Malala apela por libertação de nigerianas

spot_img
Compartilhe:

A jovem paquistanesa Malala Yousafzai, ganhadora do Prêmio Nobel da Paz no ano passado, pediu hoje (8) mais esforços para a libertação das estudantes nigerianas sequestradas em abril do ano passado por militantes do grupo Boko Haram.

Em sua página na internet, Malala criticou a “pobre” resposta à situação, acrescentando que, se os pais das meninas fossem influentes política ou economicamente, “muito mais teria sido feito para libertá-las”. Segundo Malala, como são originárias de uma área pobre do Noroeste da Nigéria, pouco mudou desde que foram sequestradas”, lamentou a jovem opositora do regime talibã, que atualmente vive no Reino Unido.

Malala propôs que os candidatos à próximas eleições na Nigéria deem prioridade à libertação das estudantes nos primeiros 100 dias de legislatura. “Essas jovens arriscaram tudo para obter uma educação que a maioria de nós tem garantida. Não podemos esquecê-las”, afirmou a ganhadora do Prêmio Nobel.

Neste domingo, em uma cidade fronteiriça do Sudeste da Nigéria, em um novo ataque do Boko Haram, uma explosão matou pelo menos uma pessoa e feriu dez, disseram testemunhas e fontes hospitalares. Os militantes islâmicos atacaram a cidade de Diffa antes do amanhecer, dois dias após o lançamento de seu primeiro grande ataque na zona fronteiriça. A causa da explosão em Diffa ainda não é conhecida – algumas fontes falam em ataque suicida e outras, em atentado a bomba ou morteiro.

 

Edição: Veja Timon

Via: Agência Brasil

Compartilhe:
Veja Timon
Veja Timonhttps://vejatimon.com
O Veja Timon foi desenvolvido para suprir os timonenses com informações de um modo geral, onde a política não venha ser o foco central. Um site diversificado e imparcial, trabalhamos para levar um conteúdo de relevância para cidade. Veja Timon - Junto Com o Povo

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

De olho na interatividade com ouvinte, Rádio de Timon lança aplicativo, site e perfis em redes sociais

A Rádio Livre Fm 106.1 lança hoje, dia (28) uma série de novas plataformas para ampliar a interatividade com o público e disponibilizar a...

Estudante de jornalismo é encontrada desmaiada na UFPI e morre em hospital de Teresina

Uma estudante de jornalismo, de nome não revelado, morreu em um hospital de Teresina após ter sido encontrada desacordada nas dependências da Universidade Federal do...

Em café da manhã de trabalho, Timon e Caxias discutem duplicação da BR 316

Uilma Resende reuniu vereadores e representantes das duas cidades para discutir esse projeto, tendo em vista a nomeação de Cleiton Noleto para o DNIT-MA. Se...
A jovem paquistanesa Malala Yousafzai, ganhadora do Prêmio Nobel da Paz no ano passado, pediu hoje (8) mais esforços para a libertação das estudantes nigerianas sequestradas em abril do ano passado por militantes do grupo Boko Haram. Em sua página na internet, Malala criticou a “pobre” resposta à situação, acrescentando que, se os pais das meninas fossem influentes política ou economicamente, “muito mais teria sido feito para libertá-las”. Segundo Malala, como são originárias de uma área pobre do Noroeste da Nigéria, pouco mudou desde que foram sequestradas”, lamentou a jovem opositora do regime talibã, que atualmente vive no Reino Unido. Malala propôs que os candidatos à próximas eleições na Nigéria deem prioridade à libertação das estudantes nos primeiros 100 dias de legislatura. “Essas jovens arriscaram tudo para obter uma educação que a maioria de nós tem garantida. Não podemos esquecê-las”, afirmou a ganhadora do Prêmio Nobel. Neste domingo, em uma cidade fronteiriça do Sudeste da Nigéria, em um novo ataque do Boko Haram, uma explosão matou pelo menos uma pessoa e feriu dez, disseram testemunhas e fontes hospitalares. Os militantes islâmicos atacaram a cidade de Diffa antes do amanhecer, dois dias após o lançamento de seu primeiro grande ataque na zona fronteiriça. A causa da explosão em Diffa ainda não é conhecida – algumas fontes falam em ataque suicida e outras, em atentado a bomba ou morteiro.   Edição: Veja Timon Via: Agência Brasil