Alcolumbre e Lira devem bater martelo sobre Bolsa Família fora do teto por 2 anos

spot_img
Compartilhe:

O novo prazo para que o programa social fique fora da atual regra fiscal deve ser a única mudança a ser feita no texto original.

Em reunião prevista para acontecer às 18h deste domingo (4), em Brasília, os presidentes da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, Davi Alcolumbre (União Brasil-AP), e da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), devem fechar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) com o Bolsa Família fora do teto de gastos por dois anos.

Como a CNN mostrou no último dia 30, a ideia de Alcolumbre é levar à CCJ um texto que tenha o máximo de convergência possível dentro do Parlamento. Por isso, a conversa com Lira é considerada fundamental para que a PEC avance no Congresso de forma célere e sem grandes entraves.

CNN apurou que o novo prazo para que o programa social fique fora da atual regra fiscal deve ser a única mudança a ser feita no texto original, protocolado no início da semana pelo senador Marcelo Castro (MDB-PI), relator do Orçamento. Ou seja, a ideia é manter o valor de R$ 198 bilhões fora do teto de gastos.

Além dos R$ 175 bilhões estimados para bancar o Bolsa Família, a proposta libera o governo para investir até R$ 23 bilhões nos próximos anos, fora do teto de gastos, a partir do “excesso de arrecadação” — de tributos arrecadados acima do que estava previsto inicialmente.

Ainda de acordo com relatos feitos à CNN, o texto a ser fechado por Alcolumbre e Lira neste domingo não deve tratar de uma nova âncora fiscal, como foi aventado por parlamentares nos últimos dias.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Deputados Estaduais tomam posse para 20ª legislatura da Assembleia Legislativa do Maranhão

Os deputados eleitos para a 20ª legislatura da Assembleia Legislativa do Maranhão foram empossados na manhã desta quarta-feira (1º), no Plenário Nagib Haickel. O...

Vai doer no bolso: desoneração dos combustíveis está com os dias contados

No começo deste ano, o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) prolongou a desoneração dos combustíveis por mais 60 dias para álcool...

Semdes encerra “janeiro branco” com palestra na rede de assistência social em Timon

O Projeto “Vamos Conversar” desenvolvido pelas facilitadoras do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) Vila João Reis, que aborda temas relevantes para os...

O novo prazo para que o programa social fique fora da atual regra fiscal deve ser a única mudança a ser feita no texto original.

Em reunião prevista para acontecer às 18h deste domingo (4), em Brasília, os presidentes da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, Davi Alcolumbre (União Brasil-AP), e da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), devem fechar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) com o Bolsa Família fora do teto de gastos por dois anos. Como a CNN mostrou no último dia 30, a ideia de Alcolumbre é levar à CCJ um texto que tenha o máximo de convergência possível dentro do Parlamento. Por isso, a conversa com Lira é considerada fundamental para que a PEC avance no Congresso de forma célere e sem grandes entraves. A CNN apurou que o novo prazo para que o programa social fique fora da atual regra fiscal deve ser a única mudança a ser feita no texto original, protocolado no início da semana pelo senador Marcelo Castro (MDB-PI), relator do Orçamento. Ou seja, a ideia é manter o valor de R$ 198 bilhões fora do teto de gastos. Além dos R$ 175 bilhões estimados para bancar o Bolsa Família, a proposta libera o governo para investir até R$ 23 bilhões nos próximos anos, fora do teto de gastos, a partir do “excesso de arrecadação” — de tributos arrecadados acima do que estava previsto inicialmente. Ainda de acordo com relatos feitos à CNN, o texto a ser fechado por Alcolumbre e Lira neste domingo não deve tratar de uma nova âncora fiscal, como foi aventado por parlamentares nos últimos dias.