spot_img

Barack Obama: EUA não estão em guerra contra o islamismo

spot_img
Compartilhe:

barack-obama  Barack Obama, em seu discurso hoje (18) na Cúpula Internacional sobre a Violência e o Extremismo, que vai até amanhã (19), em Washington, fez questão de separar as ações dos grupos extremistas, como o Estado Islâmico (EI), da religião islâmica. “Não estamos em guerra contra o Islamismo, mas contra aqueles que pervertem o Islamismo”, disse.

Durante a sua participação no evento, que reúne representantes de 60 países – dentre os quais 14 nações árabes, Obama voltou a combater a ideia de que a fé muçulmana é extremista.  “Os terroristas não falam por um bilhão de muçulmanos”.

Segundo ele, o próprio EI se beneficia do pensamento de que os muçulmanos são radicais. “Eles [EI] tentam retratar-se como líderes religiosos, guerreiros e santos em defesa do Islã”, disse. E acrescentou: “Esta é uma premissa mentirosa e não devemos conceder a esses terroristas uma legitimidade religiosa”.

Veja Também:

Obama pediu ainda a união de países ocidentais e líderes muçulmanos para derrotar o extremismo. Uma das preocupações entre os países ocidentais e árabes, que condenam a ação do EI, é de que jovens estrangeiros recrutados regressem aos países de origem e cometam atentados terroristas.

Em janeiro, por exemplo, o Serviço Europeu de Polícia (Europol) informou que o número de cidadãos europeus nas fileiras jihadistas, em países como a Síria, podia chegar a 5 mil.

O presidente dos Estados Unidos discursou hoje para estudantes e convidados de diversas regiões dos Estados Unidos e para líderes de várias nações. Amanhã, ocorrerá a reunião com os representantes dos países e também com o Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-Moon.

 

Edição: Veja Timon

Via: Agência Brasil

Compartilhe:
spot_img
Veja Timon
Veja Timonhttps://vejatimon.com
O Veja Timon foi desenvolvido para suprir os timonenses com informações de um modo geral, onde a política não venha ser o foco central. Um site diversificado e imparcial, trabalhamos para levar um conteúdo de relevância para cidade. Veja Timon - Junto Com o Povo

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Deputada Janaína é destaque em evento representando a presidência e a bancada feminina na Assembléia

O evento foi promovido pelo Tribunal de Contas do Maranhão por meio da Escola Superior de Controle Externo. A deputada estadual Janaína Ramos, foi a...

Detran PI inicia regularização de débitos de mais de 400 mil motocicletas de até 170 cc

Mais de 430 mil motocicletas de até 170 cc serão beneficiadas com os descontos e parcelamentos de taxas e multas do órgão e da...

Produção intensifica preparativos da Paixão de Cristo de Floriano 2023

Ensaios, ajustes de figurinos e testes de luz e som marcam semana que antecede apresentação Faltando uma semana para a estreia da Paixão de Cristo...
barack-obama  Barack Obama, em seu discurso hoje (18) na Cúpula Internacional sobre a Violência e o Extremismo, que vai até amanhã (19), em Washington, fez questão de separar as ações dos grupos extremistas, como o Estado Islâmico (EI), da religião islâmica. “Não estamos em guerra contra o Islamismo, mas contra aqueles que pervertem o Islamismo”, disse. Durante a sua participação no evento, que reúne representantes de 60 países – dentre os quais 14 nações árabes, Obama voltou a combater a ideia de que a fé muçulmana é extremista.  “Os terroristas não falam por um bilhão de muçulmanos”. Segundo ele, o próprio EI se beneficia do pensamento de que os muçulmanos são radicais. “Eles [EI] tentam retratar-se como líderes religiosos, guerreiros e santos em defesa do Islã”, disse. E acrescentou: “Esta é uma premissa mentirosa e não devemos conceder a esses terroristas uma legitimidade religiosa”.

Veja Também:

Obama pediu ainda a união de países ocidentais e líderes muçulmanos para derrotar o extremismo. Uma das preocupações entre os países ocidentais e árabes, que condenam a ação do EI, é de que jovens estrangeiros recrutados regressem aos países de origem e cometam atentados terroristas. Em janeiro, por exemplo, o Serviço Europeu de Polícia (Europol) informou que o número de cidadãos europeus nas fileiras jihadistas, em países como a Síria, podia chegar a 5 mil. O presidente dos Estados Unidos discursou hoje para estudantes e convidados de diversas regiões dos Estados Unidos e para líderes de várias nações. Amanhã, ocorrerá a reunião com os representantes dos países e também com o Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-Moon.   Edição: Veja Timon Via: Agência Brasil