Teste da linguinha: saiba por que ele é tão importante

spot_img
Compartilhe:

Por Elainy Castro.

Anquiloglossia. Nome difícil para algo popular e muito conhecido: a chamada “língua presa”, uma alteração no frênulo lingual que atrapalha o movimento do órgão muscular e que resulta em problemas na fala, na sucção, mastigação e no ato de engolir.

Em 2015, a médica Roberta Martinelli, durante o seu mestrado e doutorado, validou o protocolo de avaliação do frênulo da língua em bebês, o “Teste da Linguinha”. O exame é realizado no recém-nascido e integra a triagem neonatal dos primeiros dias de vida do bebê, que permite identificar alterações e, precocemente, indicar um tratamento para evitar maiores transtornos na vida da criança e dos pais.

COMO É FEITO O TESTE

A fonoaudióloga do Grupo Hapvida NotreDame Intermédica, Cilmara Moraes, explica que, na avaliação, o profissional observa o frênulo para avaliar se ele está ou não normal.

“O teste é realizado em algumas partes. A primeira delas é a avaliação anatomofuncional. Nela, nós conseguimos ver a postura dos lábios em repouso (se está fechado, entreaberto ou aberto) e a tendência do posicionamento da língua durante o choro. Com esse protocolo, vamos aplicando pontuações para chegarmos a um resultado concreto”, afirma.

A especialista esclarece, ainda, que é verificada a ponta da língua: se está arredondada, se tem uma fenda no ápice ou se ela tem formato de coração. “Nós avaliamos tudo isso e vemos, também, o frênulo em si. Observamos se é possível visualizá-lo facilmente ou se nós precisamos fazer alguma manobra. Vemos, ainda, a espessura e fixação no assoalho da boca. Outro fator que levamos em consideração é a sucção do bebê, tanto a nutritiva, que é a pega no seio materno, quanto a não nutritiva. Esta é feita colocando o dedo mínimo ou indicador enluvado na boquinha da criança e prestando atenção aos grupos de sucção, o canolamento da língua e a força feita pela criança. No protocolo, somos orientados, também, a fazer perguntas para a mãe, para saber como está sendo o intervalo de cada mamada e se a criança está saciando ou não”, relata.

Quanto aos resultados, Cilmara diz que existem três possibilidades: normal, duvidosa e alterada. Se o resultado está normal, a criança é liberada. Caso o resultado seja duvidoso, o novo teste é feito em 30 dias. E, se for constatada alguma alteração, o paciente é encaminhado para odontopediatra ou cirurgião pediatra, para tratamento especializado.

BENEFÍCIOS

A identificação precoce de alterações no funcionamento da região craniofacial permite que os pais busquem, o quanto antes, o tratamento adequado, garantindo mais qualidade de vida para a criança. “Entre os benefícios, está o fato de que o bebê vai conseguir ter uma boa pega e a mãe, amamentar corretamente. Nós sabemos que a amamentação exclusiva, nos primeiros meses da vida, é a melhor coisa para a vida de um recém-nascido. É no leite materno que se encontram todos os nutrientes que o bebê precisa para se desenvolver. A amamentação promove também o desenvolvimento craniofacial, com o crescimento da mandíbula e de todos os músculos e órgãos que compõem essa região”, finaliza.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Josimar do Maranhãozinho faz investida ao casal Assis e Janaína Ramos

A conversa proveitosa entre os três beneficia o suplente de deputado Henrique Junior em seu projeto de ser o próximo prefeito de Timon Um encontro...

Governo do Maranhão disponibiliza testagem da Covid-19 para moradores da Capital

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), disponibilizou o serviço de testagem para diagnóstico da Covid-19 à população...

Bronquite, laringite, sinusite? Pode ser adenovírus

Família de mais de 60 tipos de vírus costuma afetar crianças no final do ano; saiba como prevenir e tratar Por Elainy Castro Com a temporada...
Por Elainy Castro. Anquiloglossia. Nome difícil para algo popular e muito conhecido: a chamada “língua presa”, uma alteração no frênulo lingual que atrapalha o movimento do órgão muscular e que resulta em problemas na fala, na sucção, mastigação e no ato de engolir. Em 2015, a médica Roberta Martinelli, durante o seu mestrado e doutorado, validou o protocolo de avaliação do frênulo da língua em bebês, o “Teste da Linguinha”. O exame é realizado no recém-nascido e integra a triagem neonatal dos primeiros dias de vida do bebê, que permite identificar alterações e, precocemente, indicar um tratamento para evitar maiores transtornos na vida da criança e dos pais.

COMO É FEITO O TESTE

A fonoaudióloga do Grupo Hapvida NotreDame Intermédica, Cilmara Moraes, explica que, na avaliação, o profissional observa o frênulo para avaliar se ele está ou não normal. “O teste é realizado em algumas partes. A primeira delas é a avaliação anatomofuncional. Nela, nós conseguimos ver a postura dos lábios em repouso (se está fechado, entreaberto ou aberto) e a tendência do posicionamento da língua durante o choro. Com esse protocolo, vamos aplicando pontuações para chegarmos a um resultado concreto”, afirma. A especialista esclarece, ainda, que é verificada a ponta da língua: se está arredondada, se tem uma fenda no ápice ou se ela tem formato de coração. “Nós avaliamos tudo isso e vemos, também, o frênulo em si. Observamos se é possível visualizá-lo facilmente ou se nós precisamos fazer alguma manobra. Vemos, ainda, a espessura e fixação no assoalho da boca. Outro fator que levamos em consideração é a sucção do bebê, tanto a nutritiva, que é a pega no seio materno, quanto a não nutritiva. Esta é feita colocando o dedo mínimo ou indicador enluvado na boquinha da criança e prestando atenção aos grupos de sucção, o canolamento da língua e a força feita pela criança. No protocolo, somos orientados, também, a fazer perguntas para a mãe, para saber como está sendo o intervalo de cada mamada e se a criança está saciando ou não”, relata. Quanto aos resultados, Cilmara diz que existem três possibilidades: normal, duvidosa e alterada. Se o resultado está normal, a criança é liberada. Caso o resultado seja duvidoso, o novo teste é feito em 30 dias. E, se for constatada alguma alteração, o paciente é encaminhado para odontopediatra ou cirurgião pediatra, para tratamento especializado.

BENEFÍCIOS

A identificação precoce de alterações no funcionamento da região craniofacial permite que os pais busquem, o quanto antes, o tratamento adequado, garantindo mais qualidade de vida para a criança. “Entre os benefícios, está o fato de que o bebê vai conseguir ter uma boa pega e a mãe, amamentar corretamente. Nós sabemos que a amamentação exclusiva, nos primeiros meses da vida, é a melhor coisa para a vida de um recém-nascido. É no leite materno que se encontram todos os nutrientes que o bebê precisa para se desenvolver. A amamentação promove também o desenvolvimento craniofacial, com o crescimento da mandíbula e de todos os músculos e órgãos que compõem essa região”, finaliza.