Juiz manda blogueiros retirarem postagens ofensivas contra Rosário Leal

spot_img
Compartilhe:

Em decisão proferida nesta terça (22), o juiz de Direito Dr. Manoel Felismino Gomes Neto deferiu a Ação Inibitória com Pedido de Tutela Antecipatória de Urgência ajuizada por Maria do Rosário de Fátima Nunes Leal em desfavor dos blogueiros Homero Furtado Lima Júnior e Milton Vieira de Araújo.

Após ter seu nome confirmado pelo prefeito Bruno Silva (PP), para voltar ao comando da Secretaria de Educação, Rosário Leal passou a ser vítima de ataques dos dois veículos de comunicação com motivação meramente politiqueira e ataques sucessivos a sua honra.

Na ação, Rosário requereu ainda que os dois blogueiros pudessem se abster de vincular (citar, transcrever, referenciar)) o nome e a imagem (fotografia, charge, desenho, etc) da parte autora em qualquer matéria publicada em seu blog, sob pena de pagamento de multa diária por publicação, revertido em favor da requerente.

Em sua decisão, o juiz deferiu o pedido e determinou que os dois réus procedessem a remoção das matérias anexadas no processo de seus respectivos blogs no prazo de 48 horas a contar da intimação, bem como retirem e se abstenham de publicar imagens e nomes da parte autora acompanhadas de matérias em suas páginas pessoais de internet (blog) que não tenham cunho meramente informativo, exceto se já apresentarem a necessária comprovação da veracidade dos fatos ali narrados, até o deslinde do feito, sob pena de multa diária no valor de R$ 500,00 (quinhentos reais), até o limite de R$ 30.000,00 (trinta mil reais), em caso de descumprimento ou atraso no cumprimento da diligência. Do portalgaditas.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Senhor dos Anéis: Moraes manda “CNN”, “Veja” e “GNews” quebrarem sigilo da fonte jornalística

O ministro quer quer o conteúdo das entrevistas com Marcos do Val sejam comparados ao depoimento dele à PF Os três veículos de imprensa...

Proposta de “oposição unida” em Timon terá que enfrentar o primeiro obstáculo: cargos

Nomeações para cargos em Timon deverá ser o primeiro desafio da proposta de união da oposição a começar pelos aliados do governador. Muito embora tenham...

Tudo o que os governistas de Timon não queriam, poderá acontecer em 2024. Oposição trabalha pela união

Oposição de Timon, realizou em São Luiz, ontem, a primeira reunião para tratar da união do grupo e vencer as eleições em 2024. Em reunião,...
Em decisão proferida nesta terça (22), o juiz de Direito Dr. Manoel Felismino Gomes Neto deferiu a Ação Inibitória com Pedido de Tutela Antecipatória de Urgência ajuizada por Maria do Rosário de Fátima Nunes Leal em desfavor dos blogueiros Homero Furtado Lima Júnior e Milton Vieira de Araújo. Após ter seu nome confirmado pelo prefeito Bruno Silva (PP), para voltar ao comando da Secretaria de Educação, Rosário Leal passou a ser vítima de ataques dos dois veículos de comunicação com motivação meramente politiqueira e ataques sucessivos a sua honra. Na ação, Rosário requereu ainda que os dois blogueiros pudessem se abster de vincular (citar, transcrever, referenciar)) o nome e a imagem (fotografia, charge, desenho, etc) da parte autora em qualquer matéria publicada em seu blog, sob pena de pagamento de multa diária por publicação, revertido em favor da requerente. Em sua decisão, o juiz deferiu o pedido e determinou que os dois réus procedessem a remoção das matérias anexadas no processo de seus respectivos blogs no prazo de 48 horas a contar da intimação, bem como retirem e se abstenham de publicar imagens e nomes da parte autora acompanhadas de matérias em suas páginas pessoais de internet (blog) que não tenham cunho meramente informativo, exceto se já apresentarem a necessária comprovação da veracidade dos fatos ali narrados, até o deslinde do feito, sob pena de multa diária no valor de R$ 500,00 (quinhentos reais), até o limite de R$ 30.000,00 (trinta mil reais), em caso de descumprimento ou atraso no cumprimento da diligência. Do portalgaditas.