Em entrevista, Simplício elogia Dino, desconfia de pesquisas e diz que tem candidato fazendo “balcão de negócios”

spot_img
Compartilhe:

Respondendo a perguntas de jornalistas e radialistas em Timon, hoje, Simplício Araújo, pré-candidato a governador do Maranhão fez questões de elogiar a gestão de Flávio Dino afirmando que muito foi feito pelo governador, mas que, caso seja eleito governador, fará bem melhor que atual gestão governamental. Simplício falou das “artimanhas” das pesquisas de opinião pública realizadas para aferir as intenções de votos que, em determinados momento colocam candidatos “favoritos” na frente com 24 pontos, mas que em outras esse mesmo “favorito” aparece com 5 pontos percentuais. Ele falou também sobre candidato que faz da campanha um balcão de negócios.

Demonstrando muita humildade politica, Simplício Araújo – que até o mês passado fazia  parte do governo estadual como secretário da Industria e Comércio -, disse que o modelo politico, que ainda hoje é utilizado por alguns políticos que contam “cabeças” de apoio politico ruiu na eleição de Flávio Dino, quando em 2014, ele derrotou Edinho Lobão, que tinha por trás, além da força do Palácio dos Leões, três senadores, a maioria dos deputados federais, estaduais e quase todos os prefeitos do Maranhão, mesmo assim foi derrotado, disse.

O candidato disse que não baixará o nível da disputa eleitoral, que não atacará e nem se defenderá, mas deixou uma linguagem que soou forte contra os que se locupletaram do governo de Flávio Dino e que hoje estão contra. Ele disse que as pessoas não podem ser ingratas e disse, sem citar nomes, que a campanha de determinado candidato é um verdadeiro balcão de negócios.

Perguntado sobre a possibilidade de renunciar a vir a apoiar o senador Weverton Rocha, o candidato do Solidariedade refutou completamente a possibilidade dizendo que entre as candidaturas postas até o momento a dele é mais certa de que chegará até o final.

Festa de um milhão

Simplício Araújo pincelou alguns dos assuntos do momento qualificando quem realmente esteve disposto a ajudar a sociedade durante a pandemia. “Na pandemia fui buscar respiradores na China”, disse, segundo Simplício, e citando que no atual momento, recorreu à iniciativa privada para o envio de 400 cestas básicas e disse que, enquanto isso tem gente aí fazendo festa de um milhão de reais, alfinetou.

 

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Mercado de trabalho: Programa de Trainee Aegea está com inscrições abertas para Timon

Os interessados podem se inscrever até o dia 24 de outubro, de forma on-line A Aegea, empresa líder no setor de saneamento privado no Brasil,...

Carlos Brandão é reeleito governador, Timon terá dois deputados e Leitoas saem enfraquecidos do pleito

O governador Carlos Brandão liderou a disputa em primeiro turno pelo governo do Maranhão a partir das primeiras urnas abertas ontem, às 18h, até...

Águas de Timon celebra conclusão do projeto Desvendar Esporte

Nesta quinta-feira (29), a Águas de Timon celebrou a conclusão das atividades do projeto Desvendar Esporte, patrocinado pela Águas de Timon, durante ação no...
Respondendo a perguntas de jornalistas e radialistas em Timon, hoje, Simplício Araújo, pré-candidato a governador do Maranhão fez questões de elogiar a gestão de Flávio Dino afirmando que muito foi feito pelo governador, mas que, caso seja eleito governador, fará bem melhor que atual gestão governamental. Simplício falou das "artimanhas" das pesquisas de opinião pública realizadas para aferir as intenções de votos que, em determinados momento colocam candidatos "favoritos" na frente com 24 pontos, mas que em outras esse mesmo "favorito" aparece com 5 pontos percentuais. Ele falou também sobre candidato que faz da campanha um balcão de negócios. Demonstrando muita humildade politica, Simplício Araújo - que até o mês passado fazia  parte do governo estadual como secretário da Industria e Comércio -, disse que o modelo politico, que ainda hoje é utilizado por alguns políticos que contam "cabeças" de apoio politico ruiu na eleição de Flávio Dino, quando em 2014, ele derrotou Edinho Lobão, que tinha por trás, além da força do Palácio dos Leões, três senadores, a maioria dos deputados federais, estaduais e quase todos os prefeitos do Maranhão, mesmo assim foi derrotado, disse. O candidato disse que não baixará o nível da disputa eleitoral, que não atacará e nem se defenderá, mas deixou uma linguagem que soou forte contra os que se locupletaram do governo de Flávio Dino e que hoje estão contra. Ele disse que as pessoas não podem ser ingratas e disse, sem citar nomes, que a campanha de determinado candidato é um verdadeiro balcão de negócios. Perguntado sobre a possibilidade de renunciar a vir a apoiar o senador Weverton Rocha, o candidato do Solidariedade refutou completamente a possibilidade dizendo que entre as candidaturas postas até o momento a dele é mais certa de que chegará até o final. Festa de um milhão Simplício Araújo pincelou alguns dos assuntos do momento qualificando quem realmente esteve disposto a ajudar a sociedade durante a pandemia. "Na pandemia fui buscar respiradores na China", disse, segundo Simplício, e citando que no atual momento, recorreu à iniciativa privada para o envio de 400 cestas básicas e disse que, enquanto isso tem gente aí fazendo festa de um milhão de reais, alfinetou.