Quatro deputados federais eleitos em 2018 perdem apoios importantes em Timon para 2022

spot_img
Compartilhe:

Quatro dos deputados federais eleitos na eleição de 2018 pelo Maranhão perderam apoios eleitorais importantes em Timon para a eleição deste ano.

Entre os deputados que perderam com a troca de apoios dos aliados timonenses o mais prejudicado para 2022 foi exatamente o deputado federal que conseguiu maior votação na cidade, o deputado Bira do Pindaré (PSB), que na eleição passada, apoiado pelo Grupo Leitoa e pela máquina municipal comandada por Luciano Leitoa, à época, obteve 14.689 votos.

A quebradeira de votos em Timon atinge também o deputado  federal Edilázio Junior, PSD, que na eleição passada, apoiada pelo segundo grupo politico mais forte da cidade, obteve 6 mil e 52 votos dados pela aliada Socorro Waquim.

Os deputados Cleber Verde (Republicanos) e André Fufuca (PP), que também foram votados em Timon na eleição passada, entram no rol dos que perderam apoio político na cidade. Cleber Verde, que obteve 2.930 e André Fufuca, com 2.560 não têm apoios políticos definidos em Timon para a eleição deste ano.

Devido uma briga pela presidência do partido, antes mesmo do rompimento do grupo Leitoa com o governo anunciada no ano passado, o deputado Bira do Pindaré dava sinais de que não seria mais votado pelo grupo em Timon. Com isso, acumula uma perda de votos irreparáveis.

A deputada Socorro Waquim depois de dois mandatos de parceria com o Edilázio Junior, uma para deputado estadual e outra para a eleição do mesmo para deputado federal, Socorro anunciou apoio ao deputado Fábio Macedo, que deixa a Alema para tentar vaga na Câmara Federal.

Cleber Verde, que na eleição de 2018 foi apoiado na cidade por aliados do prefeito Fábio Gentil, de Caxias, perde os apoiadores por conta a candidatura da filha do prefeito caxiense Amanda Gentil, que tenta uma vaga para deputada federal.

André Fufuca, que nas duas eleições que foi eleito e obteve votos em Timon da Família RA, até o momento não se manifestou politicamente sobre as eleições de 2022. Desde do ano passado, quando o filho do empresário Ramon Alves, presidente do PP de Timon, Ramon Junior, a Família não tem falado mais em politica.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Águas de Timon celebra conclusão do projeto Desvendar Esporte

Nesta quinta-feira (29), a Águas de Timon celebrou a conclusão das atividades do projeto Desvendar Esporte, patrocinado pela Águas de Timon, durante ação no...

Aeroporto de Teresina completa 55 anos

O Aeroporto de Teresina (THE) completa 55 anos nesta sexta-feira, dia 30 de setembro. Localizado na capital do Piauí, ele é a principal porta...

Três dicas para evitar o estresse na hora de encarar o trânsito

Por Elainy Castro Buzinas, xingamentos, motoristas imprudentes, muita gente nos horários de pico, pedestres que atravessam fora da faixa, acidentes… isso e muito mais você...
Quatro dos deputados federais eleitos na eleição de 2018 pelo Maranhão perderam apoios eleitorais importantes em Timon para a eleição deste ano. Entre os deputados que perderam com a troca de apoios dos aliados timonenses o mais prejudicado para 2022 foi exatamente o deputado federal que conseguiu maior votação na cidade, o deputado Bira do Pindaré (PSB), que na eleição passada, apoiado pelo Grupo Leitoa e pela máquina municipal comandada por Luciano Leitoa, à época, obteve 14.689 votos. A quebradeira de votos em Timon atinge também o deputado  federal Edilázio Junior, PSD, que na eleição passada, apoiada pelo segundo grupo politico mais forte da cidade, obteve 6 mil e 52 votos dados pela aliada Socorro Waquim. Os deputados Cleber Verde (Republicanos) e André Fufuca (PP), que também foram votados em Timon na eleição passada, entram no rol dos que perderam apoio político na cidade. Cleber Verde, que obteve 2.930 e André Fufuca, com 2.560 não têm apoios políticos definidos em Timon para a eleição deste ano. Devido uma briga pela presidência do partido, antes mesmo do rompimento do grupo Leitoa com o governo anunciada no ano passado, o deputado Bira do Pindaré dava sinais de que não seria mais votado pelo grupo em Timon. Com isso, acumula uma perda de votos irreparáveis. A deputada Socorro Waquim depois de dois mandatos de parceria com o Edilázio Junior, uma para deputado estadual e outra para a eleição do mesmo para deputado federal, Socorro anunciou apoio ao deputado Fábio Macedo, que deixa a Alema para tentar vaga na Câmara Federal. Cleber Verde, que na eleição de 2018 foi apoiado na cidade por aliados do prefeito Fábio Gentil, de Caxias, perde os apoiadores por conta a candidatura da filha do prefeito caxiense Amanda Gentil, que tenta uma vaga para deputada federal. André Fufuca, que nas duas eleições que foi eleito e obteve votos em Timon da Família RA, até o momento não se manifestou politicamente sobre as eleições de 2022. Desde do ano passado, quando o filho do empresário Ramon Alves, presidente do PP de Timon, Ramon Junior, a Família não tem falado mais em politica.