Operação da PF apurou irregularidades do Proaja em escritório profissional em Timon

spot_img
Compartilhe:

Em outra operação da Polícia Federal deflagrada esta semana, Timon é alvo da visita do órgão máximo de segurança do País.

Não que a cidade – como era citada antigamente como local violento, mas sim por conta de seus filhos ilustres figurarem em listas de mandatos de buscas e apreensões em operações constantes da PF e do Ministério Público Federal em busca de apurações de irregularidades com destinação, de uso e execução de recursos públicos federais.

No Fundeb, por exemplo, quando era secretária de Educação a atual prefeita Dinair Veloso, o prefeito Luciano Leitoa foi investigado e condenado juntamente com o chefe da quadrilha Luís Carlos Silva, da Locar Transportes, de desviar recursos da transporte escolar “Caminho da Escola”, do Ministério da Educação, e é apontado juntamente do LC, a devolver milhões de reais em recursos ao governo federal por conta de processos licitatórios fraudulentos.

A operação Topic, desencadeada pela Controladoria Geral em 2019, apontou uma série de falcatruas levando para a cadeia empresários e representantes das empresas envolvidas no roubo do dinheiro público destinado ao transporte de alunos da zona rural em vários municípios piauienses e Timon estava envolvida nesse desvio.

Novamente, agora em 2022, uma investigação para, à princípio, apurar desvio de recursos do Proaja, que tem a marca “Pro” de Rafael Fonteles, candidato do PT ao governador do Piaui, foi desencadeada na última sexta-feira, 02, tendo como alvo empresas credenciadas pelo programa para executar alfabetização, mas que segundo denúncia estava alfabetizando pessoas mortas e outras empresas não tinha comprovação de atividade educacional em seus registros junto à receita federal.

A visita a Timon, com condução coercitiva de um dos membros envolvidos na  ‘Operação Aquarela’, pegou um profissional liberal da cidade que tem passagens por vários órgãos do governo e grande influência em processos, até aqui nunca investigados. Ao prestar depoimento à Polícia Federal sobre sua robustez no processo de irregularidades investigados pela PF, o profissional conhecidíssimo em Timon, foi liberado e deve agora se manter alvo da operação com quebra de informações para constatar a veracidade de suas informações prestadas à PF, mas enquanto isso, vai ser difícil para investigado ficar transitando pela cidade exibindo com robustez carros de luxos e bancando uma vida, que aparente, gerava desconfiança em todos meios, ao final da investigação, que a ele seja possível demonstrar sua inocência em todo o processo, mas de quebra fica o posicionamento de que dinheiro público deve ser sempre, ganho, se ganho, mostrado de forma transparente e não forma abusiva para exatamente não criar desconfiança, como foi esse caso.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Glossário Doce: Demerara, mascavo, refinado, cristal, de coco… conheça as diferenças entre os vários tipos de açúcar

Por Elainy Castro Lá está você, passando pelo corredor onde fica o açúcar, no supermercado e se depara com várias opções: açúcar refinado, demerara, cristal,...

SEMDES: Cras Vila João Reis reúne gestantes para entrega de enxovais e palestra interativa

Na ultima sexta-feira (02), a equipe do Centro de Referência de Assistência Social (Cras) João Reis reuniu as gestantes para um momento de descontração...

Vacinação de Natal atrai público para prevenção contra Influenza e Covid-19

Com o objetivo de ampliar a cobertura vacinal, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) realizou mais uma estratégia para avançar na vacinação dos...
Em outra operação da Polícia Federal deflagrada esta semana, Timon é alvo da visita do órgão máximo de segurança do País. Não que a cidade - como era citada antigamente como local violento, mas sim por conta de seus filhos ilustres figurarem em listas de mandatos de buscas e apreensões em operações constantes da PF e do Ministério Público Federal em busca de apurações de irregularidades com destinação, de uso e execução de recursos públicos federais. No Fundeb, por exemplo, quando era secretária de Educação a atual prefeita Dinair Veloso, o prefeito Luciano Leitoa foi investigado e condenado juntamente com o chefe da quadrilha Luís Carlos Silva, da Locar Transportes, de desviar recursos da transporte escolar "Caminho da Escola", do Ministério da Educação, e é apontado juntamente do LC, a devolver milhões de reais em recursos ao governo federal por conta de processos licitatórios fraudulentos. A operação Topic, desencadeada pela Controladoria Geral em 2019, apontou uma série de falcatruas levando para a cadeia empresários e representantes das empresas envolvidas no roubo do dinheiro público destinado ao transporte de alunos da zona rural em vários municípios piauienses e Timon estava envolvida nesse desvio. Novamente, agora em 2022, uma investigação para, à princípio, apurar desvio de recursos do Proaja, que tem a marca "Pro" de Rafael Fonteles, candidato do PT ao governador do Piaui, foi desencadeada na última sexta-feira, 02, tendo como alvo empresas credenciadas pelo programa para executar alfabetização, mas que segundo denúncia estava alfabetizando pessoas mortas e outras empresas não tinha comprovação de atividade educacional em seus registros junto à receita federal. A visita a Timon, com condução coercitiva de um dos membros envolvidos na  'Operação Aquarela', pegou um profissional liberal da cidade que tem passagens por vários órgãos do governo e grande influência em processos, até aqui nunca investigados. Ao prestar depoimento à Polícia Federal sobre sua robustez no processo de irregularidades investigados pela PF, o profissional conhecidíssimo em Timon, foi liberado e deve agora se manter alvo da operação com quebra de informações para constatar a veracidade de suas informações prestadas à PF, mas enquanto isso, vai ser difícil para investigado ficar transitando pela cidade exibindo com robustez carros de luxos e bancando uma vida, que aparente, gerava desconfiança em todos meios, ao final da investigação, que a ele seja possível demonstrar sua inocência em todo o processo, mas de quebra fica o posicionamento de que dinheiro público deve ser sempre, ganho, se ganho, mostrado de forma transparente e não forma abusiva para exatamente não criar desconfiança, como foi esse caso.