Aposentados e pensionistas de Timon protestam contra desconto de 14 por cento em seus proventos

spot_img
Compartilhe:

Um grupo de professores aposentados de Timon esteve hoje, 03, em Timon, para protestar contra o aumento de 11 para 14 por cento na contribuição para o Instituto de Previdência do Município de Timon (IPMT) em seus contracheques a partir do mês de abril passado.

Os professores reclamam que o aumento tirou de alguns contracheques deles valores entre 400 e 600 reais e que esse desconto, diante do que repercutiu dentro da Câmara de Timon, de que o IPMT contribuiu para o aumento da dívida publica da Prefeitura de Timon, que de 2019, na gestão do Prefeito Luciano Leitoa, para 2020, subiu para a milionária cifra de 192 milhões de reais, seria para cobrir este rombo nas contas do município, reclamaram os professores aposentados.

Para a professora Marlene Moreira, os aposentados e pensionistas não podem arcar com essa dívida do IPMT, eles tiveram seus salários conquistados com muita luta na ativa e que não seria agora, no melhor momento de suas vidas, onde eles poderiam desfrutar de suas conquistas, que esse direito lhes seriam aviltados desta forma, disse ela em conversa com o blog.

De acordo com a professora aposentada Marlene Moreira, os 14 por cento representa para muitos, o supermercado do mês inteiro e nós temos aposentados e pensionistas que tiveram – por conta da pandemia -, pessoas desempregadas dentro de casa, que foram obrigadas a fazer empréstimos para melhorar as condições de comodidade dessas pessoas, pois teve gente que saiu de suas casas e foram morar com eles. Daí quando chegou o contracheque desse mês, com o desconto do IPMT e o empréstimo, mais o desconto do Imposto de Renda, a pessoa, praticamente teve um infarto, então é esse o presente que o prefeito Luciano Leitoa deixou para nós e a Câmara de Vereadores da época, disse que não teve conhecimento, lamentou a Marlene Moreira.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

1 COMENTÁRIO

  1. Boa Tarde, antes dessas pessoas reclamarem é bom estudar um pouco a lei e saber o que reclamar. não foi em Timon, mais em todo o Brasil, todos tiveram que se adequar a lei. Emenda Constitucional nº 103,
    de 2019. E o Senhor com um jornalista também deveria apurar e de fato ter a certeza do que está também sendo aplicado.

    a) caso não sejam adotadas alíquotas progressivas, a alíquota mínima uniforme dos segurados ativos, aposentados e pensionistas será de 14% (quatorze por cento), na forma prevista no caput do art. 11 da Emenda Constitucional nº 103, de 2019;

    “O aumento foi aprovado pela legislatura passada a pedido do ex-prefeito Luciano Leitoa” Não é verdade nobre Jornalista, tanto ele como todos os Prefeitos também tiveram que fazer uma lei municipal de acordo com Emenda Constitucional nº 103,de 2019.

    Antes de fazer essas matérias de cunho politico é bom antes buscar a fonte, saber o porque e assim passar a informação de forma correta.

    Agradeço pelo espaço .

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Lula diz que Gleisi não será ministra e que só anuncia equipe após ser diplomado pelo TSE

Presidente eleito deu declarações onde atua equipe de transição; diplomação no TSE está marcada para 12 de dezembro. Lula disse que '80%' do ministério...

Promotor recomenda suspensão do show de João Gomes em Timon

Além do alto custo com contrato do cantor para os cofres do município, o promotor Sérgio Martins diz que a festa põe em risco...

Após 23 anos, médica Amariles Borba pede exoneração da FMS

A médica Amariles de Sousa Borba pediu exoneração da Fundação Municipal de Saúde (FMS), onde atuava há 23 anos e, atualmente, ocupava o cargo...
Um grupo de professores aposentados de Timon esteve hoje, 03, em Timon, para protestar contra o aumento de 11 para 14 por cento na contribuição para o Instituto de Previdência do Município de Timon (IPMT) em seus contracheques a partir do mês de abril passado. Os professores reclamam que o aumento tirou de alguns contracheques deles valores entre 400 e 600 reais e que esse desconto, diante do que repercutiu dentro da Câmara de Timon, de que o IPMT contribuiu para o aumento da dívida publica da Prefeitura de Timon, que de 2019, na gestão do Prefeito Luciano Leitoa, para 2020, subiu para a milionária cifra de 192 milhões de reais, seria para cobrir este rombo nas contas do município, reclamaram os professores aposentados. Para a professora Marlene Moreira, os aposentados e pensionistas não podem arcar com essa dívida do IPMT, eles tiveram seus salários conquistados com muita luta na ativa e que não seria agora, no melhor momento de suas vidas, onde eles poderiam desfrutar de suas conquistas, que esse direito lhes seriam aviltados desta forma, disse ela em conversa com o blog. De acordo com a professora aposentada Marlene Moreira, os 14 por cento representa para muitos, o supermercado do mês inteiro e nós temos aposentados e pensionistas que tiveram - por conta da pandemia -, pessoas desempregadas dentro de casa, que foram obrigadas a fazer empréstimos para melhorar as condições de comodidade dessas pessoas, pois teve gente que saiu de suas casas e foram morar com eles. Daí quando chegou o contracheque desse mês, com o desconto do IPMT e o empréstimo, mais o desconto do Imposto de Renda, a pessoa, praticamente teve um infarto, então é esse o presente que o prefeito Luciano Leitoa deixou para nós e a Câmara de Vereadores da época, disse que não teve conhecimento, lamentou a Marlene Moreira.