Mais de 2.200 mulheres em situação de violência receberam atendimento no CREG em Teresina

spot_img
Compartilhe:

“O centro não é um local de denúncia, mas sim de atendimento para que ela saia do ciclo de violência”, afirma a secretária da SMPM, Karla Berger.

Entre janeiro a novembro de 2021 foram realizados 2.274 atendimentos às mulheres em situação de violência doméstica, familiar e de gênero em Teresina. Os dados foram contabilizados pelo serviço Centro de Referência Esperança Garcia (CREG), que é vinculado à Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres (SMPM).

No CREG é feito atendimento às mulheres que vivem em situação de violência na capital. “O CREG é o local de apoio à mulher, onde ela pode encontrar atendimento jurídico, psicológico e social, para que ela consiga sair da situação de violência em que vive. O centro não é um local de denúncia, mas sim de atendimento para que ela saia do ciclo de violência”, afirma a secretária da SMPM, Karla Berger.

Ao longo do ano, foram acompanhadas 350 mulheres, das quais 264 foram inseridas pela primeira vez no serviço. A coordenadora do Creg, Roberta Mara, destaca que durante o ano foram realizadas diversas atividades que publicizaram  através do serviço – principalmente nas zonas rurais e mais afastadas do Centro. Além disso, as campanhas realizadas durante 2021, com enfoque nos meses de março, agosto e novembro provocaram um engajamento da sociedade e da mídia para falar desses temas.

Roberta pontua que o crescimento dos números de atendimentos é um indicativo positivo, uma vez que demonstra mais mulheres rompendo o ciclo de violência. Os atendimentos, que vão desde assistência jurídica, social e psicológica, ofertam Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (Pics) e cursos de capacitação profissional, podem ser acessados pelas mulheres durante o seu acompanhamento.

Em janeiro, assim que a nova gestão assumiu a pasta, o serviço apresentou 39 atendimentos, o que pode significar um silêncio das mulheres em situação de violência. Em contrapartida, o mês de novembro apresentou 215 atendimentos, quantidade quase dez vezes mais nos atendimentos.

Além disso, a pandemia da covid-19 demonstra seus impactos no número de atendimentos. Isso porque, com a flexibilização do isolamento social e acesso aos locais públicos, mais mulheres estão tendo conhecimento e acesso à rede de enfrentamento à violência.

“Constatamos um aumento considerável na procura do atendimento, pois as mulheres em situação de violência, se permitiram buscar ajuda, uma orientação, uma indicação, um atendimento profissional, muito antes de fazerem a denúncia”, frisa Roberta. “O CREG faz parte da rede de atendimento, e por isso acreditamos que as mulheres teresinenses sintam-se mais à vontade de nos procurarem”, reforçou a coordenadora, destacando que o Centro de Referência não atua como lugar de denúncia.

Sobre o CREG

O Centro de Referência da Mulher em Situação de Violência Esperança Garcia (CREG) atende mulheres em situação de violência doméstica, familiar e de gênero, residentes em Teresina, com idades de 18 a 59 anos. O espaço oferece assistência jurídica, social e psicológica, além de ofertar Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (Pics) e cursos de capacitação profissional.

As mulheres podem ser encaminhadas pela rede de enfrentamento a violência contra a mulher ou acessar diretamente o serviço. Além disso, as mulheres acompanhadas pelo CREG que possuem Medida Protetiva são monitoradas pela Guarda Maria da Penha, visando a sua proteção e contribui para o empoderamento da mesma

Onde encontrar o CREG?

Rua Benjamin Constant, 2170, Centro Norte.
Funcionamento: segunda a sexta, das 8h às 17h.
Fones (86) 3233 – 3798 e 99416 – 9451.

Onde denunciar?

Em Teresina as mulheres também podem procurar as Delegacias da Mulher localizadas nas regiões:
Centro Sul, (86) 3233-2323
Sudeste (86) 3220-3858
Norte (86) 3216-1572 e no (86) 99454-3940.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Carlos Brandão é reeleito governador, Timon terá dois deputados e Leitoas saem enfraquecidos do pleito

O governador Carlos Brandão liderou a disputa em primeiro turno pelo governo do Maranhão a partir das primeiras urnas abertas ontem, às 18h, até...

Águas de Timon celebra conclusão do projeto Desvendar Esporte

Nesta quinta-feira (29), a Águas de Timon celebrou a conclusão das atividades do projeto Desvendar Esporte, patrocinado pela Águas de Timon, durante ação no...

Aeroporto de Teresina completa 55 anos

O Aeroporto de Teresina (THE) completa 55 anos nesta sexta-feira, dia 30 de setembro. Localizado na capital do Piauí, ele é a principal porta...

"O centro não é um local de denúncia, mas sim de atendimento para que ela saia do ciclo de violência”, afirma a secretária da SMPM, Karla Berger.

Entre janeiro a novembro de 2021 foram realizados 2.274 atendimentos às mulheres em situação de violência doméstica, familiar e de gênero em Teresina. Os dados foram contabilizados pelo serviço Centro de Referência Esperança Garcia (CREG), que é vinculado à Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres (SMPM). No CREG é feito atendimento às mulheres que vivem em situação de violência na capital. “O CREG é o local de apoio à mulher, onde ela pode encontrar atendimento jurídico, psicológico e social, para que ela consiga sair da situação de violência em que vive. O centro não é um local de denúncia, mas sim de atendimento para que ela saia do ciclo de violência”, afirma a secretária da SMPM, Karla Berger. Ao longo do ano, foram acompanhadas 350 mulheres, das quais 264 foram inseridas pela primeira vez no serviço. A coordenadora do Creg, Roberta Mara, destaca que durante o ano foram realizadas diversas atividades que publicizaram  através do serviço – principalmente nas zonas rurais e mais afastadas do Centro. Além disso, as campanhas realizadas durante 2021, com enfoque nos meses de março, agosto e novembro provocaram um engajamento da sociedade e da mídia para falar desses temas. Roberta pontua que o crescimento dos números de atendimentos é um indicativo positivo, uma vez que demonstra mais mulheres rompendo o ciclo de violência. Os atendimentos, que vão desde assistência jurídica, social e psicológica, ofertam Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (Pics) e cursos de capacitação profissional, podem ser acessados pelas mulheres durante o seu acompanhamento. Em janeiro, assim que a nova gestão assumiu a pasta, o serviço apresentou 39 atendimentos, o que pode significar um silêncio das mulheres em situação de violência. Em contrapartida, o mês de novembro apresentou 215 atendimentos, quantidade quase dez vezes mais nos atendimentos. Além disso, a pandemia da covid-19 demonstra seus impactos no número de atendimentos. Isso porque, com a flexibilização do isolamento social e acesso aos locais públicos, mais mulheres estão tendo conhecimento e acesso à rede de enfrentamento à violência. “Constatamos um aumento considerável na procura do atendimento, pois as mulheres em situação de violência, se permitiram buscar ajuda, uma orientação, uma indicação, um atendimento profissional, muito antes de fazerem a denúncia”, frisa Roberta. “O CREG faz parte da rede de atendimento, e por isso acreditamos que as mulheres teresinenses sintam-se mais à vontade de nos procurarem”, reforçou a coordenadora, destacando que o Centro de Referência não atua como lugar de denúncia. Sobre o CREG O Centro de Referência da Mulher em Situação de Violência Esperança Garcia (CREG) atende mulheres em situação de violência doméstica, familiar e de gênero, residentes em Teresina, com idades de 18 a 59 anos. O espaço oferece assistência jurídica, social e psicológica, além de ofertar Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (Pics) e cursos de capacitação profissional. As mulheres podem ser encaminhadas pela rede de enfrentamento a violência contra a mulher ou acessar diretamente o serviço. Além disso, as mulheres acompanhadas pelo CREG que possuem Medida Protetiva são monitoradas pela Guarda Maria da Penha, visando a sua proteção e contribui para o empoderamento da mesma Onde encontrar o CREG? Rua Benjamin Constant, 2170, Centro Norte. Funcionamento: segunda a sexta, das 8h às 17h. Fones (86) 3233 – 3798 e 99416 – 9451. Onde denunciar? Em Teresina as mulheres também podem procurar as Delegacias da Mulher localizadas nas regiões: Centro Sul, (86) 3233-2323 Sudeste (86) 3220-3858 Norte (86) 3216-1572 e no (86) 99454-3940.