Após morte de policiais, governo do Rio defende penas mais duras

spot_img
Compartilhe:

Logomarca oficial do site Veja Timon  O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, defendeu hoje (23) penas mais duras para criminosos que atiram contra policiais. Só neste fim de semana, quatro policiais e um guarda municipal foram mortos na região metropolitana do Rio.

“Eu sou contra a violência contra qualquer cidadão. Quando uma bala atinge uma criança, uma mulher ou um homem, é um pedaço da gente que vai embora”, disse Pezão, ao defender penas duras que desestimulem as pessoas a atirar em policiais. “O policial está ali levando segurança para locais que estavam há 30 anos abandonados. Vou me empenhar dentro do Congresso para mudar nossa legislação. Tenho conversado sistematicamente com o ministro [da Justiça] José Eduardo Cardozo. Não podemos ficar vendo policiais serem mortos, sem ter penas mais duras para punir os criminosos”, afirmou.

Veja Também:

O secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, compareceu ao velório de um dos policiais baleados e fez um desabafo, dizendo que a polícia estava sozinha na luta contra a violência.
“Nessa selvageria toda, dessas pessoas que não têm apego nenhum pela vida, que matam por um celular, e quando descobrem que a pessoa é um policial, aí sim, ela está efetivamente condenada. Então, quem mata no peito, isso é a polícia. E a polícia, neste país, e principalmente no Rio de Janeiro, está sozinha”, enfatizou Beltrame.

Quatro policiais – dois civis e dois militares – foram mortos durante tentativas de assalto. Além deles, o corpo de um guarda municipal foi encontrado, baleado, na favela da Rocinha.

 

Edição: Veja Timon

Via: Agência Brasil

Compartilhe:
Veja Timon
Veja Timonhttps://vejatimon.com
O Veja Timon foi desenvolvido para suprir os timonenses com informações de um modo geral, onde a política não venha ser o foco central. Um site diversificado e imparcial, trabalhamos para levar um conteúdo de relevância para cidade. Veja Timon - Junto Com o Povo

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Águas de Timon informa: obras de infraestrutura de esgoto seguem em ritmo acelerado

As obras de esgotamento sanitário em Timon seguem a todo vapor. Entre os dias 5 e 10 de dezembro, a concessionária Águas de Timon...

Após onda de manifestações, procurador-geral do Irã anuncia extinção da polícia da moralidade

Governo irá reavaliar a lei sobre a obrigatoriedade do uso do véu islâmico, e uma modificação deve ser anunciada em 15 dias. Quase três meses...

Alcolumbre e Lira devem bater martelo sobre Bolsa Família fora do teto por 2 anos

O novo prazo para que o programa social fique fora da atual regra fiscal deve ser a única mudança a ser feita no texto...
Logomarca oficial do site Veja Timon  O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, defendeu hoje (23) penas mais duras para criminosos que atiram contra policiais. Só neste fim de semana, quatro policiais e um guarda municipal foram mortos na região metropolitana do Rio. “Eu sou contra a violência contra qualquer cidadão. Quando uma bala atinge uma criança, uma mulher ou um homem, é um pedaço da gente que vai embora", disse Pezão, ao defender penas duras que desestimulem as pessoas a atirar em policiais. "O policial está ali levando segurança para locais que estavam há 30 anos abandonados. Vou me empenhar dentro do Congresso para mudar nossa legislação. Tenho conversado sistematicamente com o ministro [da Justiça] José Eduardo Cardozo. Não podemos ficar vendo policiais serem mortos, sem ter penas mais duras para punir os criminosos”, afirmou.

Veja Também:

O secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, compareceu ao velório de um dos policiais baleados e fez um desabafo, dizendo que a polícia estava sozinha na luta contra a violência. “Nessa selvageria toda, dessas pessoas que não têm apego nenhum pela vida, que matam por um celular, e quando descobrem que a pessoa é um policial, aí sim, ela está efetivamente condenada. Então, quem mata no peito, isso é a polícia. E a polícia, neste país, e principalmente no Rio de Janeiro, está sozinha”, enfatizou Beltrame. Quatro policiais – dois civis e dois militares – foram mortos durante tentativas de assalto. Além deles, o corpo de um guarda municipal foi encontrado, baleado, na favela da Rocinha.  

Edição: Veja Timon

Via: Agência Brasil