Bruxismo: desgastes nos dentes podem ser evitados com mudanças de hábitos  

spot_img
Compartilhe:

Consulta com dentista é essencial para diagnóstico e tratamento dos rangidos que afetam até 40% da população brasileira  

O ranger dos dentes é algo que muitos vivenciam no período noturno ou de sono. Entretanto, o rangido não é a única característica do bruxismo, sendo o apertamento dos dentes uma reação comum e com intensidades diferentes, causando efeitos indesejáveis como a hipersensibilidade dentária e dores em todas as regiões da cabeça. De acordo com os dentistas, o bruxismo não tem cura, mas pode ser amenizado e tratado quanto mais cedo for diagnosticado.  

Considerado o terceiro distúrbio de sono mais comum, o bruxismo atinge homens e mulheres igualmente, sendo observado desde a infância, mas pouco comum em idosos. O dentista e professor do curso de Odontologia da Faculdade UNINASSAU, campus Redenção, Guilherme Santana, explica que, por ser involuntária, essa condição precisa ser acompanhada desde os primeiros sintomas.  “Realmente, é um tanto complicado ter noção do que o nosso corpo faz enquanto estamos dormindo. Tanto é que muitos nem têm ciência que sofrem do bruxismo, a não ser pelos desgastes aparentes. Como é um hábito involuntário que faz com que as pessoas apertem ou ranjam os dentes sem nenhum objetivo funcional, um dentista precisa acompanhar o paciente a fim de proporcionar qualidade de vida e a saúde dos dentes”, reforça Guilherme.  

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 30% da população mundial tem essa condição. No Brasil, a porcentagem aponta o bruxismo prevalente em 40% dos brasileiros. Santana ressalta que existem variadas causas para essa ocorrência, como o estresse, medicações específicas, dietas e até a genética, mas que a prevenção e mudança de hábitos ainda são as melhores medidas a serem adotadas.  “Ainda não estão bem esclarecidas as causas para o bruxismo, mas é possível observar situações comuns como o estresse, ansiedade e tensão. Mesmo não sendo um transtorno perigoso, ranger os dentes é cerca de 40 vezes mais potente do que mastigar. Por isso, é essencial que o paciente procure um dentista para ser orientado, a fim de que adote hábitos como práticas de controle do estresse e técnicas de relaxamento, além do tratamento a ser instituído pelo profissional, sendo relativo para cada paciente”, finaliza Guilherme.  

O diagnóstico do bruxismo é realizado durante consulta regular com o dentista, mas também é possível com a percepção de sinais ainda em casa, como desgastes e sensibilidade nos dentes além das dores de cabeça ocasionais. Colaborando com o bem-estar social, a Clínica-Escola de Odontologia da UNINASSAU Redenção oferece atendimento clínico para a comunidade na rua Dr. Otto Tito, nº 1771, de segunda a sexta-feira, em horário comercial. O atendimento pode ser agendado pelo número (86) 3194-1819.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Confusão generalizada em caminhada é um desrespeito aos princípios da democracia

A nenhum dos candidatos a deputado estadual em Timon - Coronel Schnneyder e Socorro Waquim - devem ser atribuídas as confusões geradas em um...

Não esqueça o Zé Gotinha!

Saiba quais os riscos de não vacinar seu filho contra a poliomielite. Por Elainy Castro. Com certeza você lembra dele: Zé Gotinha é um personagem que...

Calor: Cuidados com a pele durante o B-R-O-Bró  

 Esteticista dá dicas sobre hábitos a serem adotados para evitar danos causados pelo sol   Com temperaturas ultrapassando os 40 graus na Capital Piauiense, a atenção...
Consulta com dentista é essencial para diagnóstico e tratamento dos rangidos que afetam até 40% da população brasileira  
O ranger dos dentes é algo que muitos vivenciam no período noturno ou de sono. Entretanto, o rangido não é a única característica do bruxismo, sendo o apertamento dos dentes uma reação comum e com intensidades diferentes, causando efeitos indesejáveis como a hipersensibilidade dentária e dores em todas as regiões da cabeça. De acordo com os dentistas, o bruxismo não tem cura, mas pode ser amenizado e tratado quanto mais cedo for diagnosticado.  
Considerado o terceiro distúrbio de sono mais comum, o bruxismo atinge homens e mulheres igualmente, sendo observado desde a infância, mas pouco comum em idosos. O dentista e professor do curso de Odontologia da Faculdade UNINASSAU, campus Redenção, Guilherme Santana, explica que, por ser involuntária, essa condição precisa ser acompanhada desde os primeiros sintomas.  "Realmente, é um tanto complicado ter noção do que o nosso corpo faz enquanto estamos dormindo. Tanto é que muitos nem têm ciência que sofrem do bruxismo, a não ser pelos desgastes aparentes. Como é um hábito involuntário que faz com que as pessoas apertem ou ranjam os dentes sem nenhum objetivo funcional, um dentista precisa acompanhar o paciente a fim de proporcionar qualidade de vida e a saúde dos dentes", reforça Guilherme.  
Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 30% da população mundial tem essa condição. No Brasil, a porcentagem aponta o bruxismo prevalente em 40% dos brasileiros. Santana ressalta que existem variadas causas para essa ocorrência, como o estresse, medicações específicas, dietas e até a genética, mas que a prevenção e mudança de hábitos ainda são as melhores medidas a serem adotadas.  "Ainda não estão bem esclarecidas as causas para o bruxismo, mas é possível observar situações comuns como o estresse, ansiedade e tensão. Mesmo não sendo um transtorno perigoso, ranger os dentes é cerca de 40 vezes mais potente do que mastigar. Por isso, é essencial que o paciente procure um dentista para ser orientado, a fim de que adote hábitos como práticas de controle do estresse e técnicas de relaxamento, além do tratamento a ser instituído pelo profissional, sendo relativo para cada paciente", finaliza Guilherme.  
O diagnóstico do bruxismo é realizado durante consulta regular com o dentista, mas também é possível com a percepção de sinais ainda em casa, como desgastes e sensibilidade nos dentes além das dores de cabeça ocasionais. Colaborando com o bem-estar social, a Clínica-Escola de Odontologia da UNINASSAU Redenção oferece atendimento clínico para a comunidade na rua Dr. Otto Tito, nº 1771, de segunda a sexta-feira, em horário comercial. O atendimento pode ser agendado pelo número (86) 3194-1819.