“Primeiro-damo” de Timon “pega ar” com Vereadora de oposição

spot_img
Compartilhe:

O “primeiro-damo” – expressão usada na política, sem ofensas-, aos maridos das mulheres eleitas para cargos eletivos como governadores e prefeitos-, de Timon Antônio “Toim” Ferreira, “pegou ar” à princípio com a Vereadora Professora Vanda, de oposição, por ela ter usado o termo, numa rede social, mas depois, se adequando até a liturgia hipotética do cargo, acabou admitindo a possibilidade de um diálogo com a Vereadora para a solução do problema por ela abordado.

Ainda bem!

Quem entra pra política, não é obrigado, mas às vezes tem que conviver com determinadas situações incômodas.

 

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Lula diz que Gleisi não será ministra e que só anuncia equipe após ser diplomado pelo TSE

Presidente eleito deu declarações onde atua equipe de transição; diplomação no TSE está marcada para 12 de dezembro. Lula disse que '80%' do ministério...

Promotor recomenda suspensão do show de João Gomes em Timon

Além do alto custo com contrato do cantor para os cofres do município, o promotor Sérgio Martins diz que a festa põe em risco...

Após 23 anos, médica Amariles Borba pede exoneração da FMS

A médica Amariles de Sousa Borba pediu exoneração da Fundação Municipal de Saúde (FMS), onde atuava há 23 anos e, atualmente, ocupava o cargo...
O "primeiro-damo" - expressão usada na política, sem ofensas-, aos maridos das mulheres eleitas para cargos eletivos como governadores e prefeitos-, de Timon Antônio "Toim" Ferreira, "pegou ar" à princípio com a Vereadora Professora Vanda, de oposição, por ela ter usado o termo, numa rede social, mas depois, se adequando até a liturgia hipotética do cargo, acabou admitindo a possibilidade de um diálogo com a Vereadora para a solução do problema por ela abordado. Ainda bem! Quem entra pra política, não é obrigado, mas às vezes tem que conviver com determinadas situações incômodas.