13º salário: saldo é opção para quitação de dívidas   

spot_img
Compartilhe:

Com o aumento da taxa Selic, o fôlego do salário extra pode aliviar bolso de quem opta por sanar dívidas     

Na última quinzena de novembro, os trabalhadores brasileiros recebem a primeira parte do 13º salário. O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) estima que 83 milhões de brasileiros serão beneficiados em 2021, injetando mais de R$232 bilhões na economia brasileira. Entretanto, especialistas alertam para a importância da quitação de dívidas com o saldo extra em conta.  

Atualmente, a taxa Selic, que é referência para todos os juros praticados no país, está em 7,75%. Ou seja, é muito importante que sejam quitadas as despesas que estão parceladas, evitando a cobrança indesejável, que são baseados pela Selic. A contadora e coordenadora do curso de Ciências Contábeis do UNINASSAU – Centro Universitário Maurício de Nassau em Teresina, Elisa Barroso, reforça o alerta para a urgência em não criar campo para juros, uma vez que tendem a aumentar consideravelmente mês a mês. “Caso a pessoa tenha dívidas, é muito importante que utilize o valor extra recebido para quitá-las. Dessa forma, evita-se a inconveniência fiscal que pode surgir. Além disso, antecipando parcelas é possível também obter descontos, o que deixa o valor final ainda menor. Por isso, planejamento e controle de gastos são duas coisas que o devedor não pode perder de vista”, explica Elisa.  

Economistas acreditam que há a possibilidade dos juros da taxa Selic aumentarem em 2022, podendo chegar a 11,25% até o final do ano. Desta forma, Elisa reforça que a preparação da família para que não haja um novo endividamento é essencial nesse início de ano, pois um dinheiro a mais na conta pode dar a ilusão de saldo expansivo. “As promoções de fim de ano podem ser tentadoras, mas o foco em não criar novas dívidas precisa ser maior. Além disso, é importante que a família guarde o máximo possível para as novas contingências de 2022. E o começo de ano sempre traz o IPVA, o IPTU, o material escolar e matrículas em escolas e faculdades. O que puder ser pago à vista, pague, pois há descontos para quem não parcela as obrigações financeiras”, conclui Elisa Barroso.  

A disciplina com os gastos, a economia de valores para possíveis urgências e o pagamento de compras à vista podem ser a diferença entre estar em dia com banco e ser impedido de contrair novas dívidas, visto que lojistas acessam o SPC/Serasa, bancos de dados que reúnem o histórico de pagamentos dos consumidores brasileiros.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Mercado de trabalho: Programa de Trainee Aegea está com inscrições abertas para Timon

Os interessados podem se inscrever até o dia 24 de outubro, de forma on-line A Aegea, empresa líder no setor de saneamento privado no Brasil,...

Carlos Brandão é reeleito governador, Timon terá dois deputados e Leitoas saem enfraquecidos do pleito

O governador Carlos Brandão liderou a disputa em primeiro turno pelo governo do Maranhão a partir das primeiras urnas abertas ontem, às 18h, até...

Águas de Timon celebra conclusão do projeto Desvendar Esporte

Nesta quinta-feira (29), a Águas de Timon celebrou a conclusão das atividades do projeto Desvendar Esporte, patrocinado pela Águas de Timon, durante ação no...

Com o aumento da taxa Selic, o fôlego do salário extra pode aliviar bolso de quem opta por sanar dívidas     

Na última quinzena de novembro, os trabalhadores brasileiros recebem a primeira parte do 13º salário. O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) estima que 83 milhões de brasileiros serão beneficiados em 2021, injetando mais de R$232 bilhões na economia brasileira. Entretanto, especialistas alertam para a importância da quitação de dívidas com o saldo extra em conta.  
Atualmente, a taxa Selic, que é referência para todos os juros praticados no país, está em 7,75%. Ou seja, é muito importante que sejam quitadas as despesas que estão parceladas, evitando a cobrança indesejável, que são baseados pela Selic. A contadora e coordenadora do curso de Ciências Contábeis do UNINASSAU - Centro Universitário Maurício de Nassau em Teresina, Elisa Barroso, reforça o alerta para a urgência em não criar campo para juros, uma vez que tendem a aumentar consideravelmente mês a mês. "Caso a pessoa tenha dívidas, é muito importante que utilize o valor extra recebido para quitá-las. Dessa forma, evita-se a inconveniência fiscal que pode surgir. Além disso, antecipando parcelas é possível também obter descontos, o que deixa o valor final ainda menor. Por isso, planejamento e controle de gastos são duas coisas que o devedor não pode perder de vista”, explica Elisa.  
Economistas acreditam que há a possibilidade dos juros da taxa Selic aumentarem em 2022, podendo chegar a 11,25% até o final do ano. Desta forma, Elisa reforça que a preparação da família para que não haja um novo endividamento é essencial nesse início de ano, pois um dinheiro a mais na conta pode dar a ilusão de saldo expansivo. “As promoções de fim de ano podem ser tentadoras, mas o foco em não criar novas dívidas precisa ser maior. Além disso, é importante que a família guarde o máximo possível para as novas contingências de 2022. E o começo de ano sempre traz o IPVA, o IPTU, o material escolar e matrículas em escolas e faculdades. O que puder ser pago à vista, pague, pois há descontos para quem não parcela as obrigações financeiras”, conclui Elisa Barroso.  
A disciplina com os gastos, a economia de valores para possíveis urgências e o pagamento de compras à vista podem ser a diferença entre estar em dia com banco e ser impedido de contrair novas dívidas, visto que lojistas acessam o SPC/Serasa, bancos de dados que reúnem o histórico de pagamentos dos consumidores brasileiros.