Invasões em Brasília tiveram erro sequencial de Ibaneis e Ministro Flávio Dino

spot_img
Compartilhe:

Governador afastado de Brasília não supervisionou a instalação das tropas da PM e ministro da Justiça tampouco cobrou reforços na manhã de domingo.

O 8 de Janeiro, como ficará marcada a data em que houve a invasão das sedes dos Três Poderes em Brasília, teve erros e omissões de duas autoridades que cuidam diretamente de segurança pública: o governador afastado do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), e o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino (PSB).

Ambos conversaram ao longo do sábado (7.jan.2023) e do domingo (8.jan.2023) sobre como reagiriam a eventuais manifestações violentas de apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (ou, como se autodeclaram, “patriotas”) que estavam marcadas para o domingo, em Brasília. No meio da tarde do sábado, já se sabia que pelo menos 80 ônibus haviam chegado à capital federal trazendo os extremistas.
Veja mais clicando aqui.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Senhor dos Anéis: Moraes manda “CNN”, “Veja” e “GNews” quebrarem sigilo da fonte jornalística

O ministro quer quer o conteúdo das entrevistas com Marcos do Val sejam comparados ao depoimento dele à PF Os três veículos de imprensa...

Proposta de “oposição unida” em Timon terá que enfrentar o primeiro obstáculo: cargos

Nomeações para cargos em Timon deverá ser o primeiro desafio da proposta de união da oposição a começar pelos aliados do governador. Muito embora tenham...

Tudo o que os governistas de Timon não queriam, poderá acontecer em 2024. Oposição trabalha pela união

Oposição de Timon, realizou em São Luiz, ontem, a primeira reunião para tratar da união do grupo e vencer as eleições em 2024. Em reunião,...

Governador afastado de Brasília não supervisionou a instalação das tropas da PM e ministro da Justiça tampouco cobrou reforços na manhã de domingo.

O 8 de Janeiro, como ficará marcada a data em que houve a invasão das sedes dos Três Poderes em Brasília, teve erros e omissões de duas autoridades que cuidam diretamente de segurança pública: o governador afastado do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), e o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino (PSB). Ambos conversaram ao longo do sábado (7.jan.2023) e do domingo (8.jan.2023) sobre como reagiriam a eventuais manifestações violentas de apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (ou, como se autodeclaram, “patriotas”) que estavam marcadas para o domingo, em Brasília. No meio da tarde do sábado, já se sabia que pelo menos 80 ônibus haviam chegado à capital federal trazendo os extremistas. Veja mais clicando aqui.