Fusão de PSB/PDT coloca no mesmo palanque adversários no Maranhão e em Timon

spot_img
Compartilhe:

A ideia e a possiblidade de fusão ou formação de uma federação entre os partidos PSB e o PDT, que volta a ser discutida, após o encolhimento dos dois partidos com o resultado das eleições deste ano, deverá causar a volta de adversários políticos na eleição de 2 outubro juntos em só palanque em 2024.

Por exemplo, o senador Weverton Rocha (PDT), que perdeu a eleição para governador e se tornou adversário do atual governador Carlos Brandão e do senador eleito Flávio Dino, ambos do PSB, retornariam, com a junção dos partidos, a ocupar o mesmo palanque a partir das disputas nos municípios em 2024.

Leitoas juntos!?

No caso de Timon, por exemplo, a junção entre o PSB/PDT traria de volta a disputa centralizada ou monopolizada pela família Leitoa com Luciano Leitoa, que perdeu a eleição de deputado estadual pelo PDT se juntando politicamente a Rafael Leitoa, que acabou de vencer a eleição para deputado estadual pelo PSB, antigo partido de seu primo e de sua família.

Rafael não acredita na fusão antes da eleição para prefeito

Não há sentimento, diz deputado 

Sobre a assunto, conversamos com o deputado Rafael Leitoa (PSB) e ele foi econômico com as palavras sobre a possibilidade de junção dos dois partidos até pelos efeitos que essa fusão pode causar em Timon: “Creio que não há sentimento de federação , pelo menos nos próximos anos!”, disse o deputado timonense.

Uilma diz que PDT que ser agarrar em qualquer possibilidade

O PDT que se agarrar, diz Uilma 

Já o presidente da Câmara, Uilma Resende um dos principais articuladores do deputado Rafael Leitoa e que acompanhou  todos suas decisões de rompimento politico com a família Leitoa e o ingresso do deputado no PSB disse que: “Analisando rápido e friamente tem dois aspectos, no geral o PDT realmente se apequenou em todos os sentidos, não se posicionou a favor de Ciro, caso claro o do Maranhão onde o vice e o senador da chapa de Wrverton 12 eram indicações do Bozo (presidente Bolsonaro), em resumo com a diminuição em números eleitorais e ideológicos, o PDT, me passa a impressão que o partido está procurando em quem se agarrar. Pra nós, no Maranhão e em especial Timon não é positivo.
Mas isso é uma análise preliminar, mas na frente tenho uma posição mais clara”, disse Uilma que foi eleito pelo PDT e permanece no partido.

Segundo uma liderança do PSB no Piauí, essa posição de fusão ou federação é iminente. Primeiro pela diminuição das bancadas partidárias e depois, segundo ele, caso Bolsonaro  seja reeleito presidente, isso será definitivo a fusão dos dois partidos.

Após a eleição, o PSB e o PDT cogitam retomar conversas com o objetivo de se fundirem em uma só legenda ou mesmo formar uma federação. Integrantes das duas siglas têm falado no assunto, e sinalização é de interesse em conversar, já que os dois partidos tiveram suas bancadas diminuídas na Câmara e, por consequência, terão também reduzidos o que recebem do fundo partidário.

O PSB, que tem o ex-governador Geraldo Alckmin (SP) como vice na chapa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), conseguiu eleger 14 deputados, menos da metade do resultado que obteve em 2018, quando fez 32 deputados. Já o PDT, por sua vez, elegeu 17, dois a menos do que conseguiu na eleição passada. Com isso, passam a ter direito ao fundo partidário menor, proporcional à bancada que tomará posse no dia 1º de fevereiro.

Acompanhe o que diz a imprensa:

PSB e PDT discutem bloco partidário como embrião de federação

APÓS DEFINHAREM NA CÂMARA, PSB E PDT COGITAM FUSÃO

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Glossário Doce: Demerara, mascavo, refinado, cristal, de coco… conheça as diferenças entre os vários tipos de açúcar

Por Elainy Castro Lá está você, passando pelo corredor onde fica o açúcar, no supermercado e se depara com várias opções: açúcar refinado, demerara, cristal,...

SEMDES: Cras Vila João Reis reúne gestantes para entrega de enxovais e palestra interativa

Na ultima sexta-feira (02), a equipe do Centro de Referência de Assistência Social (Cras) João Reis reuniu as gestantes para um momento de descontração...

Vacinação de Natal atrai público para prevenção contra Influenza e Covid-19

Com o objetivo de ampliar a cobertura vacinal, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) realizou mais uma estratégia para avançar na vacinação dos...
A ideia e a possiblidade de fusão ou formação de uma federação entre os partidos PSB e o PDT, que volta a ser discutida, após o encolhimento dos dois partidos com o resultado das eleições deste ano, deverá causar a volta de adversários políticos na eleição de 2 outubro juntos em só palanque em 2024. Por exemplo, o senador Weverton Rocha (PDT), que perdeu a eleição para governador e se tornou adversário do atual governador Carlos Brandão e do senador eleito Flávio Dino, ambos do PSB, retornariam, com a junção dos partidos, a ocupar o mesmo palanque a partir das disputas nos municípios em 2024.

Leitoas juntos!?

No caso de Timon, por exemplo, a junção entre o PSB/PDT traria de volta a disputa centralizada ou monopolizada pela família Leitoa com Luciano Leitoa, que perdeu a eleição de deputado estadual pelo PDT se juntando politicamente a Rafael Leitoa, que acabou de vencer a eleição para deputado estadual pelo PSB, antigo partido de seu primo e de sua família.
Rafael não acredita na fusão antes da eleição para prefeito

Não há sentimento, diz deputado 

Sobre a assunto, conversamos com o deputado Rafael Leitoa (PSB) e ele foi econômico com as palavras sobre a possibilidade de junção dos dois partidos até pelos efeitos que essa fusão pode causar em Timon: "Creio que não há sentimento de federação , pelo menos nos próximos anos!", disse o deputado timonense.
Uilma diz que PDT que ser agarrar em qualquer possibilidade

O PDT que se agarrar, diz Uilma 

Já o presidente da Câmara, Uilma Resende um dos principais articuladores do deputado Rafael Leitoa e que acompanhou  todos suas decisões de rompimento politico com a família Leitoa e o ingresso do deputado no PSB disse que: "Analisando rápido e friamente tem dois aspectos, no geral o PDT realmente se apequenou em todos os sentidos, não se posicionou a favor de Ciro, caso claro o do Maranhão onde o vice e o senador da chapa de Wrverton 12 eram indicações do Bozo (presidente Bolsonaro), em resumo com a diminuição em números eleitorais e ideológicos, o PDT, me passa a impressão que o partido está procurando em quem se agarrar. Pra nós, no Maranhão e em especial Timon não é positivo. Mas isso é uma análise preliminar, mas na frente tenho uma posição mais clara", disse Uilma que foi eleito pelo PDT e permanece no partido. Segundo uma liderança do PSB no Piauí, essa posição de fusão ou federação é iminente. Primeiro pela diminuição das bancadas partidárias e depois, segundo ele, caso Bolsonaro  seja reeleito presidente, isso será definitivo a fusão dos dois partidos. Após a eleição, o PSB e o PDT cogitam retomar conversas com o objetivo de se fundirem em uma só legenda ou mesmo formar uma federação. Integrantes das duas siglas têm falado no assunto, e sinalização é de interesse em conversar, já que os dois partidos tiveram suas bancadas diminuídas na Câmara e, por consequência, terão também reduzidos o que recebem do fundo partidário. O PSB, que tem o ex-governador Geraldo Alckmin (SP) como vice na chapa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), conseguiu eleger 14 deputados, menos da metade do resultado que obteve em 2018, quando fez 32 deputados. Já o PDT, por sua vez, elegeu 17, dois a menos do que conseguiu na eleição passada. Com isso, passam a ter direito ao fundo partidário menor, proporcional à bancada que tomará posse no dia 1º de fevereiro. Acompanhe o que diz a imprensa:

PSB e PDT discutem bloco partidário como embrião de federação

APÓS DEFINHAREM NA CÂMARA, PSB E PDT COGITAM FUSÃO