Defesa quer prisão domiciliar para advogado suspeito de estuprar diarista

spot_img
Compartilhe:

A defesa do advogado Jefferson Moura Costa, que foi preso em flagrante suspeito de estuprar uma diarista de 29 anos, entrou nesta segunda-feira (19), com  pedido de prisão domiciliar para o advogado. Jefferson também é suspeito de importunação sexual contra duas vítimas. O advogado estuda fazer exame de sanidade mental.

A solicitação foi encaminhada ao juiz da Central de Inquéritos de Teresina e deve ser acatada, segundo a defesa, caso a penitenciária Irmão Guido, onde Jefferson está preso desde a última sexta-feira, não possua uma sala de estado maior.  O mesmo pedido também foi apresentado pela comissão de prerrogativas da OAB-PI.

“Fiz um pedido hoje pela manhã  para o juiz da Central de inquéritos para que ele fosse encaminhado imediatamente para uma sala de estado maior, porque é prerrogativa dele como advogado, ou se não tiver que seja concedida a prisão domiciliar para ele”, informou o advogado Lucas Ribeiro, que atua na defesa de Jefferson Moura Costa.

Ainda de acordo com a defesa, existe a possibilidade de solicitar um exame de sanidade mental para o advogado, mas ainda não há uma definição sobre. “Queria conversar com a família, conhecer o histórico de saúde, e, se for possível, fazer o pedido, caso a família autorizasse”, disse o advogado de defesa.

A defesa de Jefferson Moura Costa informou ainda que acompanha com cautela o desenrolar das investigações e os depoimentos de vítimas que formalizaram denúncias nos últimos dias.

“A gente vai aguardar o encerramento das investigações. Até a presente data, a única coisa que pesa sobre ele é a palavra da vítima. A gente vai aguardar as investigações para que a possamos ir atrás dos próximos passos. Estamos acompanhando todos os depoimentos e procedimentos investigatórios. Vamos ter essa cautela de esperar, para que a gente possa avaliar e fazer o pedido que a gente achar pertinente”, destacou o advogado Lucas Ribeiro.

Natanael Souza
[email protected]

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

De um milhão e 200 mil levados pelo funcionário do BB de Teresina, polícia só recuperou 41 mil

O funcionário alega estar passando por problemas psicológicos, mas cadê o dinheiro? Quanto ele subtraiu do banco? O bancário de 39 anos suspeito de furtar R$...

Confira quatro dicas para empreender em 2023

Por Elainy Castro Empreender é um sonho comum de muitos brasileiros. Esse é um caminho que pode trazer realização profissional e sucesso financeiro, além disso,...

No mesmo dia: Reeleitos, Lira e Pacheco rompem com Bolsonaro, mas deixam recado ao STF

Colunista do jornal "O Globo" avalia que o pior cenário para o Supremo seria a vitória de Rogério Marinho. Mas reeleição de Lira e...
A defesa do advogado Jefferson Moura Costa, que foi preso em flagrante suspeito de estuprar uma diarista de 29 anos, entrou nesta segunda-feira (19), com  pedido de prisão domiciliar para o advogado. Jefferson também é suspeito de importunação sexual contra duas vítimas. O advogado estuda fazer exame de sanidade mental. A solicitação foi encaminhada ao juiz da Central de Inquéritos de Teresina e deve ser acatada, segundo a defesa, caso a penitenciária Irmão Guido, onde Jefferson está preso desde a última sexta-feira, não possua uma sala de estado maior.  O mesmo pedido também foi apresentado pela comissão de prerrogativas da OAB-PI. "Fiz um pedido hoje pela manhã  para o juiz da Central de inquéritos para que ele fosse encaminhado imediatamente para uma sala de estado maior, porque é prerrogativa dele como advogado, ou se não tiver que seja concedida a prisão domiciliar para ele", informou o advogado Lucas Ribeiro, que atua na defesa de Jefferson Moura Costa. Ainda de acordo com a defesa, existe a possibilidade de solicitar um exame de sanidade mental para o advogado, mas ainda não há uma definição sobre. "Queria conversar com a família, conhecer o histórico de saúde, e, se for possível, fazer o pedido, caso a família autorizasse", disse o advogado de defesa. A defesa de Jefferson Moura Costa informou ainda que acompanha com cautela o desenrolar das investigações e os depoimentos de vítimas que formalizaram denúncias nos últimos dias. "A gente vai aguardar o encerramento das investigações. Até a presente data, a única coisa que pesa sobre ele é a palavra da vítima. A gente vai aguardar as investigações para que a possamos ir atrás dos próximos passos. Estamos acompanhando todos os depoimentos e procedimentos investigatórios. Vamos ter essa cautela de esperar, para que a gente possa avaliar e fazer o pedido que a gente achar pertinente", destacou o advogado Lucas Ribeiro. Natanael Souza [email protected]