Congresso aprova nova lei que pune crimes virtuais com mais rigor 

spot_img
Compartilhe:

No fim do mês de maio, foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) a Lei Nº 14.155/21, que enrijece a pena para crimes praticados virtualmente, como, por exemplo, nas redes sociais. Dessa maneira, a nova norma altera o Código Penal e o Código de Processo Penal pontuando agravantes específicos para ações por meios eletrônicos, sejam eles conectados ou não pela internet.  

O especialista em Direito Penal e professor da UNINASSAU – Centro Universitário Maurício de Nassau em Teresina, Eduardo Faustino, explica que, com a chegada da nova lei, crimes bastante comuns, como o roubo de contas de WhatsApp, serão tratados especificamente no texto, garantindo mais segurança nas determinações legais.  “As novidades estão desde o aumento da pena em crimes dessa natureza – que pode chegar a oito anos de prisão -, até o enquadramento de criadores de programas e softwares de invasão. Além disso, ficará mais complicado encontrar penas alternativas, reduzindo as famosas brechas na lei, pois agora há uma redação própria no Código Penal para estes casos”, pontuou Faustino. 

O professor de Sistemas de Informação e Perito Computacional do Centro Universitário, Raimundo Neto, comenta que essas demandas de reforço e especificação de crimes virtuais é um grande passo dado para melhorar a segurança dos usuários.  “Era bastante complicado a navegação segura, uma vez que a invasão de aparelhos eletrônicos acontece, muitas vezes, com a instalação de softwares de espionagem ou malwares. Mas, se era fora do país, não havia punições razoáveis. A partir da nova lei, estelionato e furtos por redes sociais por meio de servidor estrangeiro passam a ter redação própria no Código Penal”, finaliza o perito. 

A UNINASSAU oferece gratuitamente para a comunidade o atendimento no Núcleo de Prática Jurídica (NPJ), um serviço de cunho social para esclarecer dúvidas jurídicas e atuar na resolução de conflitos. O NPJ fica localizado na Avenida João XXIII, nº 2315, no Bairro São Cristóvão. Para mais informações, os interessados devem entrar em contato pelo número (86) 99405-0781. Por Ricardo Mousinho, ASCOM Uninassau.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Senhor dos Anéis: Moraes manda “CNN”, “Veja” e “GNews” quebrarem sigilo da fonte jornalística

O ministro quer quer o conteúdo das entrevistas com Marcos do Val sejam comparados ao depoimento dele à PF Os três veículos de imprensa...

Proposta de “oposição unida” em Timon terá que enfrentar o primeiro obstáculo: cargos

Nomeações para cargos em Timon deverá ser o primeiro desafio da proposta de união da oposição a começar pelos aliados do governador. Muito embora tenham...

Tudo o que os governistas de Timon não queriam, poderá acontecer em 2024. Oposição trabalha pela união

Oposição de Timon, realizou em São Luiz, ontem, a primeira reunião para tratar da união do grupo e vencer as eleições em 2024. Em reunião,...

No fim do mês de maio, foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) a Lei Nº 14.155/21, que enrijece a pena para crimes praticados virtualmente, como, por exemplo, nas redes sociais. Dessa maneira, a nova norma altera o Código Penal e o Código de Processo Penal pontuando agravantes específicos para ações por meios eletrônicos, sejam eles conectados ou não pela internet.  

O especialista em Direito Penal e professor da UNINASSAU - Centro Universitário Maurício de Nassau em Teresina, Eduardo Faustino, explica que, com a chegada da nova lei, crimes bastante comuns, como o roubo de contas de WhatsApp, serão tratados especificamente no texto, garantindo mais segurança nas determinações legais.  “As novidades estão desde o aumento da pena em crimes dessa natureza - que pode chegar a oito anos de prisão -, até o enquadramento de criadores de programas e softwares de invasão. Além disso, ficará mais complicado encontrar penas alternativas, reduzindo as famosas brechas na lei, pois agora há uma redação própria no Código Penal para estes casos”, pontuou Faustino. 

O professor de Sistemas de Informação e Perito Computacional do Centro Universitário, Raimundo Neto, comenta que essas demandas de reforço e especificação de crimes virtuais é um grande passo dado para melhorar a segurança dos usuários.  “Era bastante complicado a navegação segura, uma vez que a invasão de aparelhos eletrônicos acontece, muitas vezes, com a instalação de softwares de espionagem ou malwares. Mas, se era fora do país, não havia punições razoáveis. A partir da nova lei, estelionato e furtos por redes sociais por meio de servidor estrangeiro passam a ter redação própria no Código Penal”, finaliza o perito. 

A UNINASSAU oferece gratuitamente para a comunidade o atendimento no Núcleo de Prática Jurídica (NPJ), um serviço de cunho social para esclarecer dúvidas jurídicas e atuar na resolução de conflitos. O NPJ fica localizado na Avenida João XXIII, nº 2315, no Bairro São Cristóvão. Para mais informações, os interessados devem entrar em contato pelo número (86) 99405-0781. Por Ricardo Mousinho, ASCOM Uninassau.