Protagonista do vexame seria o presidente da Câmara de Timon escolhido para a disputa pelo prefeito Luciano Leitoa

spot_img
Compartilhe:

Vocês já imaginaram o vereador Francisco Torres, um dos protagonistas da cena vexatória de troca de acusações e briga dentro do plenário da Câmara de Timon, como presidente da Casa? Não? Pois era isso que o prefeito Luciano Leitoa e sua base naquele poder, queriam e defendiam  quando o escolherem para ser o candidato do grupo em disputa com o candidato da oposição pela Mesa Diretora no ano passado.

O vexame poderia ser ainda maior não fosse a escolha do atual presidente Helber Guimarães, que assim como Raimundo da Ração também foi agredido verbalmente por Torres logo após o anúncio de sua derrota por um voto em fevereiro deste ano.

Na verdade, desde que saiu do G-12, grupo formado para vencer o governo na eleição da Câmara, para ser o candidato do governo na disputa pela Mesa, que Torres, antes combativo, brigão nos discursos e intransigente contra as mazelas administrativas do governo Leitoa, não é o mesmo.

Desde os primeiros dias de gestão da nova legislatura, Torres vem sofrendo uma espécie de isolamento do governo que só o quer por perto quando existe a instrução para agredir os seus antigos colegas de bancada.
Tudo isso, além de outros problemas de todas às ordens, tem mexido com o emocional do vereador e com sua postura e comportamento na Câmara.

Não estamos dizendo aqui que Raimundo da Ração, o outro protagonista das cenas de vexame, é um santo, mas ele teve mais motivos no atual mandato para perder as estribeiras que o Torres e fez do seu ofício de vereador, membro das comissões de Educação e Saúde, a forma ideal de demonstrar seu descontentamento com as ações da gestão Leitoa contra ele assim que deixou o governo para virar oposição.

Mas o blog, que enxerga nos políticos intenção para tudo, imagina que essa briga foi mais um fato criado para desviar a atenção da população dos escândalos que norteiam a gestão Leitoa, que durante a sessão da última quarta-feira, teve mais um fato revelado de favorecimento e beneficiamento de membro da família do líder do governo José Carlos Assunção, que segundo o presidente do CCJ, terá seu irmão convocado para prestar esclarecimentos sobre aluguéis camaradas da Imobiliária Carlos Fernandes Assunção com o governo liderado por seu irmão na Câmara.

Voltando ao caso da briga dos vereadores, caberá agora ao corregedor, Antunes Macedo que abriu procedimento para apurar e punir quem infringiu o código de ética e de posturas, ao blog, cabe o relato dos fatos e à população a análise para saber quem realmente tem capacidade para lhe representar naquela casa.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Ingrediente naturais são saudáveis para os cuidados com a pele   

Segundo especialista, para melhores resultados, o uso de produtos naturais na pele e nos cabelos deve ser conciliado à dieta   Os cuidados com a saúde...

Aulas na Rede Estadual iniciam nas 19 Unidades Regionais de Educação do Maranhão

Nesta segunda-feira (6), estudantes da Rede Estadual nas 19 Unidades Regionais de Educação do Maranhão retornaram às salas de aula. Para fortalecer as estratégias...

Projeto de Lei do deputado Rafael assegura acesso a medicamentos à base de canabidiol e similares

O Projeto de Lei 01/2023, de autoria do deputado Rafael, assegura o acesso a medicamentos à base de canabidiol (CBD) e tetrahidrocanabinol (THC) “às...
Vocês já imaginaram o vereador Francisco Torres, um dos protagonistas da cena vexatória de troca de acusações e briga dentro do plenário da Câmara de Timon, como presidente da Casa? Não? Pois era isso que o prefeito Luciano Leitoa e sua base naquele poder, queriam e defendiam  quando o escolherem para ser o candidato do grupo em disputa com o candidato da oposição pela Mesa Diretora no ano passado. O vexame poderia ser ainda maior não fosse a escolha do atual presidente Helber Guimarães, que assim como Raimundo da Ração também foi agredido verbalmente por Torres logo após o anúncio de sua derrota por um voto em fevereiro deste ano. Na verdade, desde que saiu do G-12, grupo formado para vencer o governo na eleição da Câmara, para ser o candidato do governo na disputa pela Mesa, que Torres, antes combativo, brigão nos discursos e intransigente contra as mazelas administrativas do governo Leitoa, não é o mesmo. Desde os primeiros dias de gestão da nova legislatura, Torres vem sofrendo uma espécie de isolamento do governo que só o quer por perto quando existe a instrução para agredir os seus antigos colegas de bancada. Tudo isso, além de outros problemas de todas às ordens, tem mexido com o emocional do vereador e com sua postura e comportamento na Câmara. Não estamos dizendo aqui que Raimundo da Ração, o outro protagonista das cenas de vexame, é um santo, mas ele teve mais motivos no atual mandato para perder as estribeiras que o Torres e fez do seu ofício de vereador, membro das comissões de Educação e Saúde, a forma ideal de demonstrar seu descontentamento com as ações da gestão Leitoa contra ele assim que deixou o governo para virar oposição. Mas o blog, que enxerga nos políticos intenção para tudo, imagina que essa briga foi mais um fato criado para desviar a atenção da população dos escândalos que norteiam a gestão Leitoa, que durante a sessão da última quarta-feira, teve mais um fato revelado de favorecimento e beneficiamento de membro da família do líder do governo José Carlos Assunção, que segundo o presidente do CCJ, terá seu irmão convocado para prestar esclarecimentos sobre aluguéis camaradas da Imobiliária Carlos Fernandes Assunção com o governo liderado por seu irmão na Câmara. Voltando ao caso da briga dos vereadores, caberá agora ao corregedor, Antunes Macedo que abriu procedimento para apurar e punir quem infringiu o código de ética e de posturas, ao blog, cabe o relato dos fatos e à população a análise para saber quem realmente tem capacidade para lhe representar naquela casa.