Vereador Thiago Carvalho quer PF investigando fraude em seu CPF em solicitação de auxílio emergencial

spot_img
Compartilhe:

O vereador Thiago Carvalho (DEM) é uma das milhões de vítimas que tiveram o número de CPF usado de forma indevida para solicitar o pagamento do auxílio emergencial. O parlamentar descobriu a existência de um cadastro com seu nome após receber ‘prints’ enviados pelo presidente da Câmara Municipal de Timon, o vereador Uilma Resende, no WhatsApp privado de algumas pessoas.

“Fiquei sabendo dessa situação através dos prints encaminhados pelo vereador Uilma para algumas pessoas no privado. Nunca solicitei esse auxílio, e quem quiser pode verificar no site do DataPrev e ver que o benefício foi solicitado, porém lá consta que não foi aprovado e o dinheiro não foi recebido. Fico triste com essa tentativa de envolver meu nome em relação à má utilização do dinheiro público. Recentemente, tive minha foto utilizada em outro número de celular para dar golpes em pessoas. Isso tudo é muito lamentável”, afirma Thiago Carvalho.

Após ter conhecimento da existência do uso de seu CPF de forma indevida, o vereador Thiago Carvalho já fez o contato com o Ministério da Cidadania, por meio dos telefones 121 ou 0800-707-2003, para avisar que não foi ele quem fez o cadastro e que este CPF não é apto a receber, bloqueando qualquer possibilidade de andamento do processo de liberação do dinheiro junto à Caixa Econômica Federal.

“Vou solicitar ao presidente da Câmara que ele mesmo peça a polícia federal para investigar se eu solicitei auxílio emergencial. Não recebi nenhum recurso desta natureza e por isso mesmo não tenho nada a esconder”, argumenta Thiago Carvalho.

O Tribunal de Contas (TCU) consolidou o resultado das principais fiscalizações ao longo de 2020 nas ações de implementação e pagamento do auxílio emergencial. O documento aponta que os valores fraudados, cerca de R$ 54 bilhões, seriam suficientes para pagar o benefício de R$ 300 a 60 milhões de pessoas durante três meses.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Governador ministra aula de matemática durante abertura do ano letivo de 2023

Rafael Fonteles realizou, nesta segunda, dia 6, solenidade em Altos para marcar início das aulas da rede estadual de Educação. Para marcar o início...

Confira sete alimentos que promovem saciedade   

Nutricionista explica que escolher alimentos corretos traz saciedade e colabora com o emagrecimento saudável   Muitas pessoas iniciam o ano com o objetivo de adotar...

Ingrediente naturais são saudáveis para os cuidados com a pele   

Segundo especialista, para melhores resultados, o uso de produtos naturais na pele e nos cabelos deve ser conciliado à dieta   Os cuidados com a saúde...
O vereador Thiago Carvalho (DEM) é uma das milhões de vítimas que tiveram o número de CPF usado de forma indevida para solicitar o pagamento do auxílio emergencial. O parlamentar descobriu a existência de um cadastro com seu nome após receber ‘prints’ enviados pelo presidente da Câmara Municipal de Timon, o vereador Uilma Resende, no WhatsApp privado de algumas pessoas. “Fiquei sabendo dessa situação através dos prints encaminhados pelo vereador Uilma para algumas pessoas no privado. Nunca solicitei esse auxílio, e quem quiser pode verificar no site do DataPrev e ver que o benefício foi solicitado, porém lá consta que não foi aprovado e o dinheiro não foi recebido. Fico triste com essa tentativa de envolver meu nome em relação à má utilização do dinheiro público. Recentemente, tive minha foto utilizada em outro número de celular para dar golpes em pessoas. Isso tudo é muito lamentável”, afirma Thiago Carvalho. Após ter conhecimento da existência do uso de seu CPF de forma indevida, o vereador Thiago Carvalho já fez o contato com o Ministério da Cidadania, por meio dos telefones 121 ou 0800-707-2003, para avisar que não foi ele quem fez o cadastro e que este CPF não é apto a receber, bloqueando qualquer possibilidade de andamento do processo de liberação do dinheiro junto à Caixa Econômica Federal. “Vou solicitar ao presidente da Câmara que ele mesmo peça a polícia federal para investigar se eu solicitei auxílio emergencial. Não recebi nenhum recurso desta natureza e por isso mesmo não tenho nada a esconder”, argumenta Thiago Carvalho. O Tribunal de Contas (TCU) consolidou o resultado das principais fiscalizações ao longo de 2020 nas ações de implementação e pagamento do auxílio emergencial. O documento aponta que os valores fraudados, cerca de R$ 54 bilhões, seriam suficientes para pagar o benefício de R$ 300 a 60 milhões de pessoas durante três meses.