Represália: Gestão de Dinair move ação de improbidade contra ex e atual presidentes da Câmara

spot_img
Compartilhe:

O município de Timon entrou na Vara da Fazenda Pública de Timon com ação Civil de Improbidade Administrativa, distribuída no último dia 19, contra os vereadores Helber Guimarães e Uilma Resende, ex e atual presidente da Câmara de Timon, acusando-os de danos ao erário público, por conta do não pagamento por parte da Câmara de Timon, de valores ao INSS, recursos que foram descontados do FPM do município e não repassados ao Instituto, além do não pagamento ao Instituto de Previdência do Município – IPMT, tanto da parte do empregado, como patronal, que segundo informações repassadas pelo Secretário de Governo, “nada foi pago e nem feito o parcelamento da dívida com o IPMT, como a Prefeitura de Timon fez”, disse João Batista Ponte.

De acordo com vereadores ouvidos pelo blog, essa é uma estratégia do governo, em represália aos vereadores oposicionistas, para evitar que a Casa Legislativa instale uma Comissão Parlamentar de Inquérito – CPI, que está em trâmite na Câmara para investigar e apurar o aumento da dívida pública da Prefeitura de Timon em mais de 192 milhões de 2019 para 2020, último ano da gestão do ex-prefeito Luciano Leitoa. O pedido de instalação de CPI foi requerido pelo líder de oposição Juarez Morais (PSC), lido pela Mesa e dado seguimento na abertura do processo após informação prestada pela equipe econômica da atual gestão, em audiência pública, afirmando o aumento absurdo da dívida.

A CPI está em trâmite na Casa com assinaturas de vereadores de oposição e aguarda definição da indicação de nomes, por parte da Mesa Diretora para ser instalada.

O que diz Uilma Resende

Sobre a ação, o vereador Uilma Resende disse ter argumentos suficientes para se defender dessa ação de improbidade movida pelo governo municipal, pois sua gestão passada foi transparente com todos os atos e que as dívidas administrativas foram pagas e, inclusive, com devolução de recursos de quase meio milhão de reais aos cofres municipais, ressalta Uilma Resende.

O que diz Helber Guimarães

Em conversa com a assessoria do vereador Helber Guimarães, o blog obteve a informação de que o vereador e ex-presidente da Câmara irá se pronunciar através de sua assessoria jurídica assim que receber a notificação da justiça para adotar as providências, via judicial, e os esclarecimentos dentro do teor da ação.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Mercado de trabalho: Programa de Trainee Aegea está com inscrições abertas para Timon

Os interessados podem se inscrever até o dia 24 de outubro, de forma on-line A Aegea, empresa líder no setor de saneamento privado no Brasil,...

Carlos Brandão é reeleito governador, Timon terá dois deputados e Leitoas saem enfraquecidos do pleito

O governador Carlos Brandão liderou a disputa em primeiro turno pelo governo do Maranhão a partir das primeiras urnas abertas ontem, às 18h, até...

Águas de Timon celebra conclusão do projeto Desvendar Esporte

Nesta quinta-feira (29), a Águas de Timon celebrou a conclusão das atividades do projeto Desvendar Esporte, patrocinado pela Águas de Timon, durante ação no...
O município de Timon entrou na Vara da Fazenda Pública de Timon com ação Civil de Improbidade Administrativa, distribuída no último dia 19, contra os vereadores Helber Guimarães e Uilma Resende, ex e atual presidente da Câmara de Timon, acusando-os de danos ao erário público, por conta do não pagamento por parte da Câmara de Timon, de valores ao INSS, recursos que foram descontados do FPM do município e não repassados ao Instituto, além do não pagamento ao Instituto de Previdência do Município - IPMT, tanto da parte do empregado, como patronal, que segundo informações repassadas pelo Secretário de Governo, "nada foi pago e nem feito o parcelamento da dívida com o IPMT, como a Prefeitura de Timon fez", disse João Batista Ponte. De acordo com vereadores ouvidos pelo blog, essa é uma estratégia do governo, em represália aos vereadores oposicionistas, para evitar que a Casa Legislativa instale uma Comissão Parlamentar de Inquérito - CPI, que está em trâmite na Câmara para investigar e apurar o aumento da dívida pública da Prefeitura de Timon em mais de 192 milhões de 2019 para 2020, último ano da gestão do ex-prefeito Luciano Leitoa. O pedido de instalação de CPI foi requerido pelo líder de oposição Juarez Morais (PSC), lido pela Mesa e dado seguimento na abertura do processo após informação prestada pela equipe econômica da atual gestão, em audiência pública, afirmando o aumento absurdo da dívida. A CPI está em trâmite na Casa com assinaturas de vereadores de oposição e aguarda definição da indicação de nomes, por parte da Mesa Diretora para ser instalada. O que diz Uilma Resende Sobre a ação, o vereador Uilma Resende disse ter argumentos suficientes para se defender dessa ação de improbidade movida pelo governo municipal, pois sua gestão passada foi transparente com todos os atos e que as dívidas administrativas foram pagas e, inclusive, com devolução de recursos de quase meio milhão de reais aos cofres municipais, ressalta Uilma Resende. O que diz Helber Guimarães Em conversa com a assessoria do vereador Helber Guimarães, o blog obteve a informação de que o vereador e ex-presidente da Câmara irá se pronunciar através de sua assessoria jurídica assim que receber a notificação da justiça para adotar as providências, via judicial, e os esclarecimentos dentro do teor da ação.