Burnout passa a ser categorizado como doença do trabalho pela OMS  

spot_img
Compartilhe:

Em nova classificação, a Síndrome de Burnout será tratada, a partir de 2022, como doença ocupacional  

 

A partir do dia 1º de janeiro de 2022, a Organização Mundial da Saúde (OMS) passa a definir a Síndrome de Burnout, ou síndrome do estresse crônico, como uma doença ocupacional, isto é, relacionada ao estresse da rotina de trabalho. De acordo com a Pebmed, uma healthtech que provê ferramentas e conteúdo para médicos, o Burnout foi bastante expressivo durante a pandemia, quando 78% dos profissionais da saúde tiveram sinais da síndrome. Desta forma, psicólogos alertam para a compreensão e tratamento desse nível de estresse.  

A psicóloga e coordenadora do curso de Psicologia do UNINASSAU – Centro Universitário Maurício de Nassau, em Teresina, Dayane Arrais, explica que a condição para se definir o Burnout está relacionada diretamente aos sentimentos desenvolvidos com e na rotina laboral, resultando em baixo rendimento e exaustão emocional. “Esse estresse crônico de trabalho, quando não é administrado corretamente, pode desencadear em situações extremas, desde a sensação de esgotamento, passando pelos sentimentos negativos em relação ao trabalho como um todo, indo até a redução de produtividade e apatia. Pode ser que esse excesso despersonalize o indivíduo, fazendo que haja um ‘desligamento’ do próprio corpo, chegando no ápice com a depressão”, pontuou Dayane. 

O quadro da síndrome pode ter sido ainda mais prejudicial aos profissionais da saúde, como os médicos e enfermeiros, durante o período crítico da pandemia do Coronavírus, em 2020. A healthtech Pebmed revelou que, durante o crescimento das hospitalizações por Covid-19, o Burnout foi citado por 79% dos médicos, 74% de enfermeiros e até 64% dos técnicos de enfermagem. Dayane reforça que as empresas e contratantes de profissionais que trabalham com operações mais intensas devem avaliar e acompanhar os casos de perto. “Sem dúvidas, os empregadores precisam compreender que a saúde e bem-estar do seu funcionário está diretamente ligada à produtividade. Claro, em casos extremos, como o dos atendimentos durante o ‘boom’ do coronavírus, é algo atípico. Mas o clima laboral precisa ter uma constante avaliação, para que casos de estresse e exaustão física ou psicológica não sejam a definição de todo o ambiente. Por isso, o RH ou psicólogo da empresa devem estar atentos para que seja avaliado e, se for o caso, indicado os tratamentos oportunos”, finalizou a psicóloga Dayane Arrais. 

A nova Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID 11) da OMS pode ser vista como um sinal direcionado aos setores de gestão da empresa e um desafio aos funcionários, no que se refere ao comprometimento com a busca de prevenção. Desta forma, a Clínica-Escola da UNINASSAU Teresina oferece acompanhamento psicológico na Av. Jóquei Clube, nº 710, sendo necessário agendamento pelo número (86) 99987-5239. Em razão do recesso acadêmico, os atendimentos retornarão a partir de fevereiro.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Operação das Polícias Militar e Civil cumpre mandados, faz apreensão de armas; drogas e efetua prisões

A operação aconteceu hoje pela manhã na cidade de Matões. A Polícia Civil do Maranhão, através da Superintendência Estadual de Repressão ao Narcotráfico (DENARC/Timon e...

Tudo pronto para a inauguração do ginásio poliesportivo do Residencial Novo Tempo

O moderno prédio foi construído pelo Governo do Maranhão, através da Secretaria de Educação. O Governo do Maranhão, através do Secretaria Estadual de Educação concluiu...

Em Timon: registro de quase mil casos de sintomas gripais, suspende atividades presenciais

Nas UBS onde fazem atendimento para casos de Covid, foram realizados 647 testes, destes 382 deram resultado positivo. Autoridades em saúde pública tem detectado...