Ex-prefeito de Trizidela do Vale terá que devolver recursos

spot_img
Compartilhe:

trizidela-do-vale-janio-de-sousa-freitas  A Justiça do Maranhão condenou o ex-prefeito de Trizidela do Vale, Jânio de Sousa Freitas, a devolver o valor de R$ 692 mil por conta de crimes de improbidade administrativa. O ex-prefeito terá ainda seus direitos políticos suspensos durante sete anos.

De acordo com a ação, Jânio de Sousa Freitas teve a sua prestação de contas do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização dos Professores da Educação do município, referente ao exercício financeiro de 2007, julgadas irregulares pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE). Processo administrativo conduzido pelo TCE teria apurado a aquisição de material de consumo e combustível sem realização de prévio processo licitatório.

O ex-gestor de Trizidela do Vale ainda recorreu da decisão pedindo a anulação da sentença e alegou que o julgamento antecipado teria cerceado seu direito de defesa, além da inexistência de ato de improbidade por não ter sido ele, pessoalmente, quem dispensou o procedimento licitatório, ausentes o dolo e má-fé, mas não obteve sucesso em sua alegação.

Para o relator do processo, o desembargador Marcelo Carvalho, não houve cerceamento de defesa na medida em que o ex-prefeito não negou os fatos, que restaram incontroversos, de forma que as provas por ele pedidas em nada influenciariam o resultado. Ele ressaltou a vontade livre e consciente do prefeito de agir em desacordo com a lei.

“Para que a administração pública possa contratar diretamente, por dispensa ou inexigibilidade de licitação, deve observar as formalidades mínimas exigidas na Lei de Licitações, sobretudo no que se refere à motivação, o que não foi evidenciado no presente caso”, concluiu.

Compartilhe:
Veja Timon
Veja Timonhttps://vejatimon.com
O Veja Timon foi desenvolvido para suprir os timonenses com informações de um modo geral, onde a política não venha ser o foco central. Um site diversificado e imparcial, trabalhamos para levar um conteúdo de relevância para cidade. Veja Timon - Junto Com o Povo

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Morador de Timon é um dos ganhadores da Promoção Energia em Dia

Clientes ainda podem se cadastrar e concorrer aos próximos sorteios A promoção Energia em Dia está premiando os clientes que estão em dia com suas...

Paulo Marinho Júnior visita a cidade de Duque Bacelar

O candidato a Deputado Federal, Paulo Marinho Júnior (PL), visitou nesta quarta-feira (10), a cidade de Duque Bacelar. A agenda foi a convite do...

Mais uma ação pede a impugnação de Chico Leitoa como candidato a deputado estadual

Depois de ação do Ministério Público Eleitoral, agora é o vereador Kaká do Frugosá que move ação para barrar candidatura de Chico Leitoa. Mais uma...
trizidela-do-vale-janio-de-sousa-freitas  A Justiça do Maranhão condenou o ex-prefeito de Trizidela do Vale, Jânio de Sousa Freitas, a devolver o valor de R$ 692 mil por conta de crimes de improbidade administrativa. O ex-prefeito terá ainda seus direitos políticos suspensos durante sete anos. De acordo com a ação, Jânio de Sousa Freitas teve a sua prestação de contas do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização dos Professores da Educação do município, referente ao exercício financeiro de 2007, julgadas irregulares pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE). Processo administrativo conduzido pelo TCE teria apurado a aquisição de material de consumo e combustível sem realização de prévio processo licitatório. O ex-gestor de Trizidela do Vale ainda recorreu da decisão pedindo a anulação da sentença e alegou que o julgamento antecipado teria cerceado seu direito de defesa, além da inexistência de ato de improbidade por não ter sido ele, pessoalmente, quem dispensou o procedimento licitatório, ausentes o dolo e má-fé, mas não obteve sucesso em sua alegação. Para o relator do processo, o desembargador Marcelo Carvalho, não houve cerceamento de defesa na medida em que o ex-prefeito não negou os fatos, que restaram incontroversos, de forma que as provas por ele pedidas em nada influenciariam o resultado. Ele ressaltou a vontade livre e consciente do prefeito de agir em desacordo com a lei. “Para que a administração pública possa contratar diretamente, por dispensa ou inexigibilidade de licitação, deve observar as formalidades mínimas exigidas na Lei de Licitações, sobretudo no que se refere à motivação, o que não foi evidenciado no presente caso”, concluiu.