Estudantes foram assassinados e incinerados no México

spot_img
Compartilhe:

bandeira-mexico  A Procuradoria Geral do México reafirmou hoje (27) que os 43 estudantes da Escola Normal Rural de Ayotzinapa, estado de Guerrero – desaparecidos há quatro meses, foram executados e incinerados. Em entrevista coletiva, na Cidade do México, hoje (27) à tarde, o procurador-geral, Jésus Murillo Karam, disse que “não há dúvida” sobre a morte dos jovens.

“Com base nas investigações e análises das provas e fatos, podemos dizer que não há dúvidas de que os estudantes foram privados de liberdade, depois incinerados e jogados no leito do Rio San Juan [município de Cucula, estado de Guerrero]”, afirmou.

Em novembro do ano passado, o procurador já havia dito que os jovens haviam sido assassinados e queimados, após a confissão de sicários (assassinos de aluguel) ligados a narcotraficantes e ao ex-prefeito da cidade de Iguala, Ángel Aguirre.

Por meio do site da Presidência da República do México, o procurador atribuiu as morte dos estudantes a um grupo criminoso local, mas procurou afastar as denúncias de envolvimento do governo federal nos crimes.

“O Exército não participou dessa ação”, afirmou. Após a comprovação do envolvimento do ex-prefeito de Iguala com grupos narcotraficantes da região, a imprensa local revelou que a Procuradoria teria denúncias e provas do envolvimento de entes diretos do governo federal no crime. Mas, na coletiva de hoje, o procurador afastou as denúncias.

O sumiço dos jovens causou uma série de protestos mundiais contra a impunidade no México, e chamou a atenção para os mais de 22 mil desaparecidos nas últimas décadas.

Ontem (26), os pais dos estudantes completaram quatro meses de buscas por informações para esclarecer a verdade dos fatos, que culminaram com o desaparecimento e confirmação da morte dos estudantes.

 

Edição: Veja Timon

Via: Agência Brasil

Compartilhe:
Veja Timon
Veja Timonhttps://vejatimon.com
O Veja Timon foi desenvolvido para suprir os timonenses com informações de um modo geral, onde a política não venha ser o foco central. Um site diversificado e imparcial, trabalhamos para levar um conteúdo de relevância para cidade. Veja Timon - Junto Com o Povo

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Morador de Timon é um dos ganhadores da Promoção Energia em Dia

Clientes ainda podem se cadastrar e concorrer aos próximos sorteios A promoção Energia em Dia está premiando os clientes que estão em dia com suas...

Paulo Marinho Júnior visita a cidade de Duque Bacelar

O candidato a Deputado Federal, Paulo Marinho Júnior (PL), visitou nesta quarta-feira (10), a cidade de Duque Bacelar. A agenda foi a convite do...

Mais uma ação pede a impugnação de Chico Leitoa como candidato a deputado estadual

Depois de ação do Ministério Público Eleitoral, agora é o vereador Kaká do Frugosá que move ação para barrar candidatura de Chico Leitoa. Mais uma...
bandeira-mexico  A Procuradoria Geral do México reafirmou hoje (27) que os 43 estudantes da Escola Normal Rural de Ayotzinapa, estado de Guerrero - desaparecidos há quatro meses, foram executados e incinerados. Em entrevista coletiva, na Cidade do México, hoje (27) à tarde, o procurador-geral, Jésus Murillo Karam, disse que "não há dúvida” sobre a morte dos jovens. “Com base nas investigações e análises das provas e fatos, podemos dizer que não há dúvidas de que os estudantes foram privados de liberdade, depois incinerados e jogados no leito do Rio San Juan [município de Cucula, estado de Guerrero]”, afirmou. Em novembro do ano passado, o procurador já havia dito que os jovens haviam sido assassinados e queimados, após a confissão de sicários (assassinos de aluguel) ligados a narcotraficantes e ao ex-prefeito da cidade de Iguala, Ángel Aguirre. Por meio do site da Presidência da República do México, o procurador atribuiu as morte dos estudantes a um grupo criminoso local, mas procurou afastar as denúncias de envolvimento do governo federal nos crimes. “O Exército não participou dessa ação”, afirmou. Após a comprovação do envolvimento do ex-prefeito de Iguala com grupos narcotraficantes da região, a imprensa local revelou que a Procuradoria teria denúncias e provas do envolvimento de entes diretos do governo federal no crime. Mas, na coletiva de hoje, o procurador afastou as denúncias. O sumiço dos jovens causou uma série de protestos mundiais contra a impunidade no México, e chamou a atenção para os mais de 22 mil desaparecidos nas últimas décadas. Ontem (26), os pais dos estudantes completaram quatro meses de buscas por informações para esclarecer a verdade dos fatos, que culminaram com o desaparecimento e confirmação da morte dos estudantes.   Edição: Veja Timon Via: Agência Brasil