Guardas Municipais fazem ato protocolar para que prefeita Dinair Veloso atenda a categoria

spot_img
Compartilhe:

O sindicato protocolou mais um ofício em que solicita à prefeita Dinair que ela receba a categoria.

Um ato protocolar público e pacífico foi realizado hoje, 16, na sede da Prefeitura de Timon pelo Sindicato da Guarda Civil Municipal de Timon, que desde o ano passado entrou com inúmeros pedidos e solicitações, através de ofícios, para que a prefeita de Timon possa abrir um canal de diálogo para discussões de melhores condições salariais e de trabalho para a categoria.

De acordo com a presidente do sindicato, Rejane Almeida, o último reajuste concedido para a categoria foi em 2019 em valor de aumento para a alimentação dos guardas municipais. Na época diz a presidente da entidade o valor destinado foi de 198 reais suficientes para que os guardas comprassem um quentinha por 8 reais, de lá para cá, adverte Rejane os guardas não tiveram qualquer reajuste e levando em consideração o valor de uma quentinha hoje entre: 15 e 18 reais, o valor está totalmente defasado, acrescenta.

Outras situações também foram relatadas pelos Guardas Municipais, que após protocolarem mais um ofício solicitando audiência com a prefeita Dinair Veloso, marcharam rumo à Câmara onde foram recebidos por vereadores de oposição e governo capitaneados pelo presidente da Casa Uilma Resende. Em relatos aos vereadores os guardas municipais e representantes do sindicato disseram que, além da questão salarial defasada, os guardas são obrigadas a pagar do próprio bolso alguns equipamentos de segurança como coldres e coletes, além de outros e segundo a presidente, muitos dos equipamentos de trabalho ou que são usados pelos guardas no comando da tropa foram doados pelo sindicato.

O presidente da Câmara disse aos guardas municipais e seus representantes, que a Câmara está aberta à causa da categoria e solicitou dados da luta dos guardas e precedência das decisões em outros municípios para que o legislativo possa ter como base e apresentar numa proposta conjunta ao Executivo. Uilma reafirmou o compromisso com a guarda e disse não entender algumas das questões inclusive apresentadas por ele e que foram questionadas pelos vereadores governistas presentes que afirmaram o a execução no orçamento passada para a Secretaria de Segurança Municipal de 4 milhões a mais no valor previsto para 2021. “Não entendi como o orçamento da secretaria no ano foi de 4 milhões há mais, numa secretaria que não tem dez e não atenderam nenhum dos pleitos aqui relatados pela Guarda Municipal, por isso e que agora queremos saber para onde foi esse dinheiro”, disse Uilma.

Logo pela manhã, a presidente Rejane Almeida teve uma conversa com o vice-líder do governo da Câmara Jair Mayner e o mesmo após relato da presidente sobre o ato, disse que o sindicato estava politizando suas ações. Rejane disse que estão lutando por uma causa classista e que não tem interferência politica.

Alguns vereadores governistas presentes ao ato, fizeram questão de reconhecer o trabalho da guarda e afirmaram apoio à causa da categoria.

Veja a entrevista da presidente do Sindicato Rejane Almeida.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Mercado de trabalho: Programa de Trainee Aegea está com inscrições abertas para Timon

Os interessados podem se inscrever até o dia 24 de outubro, de forma on-line A Aegea, empresa líder no setor de saneamento privado no Brasil,...

Carlos Brandão é reeleito governador, Timon terá dois deputados e Leitoas saem enfraquecidos do pleito

O governador Carlos Brandão liderou a disputa em primeiro turno pelo governo do Maranhão a partir das primeiras urnas abertas ontem, às 18h, até...

Águas de Timon celebra conclusão do projeto Desvendar Esporte

Nesta quinta-feira (29), a Águas de Timon celebrou a conclusão das atividades do projeto Desvendar Esporte, patrocinado pela Águas de Timon, durante ação no...

O sindicato protocolou mais um ofício em que solicita à prefeita Dinair que ela receba a categoria.

Um ato protocolar público e pacífico foi realizado hoje, 16, na sede da Prefeitura de Timon pelo Sindicato da Guarda Civil Municipal de Timon, que desde o ano passado entrou com inúmeros pedidos e solicitações, através de ofícios, para que a prefeita de Timon possa abrir um canal de diálogo para discussões de melhores condições salariais e de trabalho para a categoria. De acordo com a presidente do sindicato, Rejane Almeida, o último reajuste concedido para a categoria foi em 2019 em valor de aumento para a alimentação dos guardas municipais. Na época diz a presidente da entidade o valor destinado foi de 198 reais suficientes para que os guardas comprassem um quentinha por 8 reais, de lá para cá, adverte Rejane os guardas não tiveram qualquer reajuste e levando em consideração o valor de uma quentinha hoje entre: 15 e 18 reais, o valor está totalmente defasado, acrescenta. Outras situações também foram relatadas pelos Guardas Municipais, que após protocolarem mais um ofício solicitando audiência com a prefeita Dinair Veloso, marcharam rumo à Câmara onde foram recebidos por vereadores de oposição e governo capitaneados pelo presidente da Casa Uilma Resende. Em relatos aos vereadores os guardas municipais e representantes do sindicato disseram que, além da questão salarial defasada, os guardas são obrigadas a pagar do próprio bolso alguns equipamentos de segurança como coldres e coletes, além de outros e segundo a presidente, muitos dos equipamentos de trabalho ou que são usados pelos guardas no comando da tropa foram doados pelo sindicato. O presidente da Câmara disse aos guardas municipais e seus representantes, que a Câmara está aberta à causa da categoria e solicitou dados da luta dos guardas e precedência das decisões em outros municípios para que o legislativo possa ter como base e apresentar numa proposta conjunta ao Executivo. Uilma reafirmou o compromisso com a guarda e disse não entender algumas das questões inclusive apresentadas por ele e que foram questionadas pelos vereadores governistas presentes que afirmaram o a execução no orçamento passada para a Secretaria de Segurança Municipal de 4 milhões a mais no valor previsto para 2021. "Não entendi como o orçamento da secretaria no ano foi de 4 milhões há mais, numa secretaria que não tem dez e não atenderam nenhum dos pleitos aqui relatados pela Guarda Municipal, por isso e que agora queremos saber para onde foi esse dinheiro", disse Uilma. Logo pela manhã, a presidente Rejane Almeida teve uma conversa com o vice-líder do governo da Câmara Jair Mayner e o mesmo após relato da presidente sobre o ato, disse que o sindicato estava politizando suas ações. Rejane disse que estão lutando por uma causa classista e que não tem interferência politica. Alguns vereadores governistas presentes ao ato, fizeram questão de reconhecer o trabalho da guarda e afirmaram apoio à causa da categoria. Veja a entrevista da presidente do Sindicato Rejane Almeida.