Juiz de Timon nega pedido dos 11 vereadores governistas que queriam receber seus subsídios de janeiro/22

spot_img
Compartilhe:

Os vereadores impetraram “mandado de segurança” para receber seus salários, mas o juiz entendeu que mandado não é uma “ação de cobrança”.

Os vereadores, acima, estiveram em visita ao Ministério Público, e agora foram em busca da Justiça para garantir o pagamento de seus salários: Ivan do Saborear, Vavá, Pedro Augusto, Celso Tacoani, Irmão Francisco, Thiago Carvalho, Chagas Cigarreiro, Jair Mayner, Coca do Matapasto e Helder Kaic.

Por entender que: “O mandado de segurança não é substitutivo de ação de cobrança”, o Juiz Welliton Carvalho, da Vara dos Feitos da Fazenda de Timon, indeferiu “A PEÇA INICIAL ante a inadequação da via eleita. “Por conseguinte DECLARO EXTINTO o presente Mandado de Segurança sem resolução do mérito”, em ação que os 11 vereadores da base governistas de Timon, “cobravam o pagamento de seus subsídios, que por Lei Municipal nº 2.203/2020 em valor de 12.500,00 (doze mil e quinhentos reais), mas que até a presente data, o presidente Uilma Resende ainda não havia providenciado do devido pagamento.

Essa é mais uma pendenga politica, que passou pelos trâmites administrativos e financeiros entre os poderes legislativo e executivo, que agora se transforma em briga judicial tendo como foco, no início deste ano a decisão do presidente da Casa Legislativa, que alegando falta de recursos, pagou parte dos salários dos vereadores (oposição), e não pagou os salários dos vereadores da base governista alegando que o munícipio não repassou dinheiro suficiente para suprir toda a folha de pagamento.

Veja a sentença do Juiz (Clique)

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Senhor dos Anéis: Moraes manda “CNN”, “Veja” e “GNews” quebrarem sigilo da fonte jornalística

O ministro quer quer o conteúdo das entrevistas com Marcos do Val sejam comparados ao depoimento dele à PF Os três veículos de imprensa...

Proposta de “oposição unida” em Timon terá que enfrentar o primeiro obstáculo: cargos

Nomeações para cargos em Timon deverá ser o primeiro desafio da proposta de união da oposição a começar pelos aliados do governador. Muito embora tenham...

Tudo o que os governistas de Timon não queriam, poderá acontecer em 2024. Oposição trabalha pela união

Oposição de Timon, realizou em São Luiz, ontem, a primeira reunião para tratar da união do grupo e vencer as eleições em 2024. Em reunião,...
Os vereadores impetraram "mandado de segurança" para receber seus salários, mas o juiz entendeu que mandado não é uma "ação de cobrança".
Os vereadores, acima, estiveram em visita ao Ministério Público, e agora foram em busca da Justiça para garantir o pagamento de seus salários: Ivan do Saborear, Vavá, Pedro Augusto, Celso Tacoani, Irmão Francisco, Thiago Carvalho, Chagas Cigarreiro, Jair Mayner, Coca do Matapasto e Helder Kaic.
Por entender que: "O mandado de segurança não é substitutivo de ação de cobrança", o Juiz Welliton Carvalho, da Vara dos Feitos da Fazenda de Timon, indeferiu "A PEÇA INICIAL ante a inadequação da via eleita. "Por conseguinte DECLARO EXTINTO o presente Mandado de Segurança sem resolução do mérito", em ação que os 11 vereadores da base governistas de Timon, "cobravam o pagamento de seus subsídios, que por Lei Municipal nº 2.203/2020 em valor de 12.500,00 (doze mil e quinhentos reais), mas que até a presente data, o presidente Uilma Resende ainda não havia providenciado do devido pagamento. Essa é mais uma pendenga politica, que passou pelos trâmites administrativos e financeiros entre os poderes legislativo e executivo, que agora se transforma em briga judicial tendo como foco, no início deste ano a decisão do presidente da Casa Legislativa, que alegando falta de recursos, pagou parte dos salários dos vereadores (oposição), e não pagou os salários dos vereadores da base governista alegando que o munícipio não repassou dinheiro suficiente para suprir toda a folha de pagamento. Veja a sentença do Juiz (Clique)