Farmacêuticas sugerem ao governo fundo para bancar ações judiciais contra vacina

spot_img
Compartilhe:

Por Igor Gadelha, CNN

Laboratórios farmacêuticos têm sugerido ao governo brasileiro a criação de um fundo para bancar custos com eventuais ações judiciais decorrentes de reações adversas das vacinas contra a Covid-19.

As farmacêuticas também pretendem deixar claro, em cláusulas nos contratos com o governo, que não conhecem todos os riscos a longo prazo e que não serão responsáveis por reações adversas.

Há uma preocupação tanto das empresas quanto do Palácio do Planalto com possíveis questionamentos judiciais por parte da população que tomar a vacina e tiver alguma reação.

É nesse contexto que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem reforçado que a vacinação no Brasil não será obrigatória e defendido que o paciente assine um termo de responsabilidade dizendo estar ciente dos riscos.

A ideia do Planalto é fazer uma “comunicação clara” sobre a vacinação, expondo à população tudo o que se sabe e não se sabe em relação aos riscos e reações adversas dos imunizantes.

O governo, porém, é reticente à criação de um fundo. Auxiliares de Bolsonaro ponderam que isso demandaria a aprovação de uma PEC pelo Congresso e recursos da União em meio a um cenário fiscal ruim.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Mercado de trabalho: Programa de Trainee Aegea está com inscrições abertas para Timon

Os interessados podem se inscrever até o dia 24 de outubro, de forma on-line A Aegea, empresa líder no setor de saneamento privado no Brasil,...

Carlos Brandão é reeleito governador, Timon terá dois deputados e Leitoas saem enfraquecidos do pleito

O governador Carlos Brandão liderou a disputa em primeiro turno pelo governo do Maranhão a partir das primeiras urnas abertas ontem, às 18h, até...

Águas de Timon celebra conclusão do projeto Desvendar Esporte

Nesta quinta-feira (29), a Águas de Timon celebrou a conclusão das atividades do projeto Desvendar Esporte, patrocinado pela Águas de Timon, durante ação no...

Por Igor Gadelha, CNN

Laboratórios farmacêuticos têm sugerido ao governo brasileiro a criação de um fundo para bancar custos com eventuais ações judiciais decorrentes de reações adversas das vacinas contra a Covid-19.

As farmacêuticas também pretendem deixar claro, em cláusulas nos contratos com o governo, que não conhecem todos os riscos a longo prazo e que não serão responsáveis por reações adversas.

Há uma preocupação tanto das empresas quanto do Palácio do Planalto com possíveis questionamentos judiciais por parte da população que tomar a vacina e tiver alguma reação.

É nesse contexto que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem reforçado que a vacinação no Brasil não será obrigatória e defendido que o paciente assine um termo de responsabilidade dizendo estar ciente dos riscos.

A ideia do Planalto é fazer uma “comunicação clara” sobre a vacinação, expondo à população tudo o que se sabe e não se sabe em relação aos riscos e reações adversas dos imunizantes.

O governo, porém, é reticente à criação de um fundo. Auxiliares de Bolsonaro ponderam que isso demandaria a aprovação de uma PEC pelo Congresso e recursos da União em meio a um cenário fiscal ruim.