Luciano Leitoa deixa grupo livre para o voto ao senado. Tanto Dino como Rocha, são vistos como traidores

spot_img
Compartilhe:

Ao deixar seus aliados livres e seu gado solto para o voto na chapa do governo municipal para a vaga de senador, Luciano Leitoa, candidato a uma das vagas para Assembleia Legislativa do Maranhão com foco em Timon a terceira maior cidade do Estado, dá um acesso ao ex-governador Flávio Dino, pensam alguns analistas políticos de Timon alvo de pedidos para essa análise.

Outros imaginam que, na verdade, o ex-prefeito na liberação do voto para senador, teme ser chamado de traidor, por ingratidão pelo grande volume de obras que Dino, quando governador, executou na cidade nos dois períodos em que ele foi prefeito da cidade, criando em Timon uma verdadeira apêndice do governo estadual comandada por Flavio Dino.

Já outros entendem que, em não declarar voto no candidato do senador Weverton Rocha, candidato a governador e amigo dele Luciano Leitoa, ele foge de um debate que suscita fatos políticos por ele narrados em que o próprio chamou o senador Roberto Rocha de traidor nos episódios provocados por Rocha dentro do PSB, que na época era dirigido por Luciano e até hoje tem chagas abertas.

Mas o pior mesmo, e esse deve ser o sentimento, entre um e outro, o que mais provocou desgaste ao ex-prefeito, embora tenha dado de bandeja obras para sua reeleição e eleição de sua candidata em 2020, foi o ex-governador Flávio Dino, que lhe tomou o partido, as forças politicas e o fez voltar para Timon e disputar um mandato a deputado estadual, que fugiu de todos os planos políticos do Grupo Leitoa, mas que agora se agarra com unhas e dentes na possibilidade de eleger um representante na Alema e manter viva as chamas de se manter no poder em 2024 em seu nicho eleitoral.

Se tudo der errado no dia 2 de outubro, ai sim, será uma salve-se quem puder!

É isso!

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Governador ministra aula de matemática durante abertura do ano letivo de 2023

Rafael Fonteles realizou, nesta segunda, dia 6, solenidade em Altos para marcar início das aulas da rede estadual de Educação. Para marcar o início...

Confira sete alimentos que promovem saciedade   

Nutricionista explica que escolher alimentos corretos traz saciedade e colabora com o emagrecimento saudável   Muitas pessoas iniciam o ano com o objetivo de adotar...

Ingrediente naturais são saudáveis para os cuidados com a pele   

Segundo especialista, para melhores resultados, o uso de produtos naturais na pele e nos cabelos deve ser conciliado à dieta   Os cuidados com a saúde...
Ao deixar seus aliados livres e seu gado solto para o voto na chapa do governo municipal para a vaga de senador, Luciano Leitoa, candidato a uma das vagas para Assembleia Legislativa do Maranhão com foco em Timon a terceira maior cidade do Estado, dá um acesso ao ex-governador Flávio Dino, pensam alguns analistas políticos de Timon alvo de pedidos para essa análise. Outros imaginam que, na verdade, o ex-prefeito na liberação do voto para senador, teme ser chamado de traidor, por ingratidão pelo grande volume de obras que Dino, quando governador, executou na cidade nos dois períodos em que ele foi prefeito da cidade, criando em Timon uma verdadeira apêndice do governo estadual comandada por Flavio Dino. Já outros entendem que, em não declarar voto no candidato do senador Weverton Rocha, candidato a governador e amigo dele Luciano Leitoa, ele foge de um debate que suscita fatos políticos por ele narrados em que o próprio chamou o senador Roberto Rocha de traidor nos episódios provocados por Rocha dentro do PSB, que na época era dirigido por Luciano e até hoje tem chagas abertas. Mas o pior mesmo, e esse deve ser o sentimento, entre um e outro, o que mais provocou desgaste ao ex-prefeito, embora tenha dado de bandeja obras para sua reeleição e eleição de sua candidata em 2020, foi o ex-governador Flávio Dino, que lhe tomou o partido, as forças politicas e o fez voltar para Timon e disputar um mandato a deputado estadual, que fugiu de todos os planos políticos do Grupo Leitoa, mas que agora se agarra com unhas e dentes na possibilidade de eleger um representante na Alema e manter viva as chamas de se manter no poder em 2024 em seu nicho eleitoral. Se tudo der errado no dia 2 de outubro, ai sim, será uma salve-se quem puder! É isso!