FMS alerta para a manutenção dos cuidados de prevenção contra a Covid-19

spot_img
Compartilhe:

As medidas de segurança e prevenção contra a Covid-19, já incorporadas à rotina da população, foram muito importantes para evitar a disseminação da doença e se mostram ainda muito necessárias. Os especialistas da Fundação Municipal de Saúde (FMS) alertam para que as pessoas continuem usando máscaras sempre que saírem de casa e mantenham o hábito de higienizar as mãos frequentemente, além de outros cuidados, como o distanciamento social sempre que possível.

O infectologista da FMS e membro do Centro de Operações em Emergência (COE) Walfrido Salmito, explica porque o uso de máscaras, principalmente, se mostrou extremamente eficaz no controle da doença. “A OMS e todas as outras autoridades demonstraram que o uso de máscaras especificamente e isoladamente é capaz de diminuir o número de infectados pela Covid-19. O instrumento retém as gotículas de saliva, principal via de propagação do novo coronavírus, impedindo a transmissão da doença”, disse Salmito, pedindo à população que mantenha o acessório em todas as situações, inclusive se já estiver doente.

O uso da máscara deve ainda seguir alguns cuidados, especialmente no momento de vestir e retirar o objeto, que deve ser feito após higienização das mãos. “Ela deve ficar ajustada ao rosto cobrindo totalmente a boca e o nariz, não devendo ser retirada para tossir, espirrar ou falar, além de ser trocada a cada duas horas ou quando estiver úmida”, orienta a gerente de Vigilância Sanitária da FMS, Jeanyne Seba.

O distanciamento entre pessoas em mais de um metro e meio, distância estimada de propagação de gotículas de saliva, também tem sido adotado e deve se manter em situações de potenciais aglomerações de pessoas, como filas e cadeiras em locais públicos. A população deve ainda priorizar locais bem ventilados ou abertos, caso precise sair de casa.

Outra medida eficaz é o uso de álcool ou água e sabão para a higienização constante das mãos, especialmente antes de levá-las ao nariz, boca ou olhos. O sabão se mostra eficaz no combate à doença porque sua molécula dissolve os envelopes de gordura que envolve os vírus, rompendo-os. Assim, eles perdem sua proteção e são eliminados. Já o álcool na concentração 70% desidrata os vírus quase que imediatamente.

Walfrido Salmito ressalta que a manutenção destes hábitos permitirá que Teresina evite o aumento do número de casos. “Temos visto que em alguns países do mundo está acontecendo uma segunda onda de Covid, com muitos óbitos. Por isso pedimos a colaboração de todos para que isso não aconteça na nossa cidade. Tudo depende do nosso comportamento”, ressalta o infectologista.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Aeroporto de Teresina completa 55 anos

O Aeroporto de Teresina (THE) completa 55 anos nesta sexta-feira, dia 30 de setembro. Localizado na capital do Piauí, ele é a principal porta...

Três dicas para evitar o estresse na hora de encarar o trânsito

Por Elainy Castro Buzinas, xingamentos, motoristas imprudentes, muita gente nos horários de pico, pedestres que atravessam fora da faixa, acidentes… isso e muito mais você...

Em prestigiada reunião, Cláudia Coutinho diz que será deputada para ajudar Timon e o Maranhão

Em prestigiadíssima reunião política, ontem no Mabelu Buffett, em Timon patrocinada pelo vereador Helber Guimarães e seu grupo de apoiadores e aliados na cidade,...
As medidas de segurança e prevenção contra a Covid-19, já incorporadas à rotina da população, foram muito importantes para evitar a disseminação da doença e se mostram ainda muito necessárias. Os especialistas da Fundação Municipal de Saúde (FMS) alertam para que as pessoas continuem usando máscaras sempre que saírem de casa e mantenham o hábito de higienizar as mãos frequentemente, além de outros cuidados, como o distanciamento social sempre que possível. O infectologista da FMS e membro do Centro de Operações em Emergência (COE) Walfrido Salmito, explica porque o uso de máscaras, principalmente, se mostrou extremamente eficaz no controle da doença. “A OMS e todas as outras autoridades demonstraram que o uso de máscaras especificamente e isoladamente é capaz de diminuir o número de infectados pela Covid-19. O instrumento retém as gotículas de saliva, principal via de propagação do novo coronavírus, impedindo a transmissão da doença”, disse Salmito, pedindo à população que mantenha o acessório em todas as situações, inclusive se já estiver doente. O uso da máscara deve ainda seguir alguns cuidados, especialmente no momento de vestir e retirar o objeto, que deve ser feito após higienização das mãos. “Ela deve ficar ajustada ao rosto cobrindo totalmente a boca e o nariz, não devendo ser retirada para tossir, espirrar ou falar, além de ser trocada a cada duas horas ou quando estiver úmida”, orienta a gerente de Vigilância Sanitária da FMS, Jeanyne Seba. O distanciamento entre pessoas em mais de um metro e meio, distância estimada de propagação de gotículas de saliva, também tem sido adotado e deve se manter em situações de potenciais aglomerações de pessoas, como filas e cadeiras em locais públicos. A população deve ainda priorizar locais bem ventilados ou abertos, caso precise sair de casa. Outra medida eficaz é o uso de álcool ou água e sabão para a higienização constante das mãos, especialmente antes de levá-las ao nariz, boca ou olhos. O sabão se mostra eficaz no combate à doença porque sua molécula dissolve os envelopes de gordura que envolve os vírus, rompendo-os. Assim, eles perdem sua proteção e são eliminados. Já o álcool na concentração 70% desidrata os vírus quase que imediatamente. Walfrido Salmito ressalta que a manutenção destes hábitos permitirá que Teresina evite o aumento do número de casos. “Temos visto que em alguns países do mundo está acontecendo uma segunda onda de Covid, com muitos óbitos. Por isso pedimos a colaboração de todos para que isso não aconteça na nossa cidade. Tudo depende do nosso comportamento”, ressalta o infectologista.