se lançou candidato. Por isso, Valadares optou por retirar sua candidatura. Segundo Valadares, o PMDB tem a prerrogativa de ocupar o cargo, porque tem a maior bancada do Senado. “Em função da nova realidade política, criada com o lançamento do nome do senador Luiz Henrique, do PMDB – partido a quem cabe, pela tradição da Casa, ocupar o cargo –, considero que nossa candidatura alcançou os objetivos políticos pretendidos pelo PSB, de tirar o processo de sucessão da Mesa Diretora do Senado do imobilismo em que se encontrava, da falta de transparência e trazer esse tema para o centro do debate”, disse Valadares, em nota divulgada à imprensa. Líder do PSB no Senado, Lídice da Mata (BA) já havia anunciado um “desconforto” entre senadores de diversos partidos com o fato do PMDB ainda não ter formalizado um nome para concorrer à presidência. Cotado para se reeleger,o atual presidente, Renan Calheiros (PDMB-AL), nunca admitiu publicamente a candidatura. Por isso, o PSB tinha decidido lançar Valadares para propor que o debate fosse iniciado. Na terça-feira (27), Luiz Henrique anunciou que tinha apoio de diversos partidos de oposição e de parte da bancada do PMDB, mas seu nome não foi oficializado pelo partido, que se reunirá amanhã (30) à tarde para decidir sobre a indicação. Diante do quadro e com a retirada da candidatura de Valadares, o PSB também se reunirá para avaliar o apoio a Luiz Henrique. Na nota anunciando que não disputará a presidência do Senado, Valadares disse esperar que “o PMDB chegue a uma solução política consensual e que a agenda mínima definida pela bancada do PSB – reforma política, reforma tributária, novo pacto federativo e democratização do funcionamento do Senado – seja respeitada e atendida pelo futuro presidente, em benefício da Nação e das mudanças que fortalecem ainda mais o Congresso Nacional, a democracia e os princípios republicanos”. Na tentativa de garantir apoio do PSB e de partidos como PDT e PSDB, Luiz Henrique já se comprometeu com essas propostas, assegurando que trabalhará por uma agenda voltada para as reformas estruturais.   Edição: Veja Timon Via: Agência Brasil