Oposição contra-ataca à fala de secretário Saney e governo de Dinair sofre bombardeio

spot_img
Compartilhe:

Quem mais perde com essa polêmica é a prefeita Dinair Veloso, que é intitulada como “habilidosa”, mas até hoje ninguém sabe nada dessa característica política da prefeita de Timon.

Quando o secretário Saney Sampaio, da pasta de gestão de Governo da Prefeita Dinair Veloso, resolveu gravar vídeo abrindo a “caixa de pandora” e destilando todo veneno do governo e de seus caprichosos mentores da gestão municipal em cima dos vereadores da oposição de Timon, culpando-os pelo fracasso do próprio governo, que não teve voto e nem força para articular a aprovação do orçamento 2022, o próprio governo não esperava que “beberia do seu próprio veneno”, pois o baiano Saney, talvez não fosse a pessoa mais indicada para fustigar os vereadores e muito menos para negociar com os edis opositores qualquer que seja a pauta, muito menos orçamento, dinheiro e finanças.

O primeiro contra-ataque veio do presidente da Casa, Uilma Resende, que bem ao seu estilo de ex-aliado do atual grupo de poder em Timon, não precisou falar muito para mostrar à população quem é Saney Santos Sampaio e segundo ele, basta uma pesquisa digitando seu nome no site jusbrasil.com.br. Quanto às acusações do secretário, Uilma disse que o governo tenta a todo custo culpar os vereadores pela “tragédia da rejeição do orçamento”, e que como pode o secretário afirmar que o governo vai atrasar salários esse ano por conta da rejeição do LOA 2022. Segundo Uilma, como atrasar salários e usar isso como justificativa se no ano passado o governo, através da empresa terceirizada atrasou até  quatro meses de salários.

Vereadores de oposição: Saney se acovardou. Kaká do Frigo Sá foi mais longe

Outra pancada forte veio dos vereadores de oposição, que hoje, no pátio do estacionamento da Câmara de Timon confrontaram o secretário Saney Sampaio a dizer o nome do vereador de oposição que está pedindo propina para votar o orçamento do jeito que quer o governo em nova proposta enviada à Câmara. O secretário durante o vídeo que circula nas redes sociais desconversou e segundo os vereadores presentes ao confronto: Ulysses Waquim, Jorge Passos, Professora Vanda e Kaká do Frigosá.

Mais tarde, os vereadores de oposição estiveram na Delegacia da Polícia Federal, em Caxias, onde protocolaram uma “noticia crime” solicitando daquela instituição uma investigação sobre os recursos da Covid que foram enviados à Timon, tomando como base para essa investigação o relatório da CPI da Covid na Câmara que aponta várias irregularidades com os mais de 20 milhões de recursos destinados a Timon.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Glossário Doce: Demerara, mascavo, refinado, cristal, de coco… conheça as diferenças entre os vários tipos de açúcar

Por Elainy Castro Lá está você, passando pelo corredor onde fica o açúcar, no supermercado e se depara com várias opções: açúcar refinado, demerara, cristal,...

SEMDES: Cras Vila João Reis reúne gestantes para entrega de enxovais e palestra interativa

Na ultima sexta-feira (02), a equipe do Centro de Referência de Assistência Social (Cras) João Reis reuniu as gestantes para um momento de descontração...

Vacinação de Natal atrai público para prevenção contra Influenza e Covid-19

Com o objetivo de ampliar a cobertura vacinal, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) realizou mais uma estratégia para avançar na vacinação dos...

Quem mais perde com essa polêmica é a prefeita Dinair Veloso, que é intitulada como "habilidosa", mas até hoje ninguém sabe nada dessa característica política da prefeita de Timon.

Quando o secretário Saney Sampaio, da pasta de gestão de Governo da Prefeita Dinair Veloso, resolveu gravar vídeo abrindo a "caixa de pandora" e destilando todo veneno do governo e de seus caprichosos mentores da gestão municipal em cima dos vereadores da oposição de Timon, culpando-os pelo fracasso do próprio governo, que não teve voto e nem força para articular a aprovação do orçamento 2022, o próprio governo não esperava que "beberia do seu próprio veneno", pois o baiano Saney, talvez não fosse a pessoa mais indicada para fustigar os vereadores e muito menos para negociar com os edis opositores qualquer que seja a pauta, muito menos orçamento, dinheiro e finanças. O primeiro contra-ataque veio do presidente da Casa, Uilma Resende, que bem ao seu estilo de ex-aliado do atual grupo de poder em Timon, não precisou falar muito para mostrar à população quem é Saney Santos Sampaio e segundo ele, basta uma pesquisa digitando seu nome no site jusbrasil.com.br. Quanto às acusações do secretário, Uilma disse que o governo tenta a todo custo culpar os vereadores pela "tragédia da rejeição do orçamento", e que como pode o secretário afirmar que o governo vai atrasar salários esse ano por conta da rejeição do LOA 2022. Segundo Uilma, como atrasar salários e usar isso como justificativa se no ano passado o governo, através da empresa terceirizada atrasou até  quatro meses de salários.

Vereadores de oposição: Saney se acovardou. Kaká do Frigo Sá foi mais longe

Outra pancada forte veio dos vereadores de oposição, que hoje, no pátio do estacionamento da Câmara de Timon confrontaram o secretário Saney Sampaio a dizer o nome do vereador de oposição que está pedindo propina para votar o orçamento do jeito que quer o governo em nova proposta enviada à Câmara. O secretário durante o vídeo que circula nas redes sociais desconversou e segundo os vereadores presentes ao confronto: Ulysses Waquim, Jorge Passos, Professora Vanda e Kaká do Frigosá. Mais tarde, os vereadores de oposição estiveram na Delegacia da Polícia Federal, em Caxias, onde protocolaram uma "noticia crime" solicitando daquela instituição uma investigação sobre os recursos da Covid que foram enviados à Timon, tomando como base para essa investigação o relatório da CPI da Covid na Câmara que aponta várias irregularidades com os mais de 20 milhões de recursos destinados a Timon.