Cigarro eletrônico é porta de entrada para o tabagismo, afirmam pesquisas 

spot_img
Compartilhe:

Dados do INCA e de 25 pesquisas internacionais evidenciam que o tabagismo é o próximo passo de quem utiliza o cigarro eletrônico   

PO Instituto Nacional do Câncer- INCA divulgou dados de uma pesquisa realizada no Brasil e internacionalmente pontuando a utilização do cigarro eletrônico, ou vape, como porta de entrada para outros narcóticos. As informações têm alertado cidades como Teresina, onde a prefeitura sancionou um projeto de lei municipal que proibia o uso de fumígenos derivados ou não do tabaco, acrescentando na sanção os vapes e narguilês. De acordo com especialistas, a medida é bem-vinda, mas a intensificação do combate deve seguir também pelo estado. 

A enfermeira e coordenadora do curso de Enfermagem do UNINASSAU – Centro Universitário Maurício de Nassau em Teresina, Mauryane Lopes, lembra que, a partir do início dos anos 90, o controle do tabagismo no Brasil tem sido ativo por meio do INCA e do Ministério da Saúde. A enfermeira reforça que, desde então, ações nacionais de combate ao consumo de cigarros, promoção e mobilização pela saúde são trazidas à amplitude das discussões sociais. “Quem utiliza o cigarro eletrônico acha que não faz mal, mas faz sim. Ali tem nicotina, substância que causa diversas doenças, como o câncer. E para reforçar essa informação, neste ano de 2021, a OMS lançou um material listando mais de 100 razões para deixar de fumar, pois cerca de 8 milhões de pessoas morrem anualmente pelo consumo da nicotina. É um dado alarmante que deve ser observado tanto nas capitais como também nas cidades do interior. Isso é um alerta global”, explicou Mauryane. 

Os compostos químicos presentes no cigarro eletrônico são bastante similares aos de cigarro convencional. No entanto, os malefícios são menos conhecidos. O farmacêutico e coordenador do curso de Farmácia da Faculdade UNINASSAU, campus Redenção, Roberto Gomes, alerta para a variação de produtos químicos inalados por quem usa o aparelho, uma vez que a marca e modelo do acessório também varia. “Por não ter combustão e nem aquecimento, não há exposição ao monóxido de carbono. Entretanto, há todos os outros componentes que são imensamente prejudiciais ao organismo, como solventes químicos, metais pesados, compostos aromáticos e a nicotina líquida, vilã e promotora de efeitos colaterais relacionados ao sistema cardiovascular. Ou seja, esse acessório é igualmente repulsivo como o cigarro tradicional”, finalizou o farmacêutico.   

Especialistas em diversas áreas reforçam a orientação do não uso dos cigarros, sejam eletrônicos ou não. Em outra perspectiva, é importante ressaltar que cerca de 1 milhão do total de óbitos anuais por utilização da nicotina não são fumantes, são apenas parceiros ou conviventes de ambientes com o fumígeno. Por isso, o alerta para a não utilização também é respaldado na Resolução da Anvisa (RDC 46/2009), que proíbe a comercialização, importação e propaganda de todos os tipos de dispositivos eletrônicos para fumar no Brasil.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Conheça o cronograma de obras de esgoto da Águas de Timon para está semana

A Águas de Timon avança em mais uma etapa das obras de esgotamento sanitário no município. Entre os dias 28 de novembro a 03...

Vereador PA acompanha início de obras de sua autoria nos bairros de Timon

O vereador Pedro Augusto PA, de Timon, um dos parlamentares mais atuantes da nova geração política da cidade, "meteu", literalmente "mão na massa". Assim que...

Equatorial Maranhão informa sobre horários de funcionamento durante jogos do Brasil

Postos E + Reciclagem e agências de atendimento terão horários diferenciados durante as partidas da seleção brasileira Com o início da Copa do Mundo no...
Dados do INCA e de 25 pesquisas internacionais evidenciam que o tabagismo é o próximo passo de quem utiliza o cigarro eletrônico   
PO Instituto Nacional do Câncer- INCA divulgou dados de uma pesquisa realizada no Brasil e internacionalmente pontuando a utilização do cigarro eletrônico, ou vape, como porta de entrada para outros narcóticos. As informações têm alertado cidades como Teresina, onde a prefeitura sancionou um projeto de lei municipal que proibia o uso de fumígenos derivados ou não do tabaco, acrescentando na sanção os vapes e narguilês. De acordo com especialistas, a medida é bem-vinda, mas a intensificação do combate deve seguir também pelo estado. 
A enfermeira e coordenadora do curso de Enfermagem do UNINASSAU - Centro Universitário Maurício de Nassau em Teresina, Mauryane Lopes, lembra que, a partir do início dos anos 90, o controle do tabagismo no Brasil tem sido ativo por meio do INCA e do Ministério da Saúde. A enfermeira reforça que, desde então, ações nacionais de combate ao consumo de cigarros, promoção e mobilização pela saúde são trazidas à amplitude das discussões sociais. “Quem utiliza o cigarro eletrônico acha que não faz mal, mas faz sim. Ali tem nicotina, substância que causa diversas doenças, como o câncer. E para reforçar essa informação, neste ano de 2021, a OMS lançou um material listando mais de 100 razões para deixar de fumar, pois cerca de 8 milhões de pessoas morrem anualmente pelo consumo da nicotina. É um dado alarmante que deve ser observado tanto nas capitais como também nas cidades do interior. Isso é um alerta global”, explicou Mauryane. 
Os compostos químicos presentes no cigarro eletrônico são bastante similares aos de cigarro convencional. No entanto, os malefícios são menos conhecidos. O farmacêutico e coordenador do curso de Farmácia da Faculdade UNINASSAU, campus Redenção, Roberto Gomes, alerta para a variação de produtos químicos inalados por quem usa o aparelho, uma vez que a marca e modelo do acessório também varia. “Por não ter combustão e nem aquecimento, não há exposição ao monóxido de carbono. Entretanto, há todos os outros componentes que são imensamente prejudiciais ao organismo, como solventes químicos, metais pesados, compostos aromáticos e a nicotina líquida, vilã e promotora de efeitos colaterais relacionados ao sistema cardiovascular. Ou seja, esse acessório é igualmente repulsivo como o cigarro tradicional”, finalizou o farmacêutico.   
Especialistas em diversas áreas reforçam a orientação do não uso dos cigarros, sejam eletrônicos ou não. Em outra perspectiva, é importante ressaltar que cerca de 1 milhão do total de óbitos anuais por utilização da nicotina não são fumantes, são apenas parceiros ou conviventes de ambientes com o fumígeno. Por isso, o alerta para a não utilização também é respaldado na Resolução da Anvisa (RDC 46/2009), que proíbe a comercialização, importação e propaganda de todos os tipos de dispositivos eletrônicos para fumar no Brasil.