Base política do governo em Timon deverá encolher e grupo perderá partidos importantes

spot_img
Compartilhe:
Deputado Juscelino Filho, reeleito pelo União Brasil, é o único apoio visível para o atual grupo

PSB, PL, PT e PCdoB estão entre os partidos que não acompanharão mais a base dos leitoas em Timon.

Dificilmente o governo municipal em Timon formará uma base robusta de partidos ou manterá a atual base politica para a eventual disputa de 2024 quando estará em jogo ao cadeira de prefeito da cidade.

Corroborando com essa informação, muitos dos atuais vereadores eleitos por partidos que integram a base hoje terão que mudar para outros partidos.

Outra dificuldade imposta à base da prefeita Diniar Veloso é a situação de seu partido na eleição deste ano.

O PDT encolheu e perdeu duas vagas na Câmara dos Deputados e deverá também perder cadeiras na Câmara de Vereadores com a saída dos vereadores Uilma Resende e Doutor Torquato, que devem se filiar aos partidos que comporão a oposição em Timon a partir de 2023.

Dos atuais vereadores eleitos e que fazem parte da base do governo municipal, seis deles devem anunciar saída dos partidos dos quais foram eleitos em 2020. Márcio Sá e Chagas Cigarreiro, deixam o PSB. Celso Tacoani deverá sair do PCdoB e Da Luz perderá o PT; os vereadores Helder Kaic e Pedro Augusto, PA não ficarão no PL e de acordo com o novo cenário e composição politica no Maranhão com o resultado das urnas deste ano, será intensamente as composições politicas, definindo quem é oposição e quem é da base do governo estadual.

A dificuldade também foi criada para os vereadores que aderiram ao governo municipal, deixando suas bases pelas quais foram eleitos para fazer parte do governo. Como é caso do vereador adesista Irmão Francisco que deverá deixar o Republicanos e integrar os poucos partidos que ficarão na base governista.

Da estrutura politica de 2020 que elegeu a prefeita Dinair e a maioria dos vereadores, deverão deixar a base e formação política de cara com a nova formação os partidos: PSB, PL, PCdoB, PT e Patriota, que devem seguir para a oposição em Timon.

Com a nova composição do governo estadual, comandado por Carlos Brandão e Flávio Dino, o cenário para os candidatos e prefeitos que tentarão à reeleição em 2024, deverá sofrer ainda alterações com a entrada de partidos que disputaram a eleição ao lado do senador Weverton Rcoha, mas que deverão buscar apoio do governo estadual e aderir a Carlos Brandão em busca de posições mais vantajosas.

Com isso e com o atual cenário é o de que o governo municipal em Timon, dentro desse diagnóstico politico deverá perder apoios políticos importantes em sua estrutura, além, é claro, do apoio político, financeiro e administrativo do comando do Palácio dos Leões, que de janeiro de 2013 até o ano passado vinha funcionando como o carro chefe da Prefeitura  de Timon com concepção de obras e serviços para o município.

Um baque doido!

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

No mesmo dia: Reeleitos, Lira e Pacheco rompem com Bolsonaro, mas deixam recado ao STF

Colunista do jornal "O Globo" avalia que o pior cenário para o Supremo seria a vitória de Rogério Marinho. Mas reeleição de Lira e...

Suspensa eficácia de norma que exigia quórum qualificado para aprovação de leis em Timon

Por unanimidade, o Órgão Especial do TJMA deferiu, em parte, medida cautelar em Adin, determinando quórum de maioria de votos para aprovação de matéria...

Deputados Estaduais tomam posse para 20ª legislatura da Assembleia Legislativa do Maranhão

Os deputados eleitos para a 20ª legislatura da Assembleia Legislativa do Maranhão foram empossados na manhã desta quarta-feira (1º), no Plenário Nagib Haickel. O...
Deputado Juscelino Filho, reeleito pelo União Brasil, é o único apoio visível para o atual grupo
PSB, PL, PT e PCdoB estão entre os partidos que não acompanharão mais a base dos leitoas em Timon. Dificilmente o governo municipal em Timon formará uma base robusta de partidos ou manterá a atual base politica para a eventual disputa de 2024 quando estará em jogo ao cadeira de prefeito da cidade. Corroborando com essa informação, muitos dos atuais vereadores eleitos por partidos que integram a base hoje terão que mudar para outros partidos. Outra dificuldade imposta à base da prefeita Diniar Veloso é a situação de seu partido na eleição deste ano. O PDT encolheu e perdeu duas vagas na Câmara dos Deputados e deverá também perder cadeiras na Câmara de Vereadores com a saída dos vereadores Uilma Resende e Doutor Torquato, que devem se filiar aos partidos que comporão a oposição em Timon a partir de 2023. Dos atuais vereadores eleitos e que fazem parte da base do governo municipal, seis deles devem anunciar saída dos partidos dos quais foram eleitos em 2020. Márcio Sá e Chagas Cigarreiro, deixam o PSB. Celso Tacoani deverá sair do PCdoB e Da Luz perderá o PT; os vereadores Helder Kaic e Pedro Augusto, PA não ficarão no PL e de acordo com o novo cenário e composição politica no Maranhão com o resultado das urnas deste ano, será intensamente as composições politicas, definindo quem é oposição e quem é da base do governo estadual. A dificuldade também foi criada para os vereadores que aderiram ao governo municipal, deixando suas bases pelas quais foram eleitos para fazer parte do governo. Como é caso do vereador adesista Irmão Francisco que deverá deixar o Republicanos e integrar os poucos partidos que ficarão na base governista. Da estrutura politica de 2020 que elegeu a prefeita Dinair e a maioria dos vereadores, deverão deixar a base e formação política de cara com a nova formação os partidos: PSB, PL, PCdoB, PT e Patriota, que devem seguir para a oposição em Timon. Com a nova composição do governo estadual, comandado por Carlos Brandão e Flávio Dino, o cenário para os candidatos e prefeitos que tentarão à reeleição em 2024, deverá sofrer ainda alterações com a entrada de partidos que disputaram a eleição ao lado do senador Weverton Rcoha, mas que deverão buscar apoio do governo estadual e aderir a Carlos Brandão em busca de posições mais vantajosas. Com isso e com o atual cenário é o de que o governo municipal em Timon, dentro desse diagnóstico politico deverá perder apoios políticos importantes em sua estrutura, além, é claro, do apoio político, financeiro e administrativo do comando do Palácio dos Leões, que de janeiro de 2013 até o ano passado vinha funcionando como o carro chefe da Prefeitura  de Timon com concepção de obras e serviços para o município. Um baque doido!