Faltam seringas, agulhas, antibióticos e soro fisiológico no Hospital do Monte Castelo

spot_img
Compartilhe:

Ministério Público do Piauí (MP-PI), por meio da 29ª Promotoria de Justiça de Teresina, constatou durante inspeção nesta semana a falta de fármacos e materiais, como seringas, agulhas, antibióticos e soro fisiológico no Hospital do Monte Castelo, na Zona Sul de Teresina. A vistoria aconteceu após denúncias da falta de insumos básicos e foi acompanhada por conselheiros e fiscais dos Conselhos Regionais de Medicina (CRM-PI), de Enfermagem (COREN) e de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (CREFITO-14ª). Na Maternidade Wall Ferraz, no bairro Dirceu Arcoverde, Zona Sudeste, ficou comprovada a falta de profissionais.

Segundo o MP, a fiscalização iniciou no Hospital do Monte Castelo. Na unidade de saúde, a equipe visitou a farmácia, a central de abastecimento farmacêutico, a central de materiais esterilizados, a central de equipamentos de proteção individual e as enfermarias. Nas vistoria, a equipe comprovou a falta de fármacos e materiais, como seringas, agulhas, antibióticos, soro fisiológico, dentre outros insumos.

Já na Maternidade Wall Ferraz, os fiscais inicialmente conversaram com as diretoras geral e técnica da unidade sobre a escala de profissionais médicos, fisioterapeutas e enfermeiros. A gestão da Wall Ferraz informou que depende da liberação da Fundação Municipal de Saúde (FMS) para contratar novos profissionais e que têm solicitado à pasta a complementação no quadro de pessoal.

O MP informou ainda que os fiscais e conselheiros do CRM-PI, CREFITO-14 e COREN agora vão elaborar relatórios técnicos com as informações coletadas nas inspeções. Esses documentos serão enviados ao Ministério Público e devem subsidiar o trabalho do órgão na cobrança por melhorias na saúde pública de Teresina.

Participaram da inspeção o promotor de Justiça Eny Pontes, titular da 29ª PJ de Teresina, o presidente do CRM-PI, Dagoberto Silveira, além da vice-presidente e da secretária-geral da entidade, Mirian Parente e Ana Cláudia, as conselheiras do COREN-PI Deusa Machado e Diana Matos, e conselheiros do Crefito.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

No mesmo dia: Reeleitos, Lira e Pacheco rompem com Bolsonaro, mas deixam recado ao STF

Colunista do jornal "O Globo" avalia que o pior cenário para o Supremo seria a vitória de Rogério Marinho. Mas reeleição de Lira e...

Suspensa eficácia de norma que exigia quórum qualificado para aprovação de leis em Timon

Por unanimidade, o Órgão Especial do TJMA deferiu, em parte, medida cautelar em Adin, determinando quórum de maioria de votos para aprovação de matéria...

Deputados Estaduais tomam posse para 20ª legislatura da Assembleia Legislativa do Maranhão

Os deputados eleitos para a 20ª legislatura da Assembleia Legislativa do Maranhão foram empossados na manhã desta quarta-feira (1º), no Plenário Nagib Haickel. O...
Ministério Público do Piauí (MP-PI), por meio da 29ª Promotoria de Justiça de Teresina, constatou durante inspeção nesta semana a falta de fármacos e materiais, como seringas, agulhas, antibióticos e soro fisiológico no Hospital do Monte Castelo, na Zona Sul de Teresina. A vistoria aconteceu após denúncias da falta de insumos básicos e foi acompanhada por conselheiros e fiscais dos Conselhos Regionais de Medicina (CRM-PI), de Enfermagem (COREN) e de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (CREFITO-14ª). Na Maternidade Wall Ferraz, no bairro Dirceu Arcoverde, Zona Sudeste, ficou comprovada a falta de profissionais. Segundo o MP, a fiscalização iniciou no Hospital do Monte Castelo. Na unidade de saúde, a equipe visitou a farmácia, a central de abastecimento farmacêutico, a central de materiais esterilizados, a central de equipamentos de proteção individual e as enfermarias. Nas vistoria, a equipe comprovou a falta de fármacos e materiais, como seringas, agulhas, antibióticos, soro fisiológico, dentre outros insumos. Já na Maternidade Wall Ferraz, os fiscais inicialmente conversaram com as diretoras geral e técnica da unidade sobre a escala de profissionais médicos, fisioterapeutas e enfermeiros. A gestão da Wall Ferraz informou que depende da liberação da Fundação Municipal de Saúde (FMS) para contratar novos profissionais e que têm solicitado à pasta a complementação no quadro de pessoal. O MP informou ainda que os fiscais e conselheiros do CRM-PI, CREFITO-14 e COREN agora vão elaborar relatórios técnicos com as informações coletadas nas inspeções. Esses documentos serão enviados ao Ministério Público e devem subsidiar o trabalho do órgão na cobrança por melhorias na saúde pública de Teresina. Participaram da inspeção o promotor de Justiça Eny Pontes, titular da 29ª PJ de Teresina, o presidente do CRM-PI, Dagoberto Silveira, além da vice-presidente e da secretária-geral da entidade, Mirian Parente e Ana Cláudia, as conselheiras do COREN-PI Deusa Machado e Diana Matos, e conselheiros do Crefito.