Saque-aniversário do FGTS será extinto em março, diz ministro do Trabalho

spot_img
Compartilhe:

Segundo o ministro do Trabalho, modalidade que permite ao trabalhador fazer retiradas uma vez por ano será extinta em março

O saque-aniversário do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) será extinto a partir de março deste ano, de acordo com o ministro do Trabalho, Luiz Marinho, que também preside o Conselho Curador do FGTS. Disponível aos trabalhadores desde fevereiro de 2020, a modalidade que permite ao cotista sacar parte da parcela da conta do FGTS, anualmente, no seu mês de aniversário, foi responsável por injetar, aproximadamente, R$ 34 bilhões na economia em 2022.

A reunião do Conselho, que deverá pactuar a decisão sobre a suspensão do benefício, só deverá ocorrer em 21 de março. “Devermos acabar com esse formato de saque-aniversário. Os contratos que existem, não vamos criar distorção”, declarou o ministro do Trabalho, em entrevista, ontem, à GloboNews. As afirmações do ministro, que já havia mencionado o assunto no início deste mês — e depois recuou —, provocaram controvérsia.

O ministro também destacou um dos problemas que impedem a continuidade do serviço. De acordo com Marinho, trabalhadores reclamam que, uma vez realizado o saque-aniversário, os valores do FGTS ficam retidos por dois anos. Assim, caso o trabalhador seja demitido, poderá retirar apenas o valor referente à multa rescisória e não o valor integral da conta.

Além disso, ele lembrou que o FGTS também serve para conceder empréstimos a projetos de infraestrutura e para a construção da casa própria. Por conta disso, ele avaliou que o saque aniversário “enfraquece o fundo para investimento para gerar emprego”, pois sobram menos recursos para investimentos.

A declaração do ministro do Trabalho causou polêmica entre os sindicalistas. O FGTS é uma poupança aberta pela empresa em nome do trabalhador junto ao governo federal. Os recursos funcionam como uma garantia para protegê-lo em caso de demissão sem justa causa, pois, ao sair da empresa, terá acessos ao valor integral do depósito, além da multa rescisória.

O presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT) e do Sindicato dos Comerciários de São Paulo, Ricardo Patah, defende que a mudança seja discutida com os trabalhadores e suas centrais sindicais, mas concorda com avaliação de Marinho de que a retirada mensal contraria a destinação do fundo. ele destaca, porém, que a mudança não pode ocorrer de forma abrupta.

“Sou contra que o trabalhador retire o dinheiro do FGTS no seu aniversário. Até porque o espírito desse dinheiro é para investimento em casa e saneamento básico. Proponho que essa retirada dure mais um tempo. E depois seja cortada de vez”, ressaltou.

Miguel Torres, presidente da Força Sindical, diz que pensa diferente. “Sou a favor do saque-aniversário, porque os trabalhadores estão sacando um dinheiro parado que não está rendendo muita coisa. E quem saca são pessoas que estão com muitas dificuldades. Agora, eu sei também que o objetivo principal do FGTS é a casa própria, a infraestrutura. Mas defendemos que haja uma remuneração melhor para esse dinheiro que está parado lá”, avaliou.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

No mesmo dia: Reeleitos, Lira e Pacheco rompem com Bolsonaro, mas deixam recado ao STF

Colunista do jornal "O Globo" avalia que o pior cenário para o Supremo seria a vitória de Rogério Marinho. Mas reeleição de Lira e...

Suspensa eficácia de norma que exigia quórum qualificado para aprovação de leis em Timon

Por unanimidade, o Órgão Especial do TJMA deferiu, em parte, medida cautelar em Adin, determinando quórum de maioria de votos para aprovação de matéria...

Deputados Estaduais tomam posse para 20ª legislatura da Assembleia Legislativa do Maranhão

Os deputados eleitos para a 20ª legislatura da Assembleia Legislativa do Maranhão foram empossados na manhã desta quarta-feira (1º), no Plenário Nagib Haickel. O...

Segundo o ministro do Trabalho, modalidade que permite ao trabalhador fazer retiradas uma vez por ano será extinta em março

O saque-aniversário do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) será extinto a partir de março deste ano, de acordo com o ministro do Trabalho, Luiz Marinho, que também preside o Conselho Curador do FGTS. Disponível aos trabalhadores desde fevereiro de 2020, a modalidade que permite ao cotista sacar parte da parcela da conta do FGTS, anualmente, no seu mês de aniversário, foi responsável por injetar, aproximadamente, R$ 34 bilhões na economia em 2022.

A reunião do Conselho, que deverá pactuar a decisão sobre a suspensão do benefício, só deverá ocorrer em 21 de março. "Devermos acabar com esse formato de saque-aniversário. Os contratos que existem, não vamos criar distorção", declarou o ministro do Trabalho, em entrevista, ontem, à GloboNews. As afirmações do ministro, que já havia mencionado o assunto no início deste mês — e depois recuou —, provocaram controvérsia.

O ministro também destacou um dos problemas que impedem a continuidade do serviço. De acordo com Marinho, trabalhadores reclamam que, uma vez realizado o saque-aniversário, os valores do FGTS ficam retidos por dois anos. Assim, caso o trabalhador seja demitido, poderá retirar apenas o valor referente à multa rescisória e não o valor integral da conta.

Além disso, ele lembrou que o FGTS também serve para conceder empréstimos a projetos de infraestrutura e para a construção da casa própria. Por conta disso, ele avaliou que o saque aniversário "enfraquece o fundo para investimento para gerar emprego", pois sobram menos recursos para investimentos.

A declaração do ministro do Trabalho causou polêmica entre os sindicalistas. O FGTS é uma poupança aberta pela empresa em nome do trabalhador junto ao governo federal. Os recursos funcionam como uma garantia para protegê-lo em caso de demissão sem justa causa, pois, ao sair da empresa, terá acessos ao valor integral do depósito, além da multa rescisória.

O presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT) e do Sindicato dos Comerciários de São Paulo, Ricardo Patah, defende que a mudança seja discutida com os trabalhadores e suas centrais sindicais, mas concorda com avaliação de Marinho de que a retirada mensal contraria a destinação do fundo. ele destaca, porém, que a mudança não pode ocorrer de forma abrupta.

"Sou contra que o trabalhador retire o dinheiro do FGTS no seu aniversário. Até porque o espírito desse dinheiro é para investimento em casa e saneamento básico. Proponho que essa retirada dure mais um tempo. E depois seja cortada de vez", ressaltou.

Miguel Torres, presidente da Força Sindical, diz que pensa diferente. "Sou a favor do saque-aniversário, porque os trabalhadores estão sacando um dinheiro parado que não está rendendo muita coisa. E quem saca são pessoas que estão com muitas dificuldades. Agora, eu sei também que o objetivo principal do FGTS é a casa própria, a infraestrutura. Mas defendemos que haja uma remuneração melhor para esse dinheiro que está parado lá", avaliou.