Em terceiro lugar e fora da disputa num segundo turno, Weverton Rocha vai rever estratégia

spot_img
Compartilhe:

Pesquisas apontam que o senador disputa a segunda posição com Lahesio Bonfim.

O senador Weverton Rocha, candidato a governador do Maranhão, pelo PDT, deverá, a partir de agora, reta inicial da campanha permitida pela lei eleitoral, mudar tudo. Mas tudo mesmo com relação à pré-campanha desenvolvida pelo candidato e por seu marketing, mas que chegou até aqui amargando um terceiro lugar nas pesquisas eleitorais de intenções de votos realizadas nas últimas semanas e que antecedem o que chamamos de “hora da onça beber água”.

Nas últimas abordagens eleitorais, o senador Weverton aparece empatado tecnicamente com o terceiro lugar Lahesio Bonfim e perde terreno na disputa eleitoral, apesar da grande estrutura politica, logística e de apoio montadas com a participação de grandes aliados políticos, que no entender de muitos, não somaram para o candidato do PDT no Maranhão.

Com discurso indefinido de apoios, Weverton Rocha iniciou  a campanha afirmando ser o candidato de Luis Inácio Lula da Silva, candidato do PT e que lhe apoiaria no Maranhão. A estratégia não funcionou e Lula acabou anunciando apoio  ao principal adversários de Weverton o governador Carlos Brandão. Após a perda de apoio do PT em nível nacional, Weverton pendeu para o lado de Bolsonaro, evidenciando apoios do presidente do Maranhão como o senador Roberto Rocha, ao qual anunciou como seu candidato para o senado. Mas isso também não funcionou, pois o eleitorado de Bolsonaro tem identidade com o candidato Lahesio Bonfim e a subida nas intenções de votos do médico é a confirmação dessa identidade politica do jovem médico com os bolsonaristas no Maranhão.

Outro atropelo politico do senador foi o de nunca ter declarado apoio ao candidato do partido à Presidência o ex-ministro Ciro Gomes, a quem Weverton Rocha renegou desde o início do sua campanha.

Com todo esse revés, o senador deverá, a partir de agora rever todo o posicionamento de campanha e encontrar uma saída para se manter em segundo lugar e entrar na disputa num improvável segundo turno, mas até aqui ao que parece, com a ascensão dos números em favor de Lahesio Bonfim, o foguete de Weverton, começou “dá ré”.

É isso!

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Não esqueça o Zé Gotinha!

Saiba quais os riscos de não vacinar seu filho contra a poliomielite. Por Elainy Castro. Com certeza você lembra dele: Zé Gotinha é um personagem que...

Calor: Cuidados com a pele durante o B-R-O-Bró  

 Esteticista dá dicas sobre hábitos a serem adotados para evitar danos causados pelo sol   Com temperaturas ultrapassando os 40 graus na Capital Piauiense, a atenção...

“Em vinda de Fufuca em Timon, ex-vereador Ramon jr faz discurso emocionante aos seus apoiadores”

Em tom de emoção, o ex-vereador Ramon Junior, falou de sua luta como parlamentar pautada em busca de benefícios para a cidade e com...

Pesquisas apontam que o senador disputa a segunda posição com Lahesio Bonfim.

O senador Weverton Rocha, candidato a governador do Maranhão, pelo PDT, deverá, a partir de agora, reta inicial da campanha permitida pela lei eleitoral, mudar tudo. Mas tudo mesmo com relação à pré-campanha desenvolvida pelo candidato e por seu marketing, mas que chegou até aqui amargando um terceiro lugar nas pesquisas eleitorais de intenções de votos realizadas nas últimas semanas e que antecedem o que chamamos de "hora da onça beber água". Nas últimas abordagens eleitorais, o senador Weverton aparece empatado tecnicamente com o terceiro lugar Lahesio Bonfim e perde terreno na disputa eleitoral, apesar da grande estrutura politica, logística e de apoio montadas com a participação de grandes aliados políticos, que no entender de muitos, não somaram para o candidato do PDT no Maranhão. Com discurso indefinido de apoios, Weverton Rocha iniciou  a campanha afirmando ser o candidato de Luis Inácio Lula da Silva, candidato do PT e que lhe apoiaria no Maranhão. A estratégia não funcionou e Lula acabou anunciando apoio  ao principal adversários de Weverton o governador Carlos Brandão. Após a perda de apoio do PT em nível nacional, Weverton pendeu para o lado de Bolsonaro, evidenciando apoios do presidente do Maranhão como o senador Roberto Rocha, ao qual anunciou como seu candidato para o senado. Mas isso também não funcionou, pois o eleitorado de Bolsonaro tem identidade com o candidato Lahesio Bonfim e a subida nas intenções de votos do médico é a confirmação dessa identidade politica do jovem médico com os bolsonaristas no Maranhão. Outro atropelo politico do senador foi o de nunca ter declarado apoio ao candidato do partido à Presidência o ex-ministro Ciro Gomes, a quem Weverton Rocha renegou desde o início do sua campanha. Com todo esse revés, o senador deverá, a partir de agora rever todo o posicionamento de campanha e encontrar uma saída para se manter em segundo lugar e entrar na disputa num improvável segundo turno, mas até aqui ao que parece, com a ascensão dos números em favor de Lahesio Bonfim, o foguete de Weverton, começou "dá ré". É isso!