Corrente do PT acusa Levy de repetir governo

spot_img
Compartilhe:

Logomarca oficial do site Veja Timon

Um artigo publicado na página na corrente petista “O Trabalho”, assinado pelo economista Alberto Handfas, acusa o ministro da Fazenda, Joaquim Levy de fazer “chantagem” para implantar no Brasil a “agenda dos banqueiros internacionais” e repetir o governo Fernando Henrique Cardoso. O Trabalho é uma das correntes mais à esquerda dentro do PT.

“Joaquim Levy, o novo ministro da Fazenda de Dilma, utiliza-se do cenário econômico internacional mais desafiador para fazer chantagem e avançar a agenda dos banqueiros internacionais. Pretende retomar a agenda de Fernando Henrique Cardoso do PSDB”, escreve no artigo que foi originalmente publicado no jornal da corrente. O Trabalho tem um representante, Marcos Sokol, no diretório nacional, ou 1,38% do total.

Handfas, que aparece na lista de filiados ao PT, contraria o discurso do governo de que não há redução de direitos trabalhistas e ataca as medidas anunciadas pela equipe econômica. Ainda na opinião do professor, a redução de subsídios terá como consequência aumentos consideráveis nas contas de água luz e no preço da gasolina.

O economista se mostra preocupado com a diminuição do papel dos bancos públicos e a “liberalização” do comércio internacional. Para Handfas, isso implicaria no fechamento de empresas e o aumento do desemprego no Brasil. “Tais medidas, se aplicadas, implicarão no fechamento de muitas empresas nacionais e com elas de milhares, senão milhões, de empregos. Mas para o ministro isso é um detalhe com o qual se poderá lidar ajudando as empresas através da redução de seus custos trabalhistas”.

Como alternativas, o economista sugere medidas contrárias às que vêm sendo adotadas pela atual equipe, como o “fim da mobilidade de capitais” e a “centralização cambial”. “Permitiria ao governo retomar sua autoridade para definir as taxas de juros e de câmbio em favor da indústria e do desenvolvimento nacional”, argumenta.

Na contramão do que defende o petista, Joaquim Levy disse hoje que o governo “não quer manter o câmbio valorizado artificialmente”. O ministro da Secretaria Geral da Presidência, Miguel Rossetto, negou que haja mudança entre o discurso da campanha e deste início de governo.

A tensão entre quadros do PT e a nova equipe econômica vem marcando o início de segundo mandato da presidente Dilma Rousseff. As medidas de ajuste fiscal causaram mal estar em diversos setores do partido e geraram críticas públicas de figuras como José Dirceu e do vice-presidente do partido Alberto Cantalice.

 

Edição: Veja Timon

Via: Agência Brasil

Compartilhe:
Veja Timon
Veja Timonhttps://vejatimon.com
O Veja Timon foi desenvolvido para suprir os timonenses com informações de um modo geral, onde a política não venha ser o foco central. Um site diversificado e imparcial, trabalhamos para levar um conteúdo de relevância para cidade. Veja Timon - Junto Com o Povo

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Morador de Timon é um dos ganhadores da Promoção Energia em Dia

Clientes ainda podem se cadastrar e concorrer aos próximos sorteios A promoção Energia em Dia está premiando os clientes que estão em dia com suas...

Paulo Marinho Júnior visita a cidade de Duque Bacelar

O candidato a Deputado Federal, Paulo Marinho Júnior (PL), visitou nesta quarta-feira (10), a cidade de Duque Bacelar. A agenda foi a convite do...

Mais uma ação pede a impugnação de Chico Leitoa como candidato a deputado estadual

Depois de ação do Ministério Público Eleitoral, agora é o vereador Kaká do Frugosá que move ação para barrar candidatura de Chico Leitoa. Mais uma...
Logomarca oficial do site Veja Timon Um artigo publicado na página na corrente petista "O Trabalho", assinado pelo economista Alberto Handfas, acusa o ministro da Fazenda, Joaquim Levy de fazer "chantagem" para implantar no Brasil a "agenda dos banqueiros internacionais" e repetir o governo Fernando Henrique Cardoso. O Trabalho é uma das correntes mais à esquerda dentro do PT. "Joaquim Levy, o novo ministro da Fazenda de Dilma, utiliza-se do cenário econômico internacional mais desafiador para fazer chantagem e avançar a agenda dos banqueiros internacionais. Pretende retomar a agenda de Fernando Henrique Cardoso do PSDB", escreve no artigo que foi originalmente publicado no jornal da corrente. O Trabalho tem um representante, Marcos Sokol, no diretório nacional, ou 1,38% do total. Handfas, que aparece na lista de filiados ao PT, contraria o discurso do governo de que não há redução de direitos trabalhistas e ataca as medidas anunciadas pela equipe econômica. Ainda na opinião do professor, a redução de subsídios terá como consequência aumentos consideráveis nas contas de água luz e no preço da gasolina. O economista se mostra preocupado com a diminuição do papel dos bancos públicos e a "liberalização" do comércio internacional. Para Handfas, isso implicaria no fechamento de empresas e o aumento do desemprego no Brasil. "Tais medidas, se aplicadas, implicarão no fechamento de muitas empresas nacionais e com elas de milhares, senão milhões, de empregos. Mas para o ministro isso é um detalhe com o qual se poderá lidar ajudando as empresas através da redução de seus custos trabalhistas". Como alternativas, o economista sugere medidas contrárias às que vêm sendo adotadas pela atual equipe, como o "fim da mobilidade de capitais" e a "centralização cambial". "Permitiria ao governo retomar sua autoridade para definir as taxas de juros e de câmbio em favor da indústria e do desenvolvimento nacional", argumenta. Na contramão do que defende o petista, Joaquim Levy disse hoje que o governo "não quer manter o câmbio valorizado artificialmente". O ministro da Secretaria Geral da Presidência, Miguel Rossetto, negou que haja mudança entre o discurso da campanha e deste início de governo. A tensão entre quadros do PT e a nova equipe econômica vem marcando o início de segundo mandato da presidente Dilma Rousseff. As medidas de ajuste fiscal causaram mal estar em diversos setores do partido e geraram críticas públicas de figuras como José Dirceu e do vice-presidente do partido Alberto Cantalice.   Edição: Veja Timon Via: Agência Brasil