Defensor nos “conflitos fundiários” participa de reunião da CCJ na Câmara de Timon

spot_img
Compartilhe:
Defensor reunido com o presidente Anderson Pego e relator Ramon Junior: intermediação de conflitos

A Comissão de Constituição e Justica da Câmara Municipal de Timon, na pessoa do seu presidente, vereador Anderson Pêgo e do relator, vereador Ramon Júnior, se reuniu na manhã desta terça-feira, 14, com o defensor público, Ricardo Luiz de Almeida Teixeira, para buscarem, em conjunto, uma solução para a questão dos contratos de aforamento na cidade de Timon. Tanto os vereadores quanto o defensor público concordaram que a Câmara Municipal deve tomar medidas para que haja uma legislação mais rígida e que traga maior segurança jurídica para quem busque investir nessa área no município de Timon.

O defensor Ricardo Luiz de Almeida, que tem ampla experiência na questão fundiária, atuando em Timon a muitos anos, destacou que a questão fundiária em Timon é muito grave e há uma necessidade urgente de que esse tema tenha uma legislação forte e específica, sob o risco de Timon continuar perdendo investimentos, empregos, tributos e, além disso, judicialização a questão fundiária.

“Caso contrário, vai ficar existindo, dentro da Seplan, uma espécie de cartório paralelo e isso é contra a lei, ferindo o princípio da publicidade. Por que se é terra pública, o terreno foreiro é uma terra pública, esse imóvel tem que estar registrado para que a população tenha conhecimento do que se trata”, destacou o defensor público.

O vereador Anderson Pêgo ressaltou que foi importante a reunião com o defensor público Ricardo Luiz de Almeida, pois é urgente que se legisle sobre a questão fundiária em Timon. “Foi essencial a participação do defensor público Ricardo de Almeida aqui hoje para que nós pudéssemos iniciar a discussão de novos caminhos, de uma nova legislação, para a questão do aforamento da cidade de Timon, que hoje está com uma insegurança jurídica muito grande e essa insegurança causa dano ao patrimônio da cidade”.

Já o vereador Ramon Júnior destacou o prejuízo que a insegurança jurídica causa para o patrimônio público e para a população. “O doutor Ricardo de Almeida tem ajudado bastante nessa questão da regularização e nós estamos aqui construindo uma legislação que possa garantir e proteger o patrimônio público municipal, para que não aconteçam mais esses desmandos que acontecem na Seplan através do secretário de planejamento, que faz vários títulos de aforamento sem registro e que traz insegurança jurídica para a cidade e muitas ilegalidades, trazendo prejuízo para o patrimônio público e também para a população”, concluiu. (Por Juarez Oliveira).

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Com superação e reeleição, Deputado Rafael se torna o grande articulador do Governo Brandão

A reeleição do Deputado Rafael lhe permite e determina que ele seja o grande articulador do Governo Brandão, na Assembleia Legislativa, onde foi líder...

Declínio eleitoral dos Leitoas chega ao auge em 2022 com derrota para governo e assembleia do MA

Com a perda do governo estadual e vaga na Assembleia as derrotas do grupo estão cada vez mais evidentes e iminentes. Os dados, os números...

Legado e resgate histórico: Gracinha Mão Santa é eleita deputada estadual do Piauí

Gracinha Mão Santa inicia vida pública eletiva da mesma forma que Mão Santa há  44 anos. Há exatos 44 anos Francisco de Assis de Moraes...
Defensor reunido com o presidente Anderson Pego e relator Ramon Junior: intermediação de conflitos
A Comissão de Constituição e Justica da Câmara Municipal de Timon, na pessoa do seu presidente, vereador Anderson Pêgo e do relator, vereador Ramon Júnior, se reuniu na manhã desta terça-feira, 14, com o defensor público, Ricardo Luiz de Almeida Teixeira, para buscarem, em conjunto, uma solução para a questão dos contratos de aforamento na cidade de Timon. Tanto os vereadores quanto o defensor público concordaram que a Câmara Municipal deve tomar medidas para que haja uma legislação mais rígida e que traga maior segurança jurídica para quem busque investir nessa área no município de Timon. O defensor Ricardo Luiz de Almeida, que tem ampla experiência na questão fundiária, atuando em Timon a muitos anos, destacou que a questão fundiária em Timon é muito grave e há uma necessidade urgente de que esse tema tenha uma legislação forte e específica, sob o risco de Timon continuar perdendo investimentos, empregos, tributos e, além disso, judicialização a questão fundiária. "Caso contrário, vai ficar existindo, dentro da Seplan, uma espécie de cartório paralelo e isso é contra a lei, ferindo o princípio da publicidade. Por que se é terra pública, o terreno foreiro é uma terra pública, esse imóvel tem que estar registrado para que a população tenha conhecimento do que se trata", destacou o defensor público. O vereador Anderson Pêgo ressaltou que foi importante a reunião com o defensor público Ricardo Luiz de Almeida, pois é urgente que se legisle sobre a questão fundiária em Timon. "Foi essencial a participação do defensor público Ricardo de Almeida aqui hoje para que nós pudéssemos iniciar a discussão de novos caminhos, de uma nova legislação, para a questão do aforamento da cidade de Timon, que hoje está com uma insegurança jurídica muito grande e essa insegurança causa dano ao patrimônio da cidade". Já o vereador Ramon Júnior destacou o prejuízo que a insegurança jurídica causa para o patrimônio público e para a população. "O doutor Ricardo de Almeida tem ajudado bastante nessa questão da regularização e nós estamos aqui construindo uma legislação que possa garantir e proteger o patrimônio público municipal, para que não aconteçam mais esses desmandos que acontecem na Seplan através do secretário de planejamento, que faz vários títulos de aforamento sem registro e que traz insegurança jurídica para a cidade e muitas ilegalidades, trazendo prejuízo para o patrimônio público e também para a população", concluiu. (Por Juarez Oliveira).