Possível permanência no cargo de Flávio Dino é motivo de irritação politica de aliados

spot_img
Compartilhe:

A suposta intenção de Flávio Dino ficar até o final do mandato e no cargo de governador articular a eleição do sucessor em 2022, como vem sendo ventilada para setores da imprensa, não irrita somente o vice-governador Carlos Brandão, seu sucessor em primeira ordem política em caso de vacância. A sugestão irrita muita gente.

É claro que o primeiro reflexo direto é o no seu vice Carlos Brandão, que empunhou a bandeira política de pré-candidatura e não se sentirá à vontade com a decisão de permanência do chefe, mas a decisão respinga nos demais candidatos aliados do governo ou não.

Pois com a decisão, o governador espera estar, no cargo, conduzindo um nome novo capaz de unir sua base e aí onde está a irritação, não só de Brandão, pois o nome que o governador vem sugerindo é o do seu atual secretário de Educação, que recentemente filiou-se ao PT, que também desagrada o senador Weverton Rocha.

Talvez fosse isso que Flávio Dino, em suas reuniões com Brandão e Weverton tenha sugerido aos dois em caso da disputa ainda permanecer dividindo toda base.

Asseguram os mais próximos do governador que ele tem dito: “Se eu ficar no cargo, elejo qualquer um”.

Pode ser!

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Lula diz que Gleisi não será ministra e que só anuncia equipe após ser diplomado pelo TSE

Presidente eleito deu declarações onde atua equipe de transição; diplomação no TSE está marcada para 12 de dezembro. Lula disse que '80%' do ministério...

Promotor recomenda suspensão do show de João Gomes em Timon

Além do alto custo com contrato do cantor para os cofres do município, o promotor Sérgio Martins diz que a festa põe em risco...

Após 23 anos, médica Amariles Borba pede exoneração da FMS

A médica Amariles de Sousa Borba pediu exoneração da Fundação Municipal de Saúde (FMS), onde atuava há 23 anos e, atualmente, ocupava o cargo...
A suposta intenção de Flávio Dino ficar até o final do mandato e no cargo de governador articular a eleição do sucessor em 2022, como vem sendo ventilada para setores da imprensa, não irrita somente o vice-governador Carlos Brandão, seu sucessor em primeira ordem política em caso de vacância. A sugestão irrita muita gente. É claro que o primeiro reflexo direto é o no seu vice Carlos Brandão, que empunhou a bandeira política de pré-candidatura e não se sentirá à vontade com a decisão de permanência do chefe, mas a decisão respinga nos demais candidatos aliados do governo ou não. Pois com a decisão, o governador espera estar, no cargo, conduzindo um nome novo capaz de unir sua base e aí onde está a irritação, não só de Brandão, pois o nome que o governador vem sugerindo é o do seu atual secretário de Educação, que recentemente filiou-se ao PT, que também desagrada o senador Weverton Rocha. Talvez fosse isso que Flávio Dino, em suas reuniões com Brandão e Weverton tenha sugerido aos dois em caso da disputa ainda permanecer dividindo toda base. Asseguram os mais próximos do governador que ele tem dito: "Se eu ficar no cargo, elejo qualquer um". Pode ser!