Câmara barra criação de conselhos populares

spot_img
Compartilhe:

A Câmara dos Deputados barrou nesta quarta-feira (4) uma nova tentativa de determinar que conselhos populares sejam consultados por órgãos do governo antes de decisões sobre a implementação de políticas públicas.

O tema foi incluído pela senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) em uma medida provisória que adia a entrada em vigor da lei que estabelece as regras para a assinatura de contratos entre o setor público e as Organizações Não-Governamentais (ONGs).  A senadora foi relatora da MP na comissão especial que analisou a matéria.

Durante a sessão, deputados da oposição e de partidos da base aliada criticaram a tentativa de recriar os conselhos populares e optaram por votar o texto original da MP, que não tratava do assunto.

A consulta a um colegiado formado por representantes da sociedade civil foi estabelecida pela primeira vez em maio do ano passado por meio de um decreto da presidente Dilma Rousseff. Em outubro de 2014, a Câmara derrubou esse decreto. A consulta aos conselhos sofreu críticas desde que  foi implementada pelo Palácio do Planalto.

A proposta, que instituía a Política Nacional de Participação Social (PNPS), determinava que os órgãos do governo levassem em conta mecanismos para a consolidação “da participação popular como método de governo”.

Pelo decreto, que foi incluído por Gleisi Hoffmann na MP, os conselhos deveriam ser ouvidos “na formulação, execução, monitoramento, avaliação e gestão” de  programas e políticas públicas.  Oposicionistas acusam o governo de tentar, com o decreto, aparelhar politicamente entidades da administração pública, além de diminuir o papel do Legislativo.

“Estão tentando ressuscitar o tal decreto bolivariano”, afirmou na sessão desta quarta  o deputado Vanderlei Macris (PSDB-SP). O deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA) também defendeu que fosse votado o texto original da medida provisória. Ele acusou o governo de incluir um trecho sobre os conselhos que permitiriam que as organizações sociais “roubassem sem fiscalização”.

O deputado Heráclito Fortes (PSB-PI) também se manifestou a favor do texto original, criticando a inclusão do que ele chamou de “penduricalhos [na medida provisória] a serviço de alguns partidos”. O líder do DEM, Mendonça Filho (PE), discursou na mesma linha, dizendo que o relatório da senadora Gleisi Hoffmann resgatava os “conselhos bolivarianos”.

 

 

Edição: Veja Timon

Fonte: G1

Compartilhe:
Veja Timon
Veja Timonhttps://vejatimon.com
O Veja Timon foi desenvolvido para suprir os timonenses com informações de um modo geral, onde a política não venha ser o foco central. Um site diversificado e imparcial, trabalhamos para levar um conteúdo de relevância para cidade. Veja Timon - Junto Com o Povo

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Morador de Timon é um dos ganhadores da Promoção Energia em Dia

Clientes ainda podem se cadastrar e concorrer aos próximos sorteios A promoção Energia em Dia está premiando os clientes que estão em dia com suas...

Paulo Marinho Júnior visita a cidade de Duque Bacelar

O candidato a Deputado Federal, Paulo Marinho Júnior (PL), visitou nesta quarta-feira (10), a cidade de Duque Bacelar. A agenda foi a convite do...

Mais uma ação pede a impugnação de Chico Leitoa como candidato a deputado estadual

Depois de ação do Ministério Público Eleitoral, agora é o vereador Kaká do Frugosá que move ação para barrar candidatura de Chico Leitoa. Mais uma...
A Câmara dos Deputados barrou nesta quarta-feira (4) uma nova tentativa de determinar que conselhos populares sejam consultados por órgãos do governo antes de decisões sobre a implementação de políticas públicas. O tema foi incluído pela senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) em uma medida provisória que adia a entrada em vigor da lei que estabelece as regras para a assinatura de contratos entre o setor público e as Organizações Não-Governamentais (ONGs).  A senadora foi relatora da MP na comissão especial que analisou a matéria. Durante a sessão, deputados da oposição e de partidos da base aliada criticaram a tentativa de recriar os conselhos populares e optaram por votar o texto original da MP, que não tratava do assunto. A consulta a um colegiado formado por representantes da sociedade civil foi estabelecida pela primeira vez em maio do ano passado por meio de um decreto da presidente Dilma Rousseff. Em outubro de 2014, a Câmara derrubou esse decreto. A consulta aos conselhos sofreu críticas desde que  foi implementada pelo Palácio do Planalto. A proposta, que instituía a Política Nacional de Participação Social (PNPS), determinava que os órgãos do governo levassem em conta mecanismos para a consolidação "da participação popular como método de governo". Pelo decreto, que foi incluído por Gleisi Hoffmann na MP, os conselhos deveriam ser ouvidos “na formulação, execução, monitoramento, avaliação e gestão” de  programas e políticas públicas.  Oposicionistas acusam o governo de tentar, com o decreto, aparelhar politicamente entidades da administração pública, além de diminuir o papel do Legislativo. “Estão tentando ressuscitar o tal decreto bolivariano”, afirmou na sessão desta quarta  o deputado Vanderlei Macris (PSDB-SP). O deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA) também defendeu que fosse votado o texto original da medida provisória. Ele acusou o governo de incluir um trecho sobre os conselhos que permitiriam que as organizações sociais “roubassem sem fiscalização”. O deputado Heráclito Fortes (PSB-PI) também se manifestou a favor do texto original, criticando a inclusão do que ele chamou de “penduricalhos [na medida provisória] a serviço de alguns partidos”. O líder do DEM, Mendonça Filho (PE), discursou na mesma linha, dizendo que o relatório da senadora Gleisi Hoffmann resgatava os “conselhos bolivarianos”.     Edição: Veja Timon Fonte: G1