FMS alerta para a manutenção dos cuidados de prevenção contra a Covid-19

spot_img
Compartilhe:

As medidas de segurança e prevenção contra a Covid-19, já incorporadas à rotina da população, foram muito importantes para evitar a disseminação da doença e se mostram ainda muito necessárias. Os especialistas da Fundação Municipal de Saúde (FMS) alertam para que as pessoas continuem usando máscaras sempre que saírem de casa e mantenham o hábito de higienizar as mãos frequentemente, além de outros cuidados, como o distanciamento social sempre que possível.

O infectologista da FMS e membro do Centro de Operações em Emergência (COE) Walfrido Salmito, explica porque o uso de máscaras, principalmente, se mostrou extremamente eficaz no controle da doença. “A OMS e todas as outras autoridades demonstraram que o uso de máscaras especificamente e isoladamente é capaz de diminuir o número de infectados pela Covid-19. O instrumento retém as gotículas de saliva, principal via de propagação do novo coronavírus, impedindo a transmissão da doença”, disse Salmito, pedindo à população que mantenha o acessório em todas as situações, inclusive se já estiver doente.

O uso da máscara deve ainda seguir alguns cuidados, especialmente no momento de vestir e retirar o objeto, que deve ser feito após higienização das mãos. “Ela deve ficar ajustada ao rosto cobrindo totalmente a boca e o nariz, não devendo ser retirada para tossir, espirrar ou falar, além de ser trocada a cada duas horas ou quando estiver úmida”, orienta a gerente de Vigilância Sanitária da FMS, Jeanyne Seba.

O distanciamento entre pessoas em mais de um metro e meio, distância estimada de propagação de gotículas de saliva, também tem sido adotado e deve se manter em situações de potenciais aglomerações de pessoas, como filas e cadeiras em locais públicos. A população deve ainda priorizar locais bem ventilados ou abertos, caso precise sair de casa.

Outra medida eficaz é o uso de álcool ou água e sabão para a higienização constante das mãos, especialmente antes de levá-las ao nariz, boca ou olhos. O sabão se mostra eficaz no combate à doença porque sua molécula dissolve os envelopes de gordura que envolve os vírus, rompendo-os. Assim, eles perdem sua proteção e são eliminados. Já o álcool na concentração 70% desidrata os vírus quase que imediatamente.

Walfrido Salmito ressalta que a manutenção destes hábitos permitirá que Teresina evite o aumento do número de casos. “Temos visto que em alguns países do mundo está acontecendo uma segunda onda de Covid, com muitos óbitos. Por isso pedimos a colaboração de todos para que isso não aconteça na nossa cidade. Tudo depende do nosso comportamento”, ressalta o infectologista.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Ingrediente naturais são saudáveis para os cuidados com a pele   

Segundo especialista, para melhores resultados, o uso de produtos naturais na pele e nos cabelos deve ser conciliado à dieta   Os cuidados com a saúde...

Aulas na Rede Estadual iniciam nas 19 Unidades Regionais de Educação do Maranhão

Nesta segunda-feira (6), estudantes da Rede Estadual nas 19 Unidades Regionais de Educação do Maranhão retornaram às salas de aula. Para fortalecer as estratégias...

Projeto de Lei do deputado Rafael assegura acesso a medicamentos à base de canabidiol e similares

O Projeto de Lei 01/2023, de autoria do deputado Rafael, assegura o acesso a medicamentos à base de canabidiol (CBD) e tetrahidrocanabinol (THC) “às...
As medidas de segurança e prevenção contra a Covid-19, já incorporadas à rotina da população, foram muito importantes para evitar a disseminação da doença e se mostram ainda muito necessárias. Os especialistas da Fundação Municipal de Saúde (FMS) alertam para que as pessoas continuem usando máscaras sempre que saírem de casa e mantenham o hábito de higienizar as mãos frequentemente, além de outros cuidados, como o distanciamento social sempre que possível. O infectologista da FMS e membro do Centro de Operações em Emergência (COE) Walfrido Salmito, explica porque o uso de máscaras, principalmente, se mostrou extremamente eficaz no controle da doença. “A OMS e todas as outras autoridades demonstraram que o uso de máscaras especificamente e isoladamente é capaz de diminuir o número de infectados pela Covid-19. O instrumento retém as gotículas de saliva, principal via de propagação do novo coronavírus, impedindo a transmissão da doença”, disse Salmito, pedindo à população que mantenha o acessório em todas as situações, inclusive se já estiver doente. O uso da máscara deve ainda seguir alguns cuidados, especialmente no momento de vestir e retirar o objeto, que deve ser feito após higienização das mãos. “Ela deve ficar ajustada ao rosto cobrindo totalmente a boca e o nariz, não devendo ser retirada para tossir, espirrar ou falar, além de ser trocada a cada duas horas ou quando estiver úmida”, orienta a gerente de Vigilância Sanitária da FMS, Jeanyne Seba. O distanciamento entre pessoas em mais de um metro e meio, distância estimada de propagação de gotículas de saliva, também tem sido adotado e deve se manter em situações de potenciais aglomerações de pessoas, como filas e cadeiras em locais públicos. A população deve ainda priorizar locais bem ventilados ou abertos, caso precise sair de casa. Outra medida eficaz é o uso de álcool ou água e sabão para a higienização constante das mãos, especialmente antes de levá-las ao nariz, boca ou olhos. O sabão se mostra eficaz no combate à doença porque sua molécula dissolve os envelopes de gordura que envolve os vírus, rompendo-os. Assim, eles perdem sua proteção e são eliminados. Já o álcool na concentração 70% desidrata os vírus quase que imediatamente. Walfrido Salmito ressalta que a manutenção destes hábitos permitirá que Teresina evite o aumento do número de casos. “Temos visto que em alguns países do mundo está acontecendo uma segunda onda de Covid, com muitos óbitos. Por isso pedimos a colaboração de todos para que isso não aconteça na nossa cidade. Tudo depende do nosso comportamento”, ressalta o infectologista.